Notícias

Governo reduz estimativa para o PIB em 2023 e 2024; rombo nas contas avança

Economia deve crescer 3% em 2023 e 2,2% no ano que vem. Déficit nas contas subiu para R$ 113,5 bilhões. Expectativa de inflação recuou neste ano e avançou em 2024

Os serviços tiveram um papel fundamental no resultado positivo da economia em 2022.

A economia brasileira deve crescer menos nos próximos dois anos, segundo as novas estimativas divulgadas pelo Ministério da Fazenda nesta terça-feira, 21/11.

O Produto Interno Bruto (PIB) em 2023 foi revisado para uma alta de 3%. Em setembro, o governo havia estimado um avanço de 3,2%.

Segundo o Boletim Macrofiscal, a previsão de crescimento menor acontece diante da desaceleração da economia no 3º trimestre. A expectativa de alta caiu de 0,1% para 0%.

A piora da atividade econômica virá do setor de serviços, que tem uma previsão de crescimento menor que o esperado no resto do ano, de acordo com a Secretaria de Política Econômica (SPE). Mesmo com essa previsão, o PIB do 4º trimestre deve ser melhor que o anterior.

O que é o risco-país e como ele pode afetar seus investimentos

“A perspectiva ainda é de aceleração no ritmo da atividade no 4º trimestre, motivada pelo crescimento de alguns subsetores menos sensíveis ao ciclo e pela resiliência do consumo das famílias”.

Segundo o secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Guilherme Mello, o mercado de trabalho resiliente e o crescimento do rendimento real médio mostra um aspecto positivo do ponto de vista da demanda e da renda das famílias.

“Nós temos uma taxa de desemprego num nível historicamente baixo. (…) Nós temos indicadores que mostram a força do mercado de trabalho e nós percebemos também uma melhora significativa do mercado de crédito”, afirmou durante entrevista aos jornalistas.

O programa Desenrola, que entrou em uma nova fase com o parcelamento das dívidas de até R$ 20 mil, também foi citado pelo Secretário como um impulsionador para a atividade econômica brasileira.

O que é macroeconomia? Veja como isso afeta seus investimentos!

“Nós observamos uma queda na taxa de inadimplência das pessoas físicas, como no comprometimento da renda com o pagamento de dívidas. Esse é um bom cenário. O Desenrola ainda tem um potencial de alcançar muito mais gente”, concluiu.

O boletim do ministério da Fazenda também trouxe preocupação com o ambiente externo mais incerto do ponto de vista de juros e do cenário de agravamento de conflitos geopolíticos globais.

“Em contrapartida, as atividades menos influenciadas pelo setor externo devem se beneficiar com a política monetária menos contracionista, com as melhores condições de crédito e com o crescimento da massa de rendimento real”.

Mesmo com a redução, a estimativa do governo federal segue acima da projeção do mercado financeiro, que prevê um avanço no PIB de 2,85% para este ano.

Para 2024, o governo reduziu o crescimento do PIB de 2,3%, para 2,2%. Apesar da piora, a Fazenda espera que o ambiente interno vá contribuir para o avanço da economia no ano que vem.

O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país. O indicador serve para medir a evolução da economia.

Inflação e PIB

O boletim Macrofiscal trouxe uma melhora na estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2023. A projeção de inflação passou de 4,85% em setembro para 4,66%.

Com a queda, o índice ficou abaixo do teto da meta de inflação definida pelo Conselho Monetário Nacional, que é de 4,75%. A meta deste ano é de 3,25% e será cumprida se o IPCA oscilar entre 1,75% e 4,75%.

Para 2024, houve uma piora na expectativa de inflação, de 3,4% para 3,55%. Com esse resultado, a projeção para o IPCA segue acima da meta perseguida pelo Banco Central, que é de 3%.

“Tudo indica, que fecharemos o ano dentro da banda superior da meta de inflação. Para o ano que vem, iniciaremos um processo de convergência para aproximar a inflação ao centro da meta de 3%”, afirmou Guilherme Mello.

Prisma Fiscal

O resultado primário das contas públicas neste ano piorou. Saiu de um déficit de R$ 107 bilhões para R$ 113,5 bilhões, segundo as estimativas do mercado coletadas pelo relatório chamado de Prisma Fiscal.

A subscretária de Política Fiscal, Débora Freire, lembrou que em janeiro, a pasta tinha uma projeção inicial de um déficit de R$ 125,9 bilhões. “Portanto, ainda estamos em posição favorável, nesse olhar do ano como um todo”, afirmou.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias