Notícias

Incertezas sobre as contas públicas podem elevar juro de equilíbrio da economia, diz BC

Ata do Copom defende executar meta fiscal definida pelo governo, já que discussão para mudanças tem pressionado os juros futuros. Cenário externo adverso também preocupa

Copom. Foto Marcelo Camargo/Agência Brasil
O livro de registros do Copom, o Comitê de Política Monetária. Foto Marcelo Camargo/Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

O Comitê de Política Monetária (Copom) afirmou nesta terça-feira, 07/11, que o aumento das incertezas sobre as contas públicas vem pressionando as taxas de juros futuras, usadas como base para empréstimos bancários.

Essa avaliação vem diante das recentes discussões no governo sobre mudanças na meta fiscal de déficit zero em 2024.

“O Comitê vinha avaliando que a incerteza fiscal se detinha sobre a execução das metas que haviam sido apresentadas, mas nota que, no período mais recente, cresceu a incerteza em torno da própria meta estabelecida para o resultado fiscal, o que levou a um aumento do prêmio de risco”, afirma o Banco Central.

A análise desse cenário consta na ata da última reunião do colegiado, realizada na semana passada, quando a Selic foi reduzida para 12,25% ao ano. Esse foi o terceiro corte consecutivo de 0,5 ponto percentual na taxa básica de juros. A ata foi divulgada hoje.

Para o Comitê, um aumento de gastos pode pressionar a inflação. Portanto, o documento reiterou que as metas estabelecidas devem ser seguidas.

“Tendo em conta a importância da execução das metas fiscais já estabelecidas para a ancoragem das expectativas de inflação e, consequentemente, para a condução da política monetária, o Comitê reafirma a importância da firme persecução dessas metas”.

Desânimo com as reformas

Além da questão sobre a disciplina fiscal, os membros do Comitê do Banco Central afirmaram que o “esmorecimento” (desânimo) no esforço de reformas estruturais pode elevar a taxa de juros neutra da economia brasileira.

A taxa neutra é aquela que não reduz e nem aumenta a inflação. Segundo a ata, isso pode trazer “impactos deletérios sobre a potência da política monetária e, consequentemente, sobre o custo de desinflação em termos de atividade [ou seja, sobre o do PIB]”.

Cenário interno

Em relação à economia brasileira, o Comitê afirmou que os indicadores recentes mostram um cenário de desaceleração do Produto Interno Bruto, como o esperado, ao longo do 2º semestre.

Para a inflação, segundo o BC, os preços aos consumidores também seguem uma trajetória de queda, diante da “desaceleração tanto na inflação de serviços quanto nos núcleos de inflação”.

Porém, observou que as expectativas de inflação seguem desancoradas, ou seja acima da meta, e “são um fator de preocupação”.

Para o economista-chefe da Nova Futura, Nicolas Borsoi, a queda da inflação no setor de serviços será crucial para o Banco Central seguir com o corte na Selic.

“O Copom reconhece que o cenário de inflação segue benigno, mas que as fontes recentes da desinflação, bens industriais e alimentos, começam a se esgotar, sugerindo que cabe aos serviços a tarefa de desinflacionar a economia”.

Cenário Externo

Os membros do Copom avaliaram o cenário externo como incerto e desafiador. O Comitê dividiu essas preocupações em dois pontos.

  • Conflito no Oriente Médio: que trouxe variações, até o momento, moderadas para a taxa de câmbio e o preço do petróleo;
  • Aperto monetário global: juros mais altos, principalmente nos Estados Unidos, podem trazer pressões sobre a moeda e impactar a inflação.

Importante lembrar que com os juros americanos mais altos, há um deslocamento de investimentos para os Estados Unidos, principalmente com saída de recursos de países emergentes. Com menos dólares na economia, o real se desvaloriza e o preço dos produtos em cotados em moeda americana sobem.

“A ata mostrou o debate em torno dos canais de transmissão da taxa de juros dos EUA para a economia brasileira e que a manutenção de juros altos por mais tempo cria um desafio grande para as economias emergentes, levando o comitê a afirmar que é apropriado adotar uma postura de maior cautela”, afirma Nicolas Borsoi.

Próximos passos

Apesar dos cenários preocupantes, o Copom voltou a afirmar que “todos os membros do Copom concordaram, de forma unânime, com a expectativa de cortes de 0,50 ponto percentual nas próximas reuniões”.

Entretanto os membros do Comitê ressaltam que apesar do processo de desinflação, ainda há um longo caminho a percorrer para levar a inflação para a meta. “O que exige serenidade e moderação na condução da política monetária”, conclui.

Para o economista-chefe da Nova Futura, o Comitê trouxe uma mensagem mais cautelosa diante do cenário externo e da falta de panorama para a desinflação a frente. “O ritmo de cortes de 0,50% deve seguir no curto prazo, mas que o tamanho dependerá da reancoragem das expectativas. Sigo com o cenário de Selic a 11,75% em 2023 e 10% em 2024”.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.