Notícias

Saiba como será a tramitação da Reforma Tributária no Senado

Relator pretende apresentar parecer em 28 de setembro e confia na votação da Reforma Tributária no plenário do Senado em outubro

O objetivo da reforma é simplificar e facilitar a cobrança dos impostos, medida considerada fundamental para melhorar o desempenho da economia.

Por Redação B3 Bora Investir

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou o plano de trabalho para a tramitação da Reforma Tributária na casa. A proposta, apresentada pelo relator, o senador Eduardo Braga (MDB-AM), prevê a realização de audiências públicas para debater impactos nos diferentes setores da economia.

Pelo cronograma, Braga pretende apresentar seu parecer em 28 de setembro. A votação na CCJ está prevista para 4 de outubro. Depois da CCJ, o texto precisa ser aprovado no plenário do Senado, em duas votações, com apoio de pelo menos 49 dos 81 senadores.

Vale lembrar que a proposta já passou pela Câmara dos Deputados. Portanto, se for modificada pelos senadores, terá de retornar para mais uma análise pela Câmara, também em dois turnos.

Reforma Tributária: entenda a proposta e o impacto nos negócios

Em entrevista exclusiva ao B3 Bora Investir, o secretário extraordinário da Reforma Tributária, Bernard Appy, afirmou que a expectativa do governo é que a proposta seja promulgada até o fim deste ano.

O relator afirmou que foi colocada uma margem de segurança nas datas previstas no cronograma de tramitação. O intuito é alinhar com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG) a votação final.

“Foi dito várias vezes que haveria flexibilidade com relação às datas, exatamente porque nós temos que nos ajustar às demandas dos senadores. Nós sabemos que o mundo da política não é uma ciência exata”, disse Braga.

Audiências na CCJ

A previsão é que sejam realizadas oito audiências públicas sobre temas específicos relacionados à Reforma Tributária.

A primeira será na próxima semana, para discutir o panorama do Sistema Tributário Brasileiro, com um diagnóstico dos problemas relativos ao modelo atual. Bernard Appy vai participar do encontro.

As audiências também vão tratar dos eixos:

  • regimes específicos e favorecidos;
  • impacto no setor de serviços;
  • impacto na indústria;
  • impacto no agronegócio e no cooperativismo;
  • impacto sob a ótica dos municípios e dos Estados;
  • casos em que haverá alíquota diferenciada;
  • Conselho Federativo.

Principal impasse

A criação de um Conselho Federativo, órgão que vai centralizar a arrecadação dos IVAS estadual e municipal, além de distribuir o dinheiro para prefeituras e governos estaduais, é o maior impasse. O conselho foi uma das principais divergências entre os governadores.

O texto aprovado na Câmara, atendendo à demanda dos estados do Sul e Sudeste, prevê que as deliberações considerem também o tamanho populacional dos estados. No entanto, esse modelo não agrada os senadores.

Vem aí o open capital market. Presidente da CVM explica o que é

O relator Eduardo Braga afirmou que o órgão será mantido, mas que sofrerá modificações até chegar num modelo mais equilibrado entre as regiões do país.

“Haverá questões que serão tratadas no Senado e que implicarão obviamente em ajustes no texto que veio da Câmara. A reforma tem de ter três fundamentos: a simplificação tributária, o equilíbrio federativo e a neutralidade da carga tributária. O brasileiro não aguenta pagar mais impostos”, conclui.

Para saber mais sobre investimentos, confira os conteúdos gratuitos do Hub de Educação Financeira da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.