Empresas

UBS conclui compra do Credit Suisse, na maior fusão bancária desde 2008

Grupo passa a administrar US$ 5 trilhões em ativos financeiros e se torna o maior gestor de patrimônio do mundo

Credit Suisse. Foto: Divulgação Twitter.
Credit Suisse: no ano passado, o banco que ainda era o segundo maior da Suíça, começou a passar por um processo de reestruturação mal sucedido. Foto: Divulgação/ Twitter

O UBS Bank concluiu nesta segunda-feira, 12/06, a compra do Credit Suisse; É a maior fusão no setor bancário desde a crise financeira de 2008: a união criou um banco suíço gigante com um balanço patrimonial estimado em US$ 1,6 trilhão. O novo grupo financeiro passa a administrar US$ 5 trilhões em ativos financeiros, o que o coloca como o maior gestor de patrimônio do planeta.

O acordo entre as duas instituições foi anunciado em março, após uma forte crise de confiança que se abateu sobre o Credit Suisse. Na época, o banco divulgou um forte crescimento do endividamento, que atingiu US$ 3,37 bilhões (R$ 16,41 bilhões). A compra pelo UBS teve como pano de fundo uma forte influência de autoridades do governo suíço, que viram na transação uma oportunidade para evitar a contaminação do problema para outras instituições do país.

O presidente do UBS, Colm Kelleher, afirmou que está satisfeito com o fechamento do negócio em apenas três meses e que a transação reúne, pela primeira vez, dois bancos importantes para o sistema financeiro global. “À medida que começarmos a operar o grupo bancário consolidado continuaremos a ser guiados pelos melhores interesses de todas as partes interessadas, incluindo investidores”.

As duas instituições financeiras empregam juntas mais de 120 mil pessoas em todo o mundo. No entanto, o UBS já declarou que cortará empregos para reduzir custos.

Os dois bancos, segundo comunicado do UBS, vão operar de forma separada: o UBS AG e Credit Suisse AG. Cada um seguirá com suas subsidiárias e agências. No entanto, o Conselho de Administração e a Diretoria Executiva do UBS Group AG terão a responsabilidade geral pelo grupo consolidado.

Para Sergio P. Ermotti, CEO do UBS Group AG, a fusão terá um “alcance geográfico mais amplo e acesso a um conhecimento ainda maior”.

O que aconteceu com o Credit Suisse?

A fusão concluiu uma história de 167 anos do Credit Suisse, que nos últimos anos foi marcada por prejuízos bilionários. No ano passado, o banco, que ainda era o segundo maior da Suíça, começou a passar por um processo de reestruturação mal sucedido.

Um levantamento da TradeMap na época mostrou que a instituição perdeu US$ 10,6 bilhões em valor de mercado em um ano. Em março de 2022, o banco valia US$ 19,1 bilhões e um ano depois esse número já havia caído para US$ 8,5 bilhões, uma perda de 55,5%.

O estopim para que a crise se instalasse de uma vez na instituição financeira aconteceu após a quebra de dois bancos nos Estados Unidos por problemas de liquidez: o Silicon Valley Bank (conhecido como o banco das startups) e o Signature Bank (instituição com foco em criptomoedas). O caso reacendeu na memória dos investidores a crise financeira de 2008, que começou nos Estados Unidos e se alastrou para o resto do mundo.

Como começou a crise bancária?

Desde março de 2021, para conter a maior inflação em quatro décadas, o Federal Reserve (Fed) passou a promover um aperto monetário e subir a taxa básica de juros da economia.

Com os juros escalando na maior economia do mundo, a atratividade dos investimentos em ativos de risco diminuiu e houve uma migração para a renda fixa, principalmente títulos da dívida americana, os mais seguros do planeta. Com a falta de capital para gerir os negócios, as empresas passaram a retirar os seus depósitos dos bancos.

A saída de recursos levou a perda da rentabilidade dos títulos de várias instituições financeiras. Além da queda na rentabilidade dos investimentos, a pandemia e a inflação levou vários clientes a retirar suas economias do banco para pagar contas. Como parte dos bancos americanos não estava preparada para lidar com essa forte saída de recursos, se instalou uma crise que prejudicou o sistema bancário também na Europa.

Outro banco que sofreu e precisou ser comprado foi o First Republic Bank, que no começo de maio foi adquirido pelo J.P. Morgan.

Para saber ainda mais sobre investimentos e educação financeira, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias