Mercado

Mercado hoje: ata do Copom e cautela externa com China estarão no radar

Os investidores também ficam à espera ainda de uma série de balanços corporativos, que saem após o fechamento dos mercados

Bandeira do Brasil e da China dividem a imagem
Reabertura econômica chinesa favorecerá parceiros comerciais do país asiático e empresas de setores estratégicos. Foto: AdobeStock

Por Redação B3 Bora Investir

Nesta terça-feira, 8/8, as atenções estarão centradas na divulgação da ata da reunião do Copom da semana passada, que deve detalhar a opção majoritária pelo corte de 0,50 ponto da taxa Selic, a 13,25%, e a visão dos diretores que votaram pela redução de 0,25 ponto, além da sinalização de novos cortes na mesma intensidade nas próximas reuniões.

Também hoje o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e os demais líderes da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA) reúnem-se na Cúpula da Amazônia em Belém. O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, tem encontros com a bancada de deputados do PT, a senadora Tereza Cristina (PP-MS) e o governador do Rio de Janeiro, Claudio Castro (PL). Ainda o diretor de Política Econômica do Banco Central, Diogo Guillen, faz palestra no Tag Summit 2023 e vários balanços corporativos estão previstos no fim da tarde, incluindo Gerdau, Braskem, Engie, CVC e 3R Petroleum.

Nos EUA, comentários dos dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) Patrick Harker (Philadelphia) e Thomas Barkin (Richmond) devem guiar as expectativas de política monetária antes dos dados de inflação previstos para os próximos dias.

+ Queda da Selic: como ficam os meus investimentos?

No exterior

Um quadro negativo predomina nos mercados internacionais após os números mais fracos que o esperado das exportações e das importações chinesas em julho. As bolsas chinesas foram pressionadas por problemas financeiros em incorporadoras, incluindo a maior delas, a Country Garden, que não realizou os pagamentos de dois cupons denominados em dólar, previstos para 6 de agosto, em um total de US$ 22,5 milhões. A Bolsa de Xangai recuou, contaminando outros mercados na região e no ocidente.

Na Europa, os índices acionários são pressionados também pelo índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) da Alemanha, que subiu 6,2% em julho, na comparação anual, como previsto para esta leitura final, mas bem acima da meta do Banco Central Europeu (BCE) para a zona do euro, de 2% ao ano. Além disso, alguns resultados corporativos são avaliados, como o da Glencore, cuja ação recua em Londres após recuo no lucro, e em Milão ações de bancos sofrem após o gabinete de governo da Itália concordar com um imposto sobre lucro do setor para o ano atual.

Já os futuros de Nova York devolvem ganhos de ontem em meio a expectativas por falas de dirigentes do Fed, números da balança americana e a publicação de balanços, na reta final da temporada de resultados do segundo trimestre nos Estados Unidos. O petróleo opera em baixa em meio à valorização do dólar, enquanto os juros dos Treasuries (dívidas) recuam, com investidores à espera ainda dos dados de inflação ao consumidor e ao produtor de China e dos EUA.

+ Saiba quais são os acordos firmados entre Brasil e China; Lula fala em ampliar parceria

No Brasil

Por aqui, os dados da balança chinesa devem pesar nos mercados locais, que já devem abrir repercutindo a ata do Copom. O Ibovespa e as ações da Petrobras podem ser pressionados ainda pela queda do petróleo e balanços corporativos também devem influenciar os ajustes, como o de Itaú Unibanco e Eletrobras. No segundo trimestre, os três maiores bancos privados do País lucraram R$ 15,569 bilhões, queda de 17,2% em um ano.

Os investidores ficam à espera ainda de uma série de balanços corporativos, que saem após o fechamento dos mercados. No câmbio e nos juros, além da precificação da ata do Copom, os investidores acompanham o leilão do Tesouro e o Banco Central inicia a rolagem dos contratos de swap cambial com vencimento em 2 de outubro de 2023, totalizando US$ 15,4 bilhões (307.670 contratos).

Ontem, o Ibovespa fechou em queda de 0,11%, a 119.379 pontos, depois de ter chegado a 120.103 de máxima no início do dia. Simultaneamente, o dólar avançou 0,40%, a R$ 4,8946. O câmbio chegou a estar menos favorável para o real no início do pregão, quando o dólar passou dos R$ 4,90.

*Com informações da Agência Estado

Quer aprender a investir em ações? Confira este curso gratuito disponibilizado pelo Hub de Educação Financeira da B3

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias