Notícias

Inversão da curva de juros nos EUA: o que é e o que isso significa para o Brasil?

Dados fortes de atividade nos Estados Unidos reduzem temores sobre recessão, mas juros devem se manter mais elevados por mais tempo

Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
O resultado foi considerado positivo por agentes do Mercado Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Por Daniela Frabasile

A inversão da curva de juros nos Estados Unidos é tida por muitos economistas e participantes do mercado como sinal de que uma recessão se aproxima. Há quem defenda que, historicamente, uma vez que a curva se inverte, a economia norte-americana entra em recessão em cerca de 15 meses. E quando a curva se inverteu da última vez? Há cerca de 15 meses.

Mas há razões para acalmar os temores e rever essa teoria. Uma delas é que a inversão diminuiu nas últimas semanas, o que pode indicar uma volta à normalidade. 

+ Dólar: entenda por que ele sobe e desce e como afeta os brasileiros

O que é a inversão da curva de juros?

Em primeiro lugar, é importante entender o que é essa inversão e o que ela significa. 

Essa é uma situação que acontece quando as taxas dos títulos do tesouro americano de curto prazo ficam mais elevadas que as taxas dos títulos de longo prazo. O mais comum é o contrário, por uma razão simples: as dívidas de mais curto prazo são vistas como mais seguras, e por isso pagam taxas menores – menos risco, menos retorno. 

Já os títulos com vencimento mais distante costumam pagar taxas um pouco mais elevadas – mais risco, mais retorno. 

Desde o ano passado, o mercado vive nessa situação de inversão. A diferença entre as taxas de curto e longo prazo chegou a marcar máximas não vistas desde 1981. 

Nas últimas semanas, no entanto, com o aumento geral das taxas de juros, a diferença começou a cair. Em julho, os títulos curtos chegavam a pagar juros 107,5 pontos-base acima dos títulos mais longos. Essa diferença hoje está mais perto de 30 pontos-base, a menor em 12 meses.

O que a inversão significa?

Segundo Lívio Ribeiro, pesquisador associado do FGV Ibre e sócio da BRCG Consultoria, a inversão acontece quando há no mercado uma percepção de que os juros de curto prazo estão demasiadamente altos, e que a autoridade monetária terá de reverter essa situação no futuro próximo – ou seja, terá de começar a reduzir as taxas em breve. 

Paulo Feldmann, professor da FIA Business School, explica que “a taxa nos Estados Unidos foi elevada em um momento em que a economia não estava tão acelerada. E o aumento dos juros coloca ainda mais pressão para uma desaceleração da atividade.

A curva se inverte porque as pessoas acham que esse aumento na taxa vai durar pouco porque o governo vai ter que reverter essa taxa no curto prazo para evitar uma contração da atividade”.

Devemos esperar uma recessão nos EUA?

O Goldman Sachs alerta que a situação atual é atípica e que a curva não indica uma recessão a caminho. O banco inclusive reduziu a probabilidade de uma queda na atividade econômica no curto prazo. 

Segundo afirmou Ashok Varadhan, co-head de Global Banking & Markets, em um estudo, o que causou a inversão não foi uma redução na taxa dos títulos de 10 anos, mas a elevação dos juros de curto prazo pelo Federal Reserve

Na tentativa de domar a inflação elevada, o banco central norte-americano estipulou uma faixa de entre 5,25% a 5,5%, historicamente alta para o país. Em outros momentos, justifica Varadhan, a inversão da curva aconteceu porque os títulos mais longos estavam pagando menos juros do que o comum, reflexo da maior demanda de investidores pelos papéis com vencimento de 10 anos.

+ Inflação controlada: como os Bancos Centrais definem a taxa de juros?

Outra especificidade da inversão atual é que a queda da diferença entre as taxas mais longas e mais curtas tem acontecido pelo aumento das taxas longas (as taxas abriram, no jargão do mercado), e não pela queda nas taxas mais curtas. 

“O juro longo abriu, e a inversão da curva diminuiu muito. A curva continua invertida, mas muito menos do que se imaginava”, afirma Lívio Ribeiro, pesquisador associado do FGV Ibre e sócio da BRCG Consultoria. Segundo ele, a redução da inversão atual mostra que o mercado acredita agora que as taxas ficarão mais elevadas por mais tempo.

Segundo o professor, há algumas razões para isso. A primeira é que o que se imaginava ser um patamar excessivamente restritivo se mostrou não tão restritivo a ponto de desacelerar a economia.

 Os dados sobre a atividade e o emprego nos Estados Unidos têm surpreendido positivamente desde o começo do ano, e de forma ainda mais acentuada no segundo semestre.

Na semana passada, por exemplo, o Payroll surpreendeu o mercado ao apontar que a economia americana criou o dobro de vagas em setembro do que era esperado pelos analistas. “Eu caracterizaria a economia americana como incrivelmente resiliente”, afirmou Ashok Varadhan, do Goldman Sachs, em um podcast.

Ou seja: os dados podem apontar para um mundo com juros mais elevados, e que esse cenário pode ser mais persistente do que se imaginava. “Assim, a inversão da curva fica menos relevante”, explica Lívio. “Parece que o Fed escolheu um caminho que alonga o ciclo de política monetária, e não sobe tanto os juros no curto prazo, portanto a curva fica mais horizontal”, completa.

“O mundo que emerge no pós-covid tem inúmeros choques e mudanças de preços relativos, mudanças no padrão de consumo, e uma política fiscal mais ativa do que no pré-pandemia. Isso tudo somado sugere que taxas neutras no mundo tenham subido. É razoável acreditar que o juros agora será mais elevado do que no passado”, afirma Ribeiro. A taxa neutra, vale lembrar, seria aquela em que os juros não contraem nem estimulam a atividade econômica. 

Essa visão, entretanto, não é consenso. “Na minha visão, os Estados Unidos não podem ficar com a taxa de juros tão elevada nesse momento, em que o consumo ainda está caindo e os indicadores de emprego não estão tão bons”, defende Feldmann.

+ Hawkish ou dovish? Entenda os ‘tons’ da política monetária

Quais os efeitos para o Brasil?

Para Lívio Ribeiro, o primeiro impacto para o Brasil é uma maior dificuldade na redução dos juros locais. Desde o início do ciclo de cortes, em junho, o Banco Central brasileiro já promoveu dois cortes de 0,5 ponto porcentual na Selic, hoje em 12,75%. “O mercado estava muito animado com o corte de juros, mas tem ajustado as previsões”, diz. “O cenário não inviabiliza os cortes de juros, mas é mais desafiador”.

De acordo com o mais recente relatório Focus, a Selic deve fechar o ano em 11,75%. Para 2024, a estimativa para a taxa básica de juros seguiu em 9% ao ano, enquanto em 2025 permanece estável em 8,5%.

“Dessa vez, o Brasil não vai acompanhar o movimento dos Estados Unidos e elevar a taxa de juros. Isso não é o normal”, diz Feldmann, da FIA. “A taxa já está muito alta, e em processo de redução, o que é muito importante para a economia brasileira”.

Outro efeito é no câmbio, com uma depreciação do real frente ao dólar, fato que pode colocar mais pressão sobre a inflação, já que os bens importados tendem a ficar mais caros no mercado doméstico. “Pelo câmbio, podemos ter um aumento da competitividade dos bens industriais brasileiros, mas é pontual”, complementa Lívio.

Quer aprender mais sobre investimentos no exterior? Este curso gratuito sobre Investindo em ações no exterior pode te ajudar. Mais cursos sobre o tema e outros assuntos de economia e finanças você encontra no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias