Mercado

Fitch rebaixa rating dos EUA de AAA para AA+, com perspectiva estável

Estátua da liberdade em Nova York. Foto: Adobe Stock
No Brasil, as moedas estrangeiras variam livremente de acordo com a oferta e a demanda. Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

A a agência de classificação de risco Fitch rebaixou o rating de emissor de inadimplência a longo prazo e moeda estrangeira (IDR, na sigla em inglês) dos Estados Unidos de AAA para AA+, com perspectiva estável.

Segundo a Fitch, o rebaixamento reflete a deterioração fiscal esperada para os próximos três anos, assim como a crescente dívida do governo geral. Ainda, destaca para uma erosão relativa da governança em relação aos pares ‘AA’ e ‘AAA’ nos últimos 20 anos que se manifestou em repetidos impasses de limite de dívida e resoluções de última hora.

No comunicado em que anunciou o rebaixamento do rating americano, a Fitch prevê que os Estados Unidos enfrentarão recessão “leve” entre o quarto trimestre de 2023 e o primeiro de 2024, diante da desaceleração do consumo. A agência ainda prevê que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do país deverá ser de 1,2% em 2023, após alta de 2,1% em 2022, seguida de um avanço de 0,5% de 2024.

+ O que é uma nota de risco?

A agência de avaliação de risco projeta que o Federal Reserve (Fed) elevará elevar as taxas novamente em setembro, em 25 pontos-base (pb), para a faixa entre 5,50% e 5,75%. “Enquanto a inflação nominal caiu para 3% em junho, o núcleo da inflação do PCE, o principal índice de preços do Fed, permaneceu teimosamente alto em 4,1% no comparativo anual. Isso provavelmente impedirá cortes na taxa de fundos federais até março de 2024”.

Por que o rating dos EUA foi rebaixado pela Fitch?

A Fitch avalia que houve uma deterioração nos padrões de governança nos últimos 20 anos nos Estados Unidos, apesar da resolução bipartidária para suspender o limite da dívida até janeiro de 2025, colocando fim no impasse entre o presidente americano, Joe Biden, e o presidente da Câmara dos Representantes, Kevin McCarthy.

“Os repetidos impasses políticos do limite da dívida e resoluções de última hora corroeram a confiança na gestão fiscal. Além disso, o governo carece de uma estrutura fiscal de médio prazo, ao contrário da maioria de seus pares, e possui um processo orçamentário complexo”, destaca a agência de avaliação de risco.

Segundo a Fitch, tais fatores, junto a diversos choques econômicos, tiveram contribuição para o aumento da dívida nos últimos dez anos, ao passo que houve “progresso limitado” no enfrentamento dos desafios relacionados aos custos da previdência social devido ao envelhecimento da população.

+ O que significa a elevação da perspectiva da nota de crédito do Brasil pela S&P?

A expectativa da Fitch é de que o déficit do governo suba de 3,7% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2022 para 6,3% do PIB em 2023, como reflexo da receita federal mais fraca, novos gastos e carga de juros mais alta. “Além disso, espera-se que os governos estaduais e locais tenham um déficit geral de 0,6% do PIB este ano, após um pequeno superávit de 0,2% do PIB em 2022”.

A agência projeta ainda que a relação dívida/PIB avançará de 112,9% este ano para 118,4% até 2025.A Fitch não espera nenhuma outra medida substancial de consolidação fiscal antes das eleições de novembro de 2024.

*Informações da Agência Estado

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias