Notícias

Por que o acesso ao crédito está mais caro e difícil no Brasil? Entenda

Juros altos, inflação elevada e inadimplência recorde encarecem o custo do crédito e derrubam a demanda no país. Empréstimos mais caros viram solução para muitas famílias

Homem e mulher vistos de cima lidam com contas a pagar e cálculos
De acordo com a última Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), o percentual de famílias endividadas no Brasil avançou para 78,5%. Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

Inadimplência recorde (70 milhões de pessoas negativadas), inflação em patamares elevados (IPCA em 12 meses está em 5,60%) e juros no maior patamar em sete anos (com a taxa Selic em 13,75% ao ano). Esse é o combo de problemas que tornam o momento atual desfavorável para pegar dinheiro emprestado. Todas essas condições já afetam as concessões e os custos do crédito no país.

Em fevereiro, o sistema financeiro concedeu 9,5% a menos de novos empréstimos e financiamentos em relação ao mês anterior, segundo o Banco Central. Apenas para as famílias a queda foi de 10,5% na comparação com janeiro. Pelo critério dessazonalizado – que retira os efeitos que acontecem em uma determinada época – o recuo foi de 2,2% no mês passado, período em que somaram R$ 499,9 bilhões. Em janeiro, haviam totalizado R$ 511,2 bilhões.

O economista da Serasa Experian, Luiz Rabi, afirma que a demanda diminui justamente porque o país está em um processo de aperto monetário. O analista explica que o Banco Central aumenta a taxa de juros de forma sistemática e recorrente visando combater a inflação, e um dos canais onde essa estratégia funciona é justamente o do crédito.

“É através do esfriamento do crédito que a demanda acaba reduzindo. Essa desaceleração da economia faz com que a inflação recue e o BC atinja a sua estratégia de desinflação. Então, quem estava pensando em financiar imóvel ou um veículos, por exemplo, passou a perceber que no momento a prestação não cabe mais no bolso. Então isso acaba retraindo a demanda, principalmente dessas linhas mais longas, de produtos que tem maior valor e consome uma parcela relevante do orçamento mensal”. 

Essa tendência apontada pelo economista é confirmada pelos números dos financiamentos imobiliários com recursos das cadernetas de poupança (SBPE) que estão em desaceleração desde agosto do ano passado. 

No primeiro bimestre de 2023, os empréstimos somaram R$ 22,4 bilhões, redução de 15,3% em relação a igual período do ano passado. Os dados são da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip). Importante lembrar que o Produto Interno Bruto (PIB) do país começou a desacelerar no segundo trimestre de 2022 – já reflexo dos juros em patamares elevados, como mostra o gráfico a seguir.

VALORES FINANCIADOS – IMÓVEIS

(em R$ Bilhões) / Fonte: Abecip

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.