Notícias

Inflação do consumo nos EUA tem alta modesta, dentro do esperado

Índice preferido para decisões de política monetária pelo Federal Reserve avançou 0,2% em julho e 3,3% na base anual, menores ganhos desde 2020

Dólar. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
O dólar, a moeda dos EUA, é a mais valiosa do mundo. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

Em meio as discussões sobre novos aumentos de juros nos Estados Unidos pelo Federal Reserve (Fed), o índice de inflação muito observado pelo BC americano para definir a sua política monetária, registrou em julho os menores ganhos consecutivos em três anos.

O índice de preços de gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês) cresceu 0,2% em julho, na comparação com o mês anterior. Na base anual, o indicador ficou em 3,3%, um pouco acima dos 3% em junho.

Os dados foram divulgados nesta quinta-feira, 31/08, pelo Departamento do Comércio do país. Ainda na base anual, os preços de alimentos cresceram 3,5% e serviços subiram 5,2%. Na contramão ficaram os preços de bens de consumo (-0,5%) e energia (-14,6%).

O núcleo do índice – que exclui itens voláteis como alimentos e energia, além de apontar uma tendência para os preços – avançou 0,2% em julho, dentro do esperado. No ano, a alta foi de 4,2%, ante 4,1% no mês anterior.

A renda pessoal dos americanos avançou 0,2% em julho e os gastos com consumo subiram 0,8% em julho.

Inflação x Juros

Apesar dos números mais positivos, o Fed está longe de conseguir levar a inflação para a meta de 2%. Na semana passada, o presidente do Fed, Jerome Powell, afirmou que pretende manter os juros altos, até conseguir domar os preços.

“Embora a inflação tenha descido do seu pico, uma desaceleração bem-vinda, ela continua demasiadamente elevada”, disse.

Diante dessa pressão, em junho o BC americano elevou a taxa básica de juros para o maior patamar em 22 anos, no intervalo de 5,25% a 5,5% ao ano. O mercado espera estabilidade na reunião de setembro, mas prevê uma nova alta ainda neste ano.

Mercado de trabalho

Os pedidos de seguro-desemprego nos EUA caíram para 228 mil na semana encerrada em 26 de agosto, ante 232 mil na anterior. O resultado veio abaixo do esperado pelos analistas.

Na segunda-feira, também foi divulgado que a abertura de postos de trabalho desacelerou em julho ao menor nível em dois anos.

O menor número de vagas, aliado ao aumento da participação na força de trabalho, deu um maior equilíbrio ao mercado de trabalho americano. Essa combinação, ajudou a moderar o crescimento dos salários, que tem impacto direto na demanda e na inflação.

O analista da Rico, Antonio Sanches, explica que o esfriamento do emprego e da atividade econômica nos EUA é mais um indicador importante de que os juros mais altos tem trazido um efeito positivo para a inflação.

“Apesar de parecer contraditório, o freio na economia pode indicar a efetividade dos juros mais altos para controlar a inflação, e alimentam expectativas de que o Banco Central não precise mais subir os juros por lá”, explica.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias