Notícias

IPCA de agosto: Inflação volta a acelerar e atinge 0,23%

A inflação do Brasil medida pelo IPCA de agosto teve alta conforme previsto pelo mercado, ainda que em grau menor

Apesar de parecidos, os termos inflação, deflação e desinflação significam fenômenos econômicos distintos, que o IPCA-15 mede. Foto: Adobe Stock

Por Guilherme Naldis

A inflação oficial do Brasil avançou 0,23% entre julho e agosto deste ano. Segundo os dados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), levantados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa superou os 0,12% do período anterior. Ainda assim, o dado foi bem recebido pelo mercado, que projetava alta de 0,28%, de acordo com a mediana recolhida pela Bloomberg. 

No acumulado de 12 meses, a alta do IPCA foi de 4,61%. O número está dentro da faixa de inflação estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), do Banco Central, para este ano, que vai de 1,75% a 4,75%. A taxa superou a inflação registrada em agosto de 2022, quando houve deflação de 0,36%. 

Apesar da alta dos preços, o dado desta terça-feira, 12/09, está em linha com as projeções do mercado. Segundo Rachel de Sá, economista-chefe da Rico, a nova alta já era esperada.

Recepção do IPCA de agosto 

Ela explica que, ao mesmo tempo que alguns itens da cesta surpreenderam positivamente, com maior deflação ou desinflação do que o esperado, outros tiveram altas acima das expectativas. 

O preço dos combustíveis teve um desempenho pior do que o esperado, em razão das mudanças na políticas de preços da Petrobras, ao passo que itens de higiene pessoal e perfumaria não subiram tanto quanto o esperado.

Inflação: o que é, como afeta seu bolso e como se proteger

“Do ponto de vista das pessoas, alguns preços podem assustar, como a energia elétrica que subiu bastante, devido ao desconto da Usina de Itaipu no mês passado. Neste mês não houve desconto, então já era esperada a reversão”, exemplifica.  

Alta inflacionária já estava no preço

O analista da Empiricus, Matheus Spiess, explica que o resultado foi positivo na medida em que, mesmo demonstrando inflação, atendeu ao que o mercado havia projetado. Na média, foi até melhor. 

“Parte dessa aceleração é reflexo da deflação do ano passado ano passado, que já estava na conta do mercado que viu o movimento como natural”, afirmou.

Automóveis e combustíveis no IPCA de agosto

Os gastos com Transportes passaram de um aumento de 1,50% em julho para uma elevação de 0,34% em agosto. O preço do automóvel novo aumentou 1,71%, e os combustíveis subiram 0,87%, com destaque para a gasolina, que teve uma alta de 1,24%. O óleo diesel subiu 8,54%, enquanto recuaram os preços do etanol (-4,26%) e do gás veicular (-0,72%).

IPCA, IGP-M, INPC, IPC: conheça os índices de inflação do Brasil

“O destaque foi para os carros novos, com o final do programa de incentivo do governo, combustíveis, em razão dos aumentos da Petrobras, e a energia elétrica”, afirma Paulo Gala, economista-chefe do Banco Master

Expectativas para o Copom

Não há consenso sobre como o IPCA de agosto deve ser interpretado pelo Banco Central. Para Spiess, da Empiricus, os números retomam a possibilidade de um corte de 0,75% na Selic nas próximas reuniões. 

“O ambiente ainda é muito incerto, então não há muita certeza do que pode acontecer com a política monetária. Não é trivial, mas caso os dados se mantenham na tendência atual, a possibilidade de uma alta mais enérgica nas reuniões depois de setembro aumenta”, afirma. 

Étore Sanchez, economista-chefe da Ativa Investimentos, afirma que o número somente confirma “o plano já estabelecido pelo BC – de cortar a Selic em 0,50% a cada reunião até o final de 2023”.

Na visão dele, o indicador comportado não muda as perspectivas da trajetória do juro. “A média dos núcleos tinha arrefecido, mas eles voltaram a subir. O que mostra que a inflação não está tão sob controle assim”, diz. No acumulado de 12 meses, a queda dos núcleos foi de 5,62% em julho para 5,22% no mês passado.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias