Notícias

O que saber antes de investir via BDRs em empresas estrangeiras de tecnologia

Retorno em dólar e diversificação de carteira são algumas vantagens

Tela com gráficos de investimentos. Foto: Adobe Stock
Várias economias do mundo estão debruçadas sobre o assunto com o objetivo de tornar as novidades mais acessíveis e seguras. Foto: Adobe Stock

Avaliar o cenário da economia em geral, o setor em que se quer investir e entender o projeto futuro da empresa. Esses são os primeiros passos que todo investidor brasileiro precisa ficar atento antes de aportar recursos financeiros via Brazilian Depositary Receipts (BDRs) em uma companhia estrangeira de tecnologia. Essa modalidade permite investimento sem abrir uma conta no exterior, o que facilita e atrai mais investidores.

As empresas de tecnologia estrangeiras, como Alibaba (BABA34), Tesla (TSLA34) e Alphabet (GOGL34), são as principais escolhas dos brasileiros na hora de investir no exterior a partir daqui do Brasil, de acordo com um estudo da plataforma Dividendos.me realizado no ano passado.

+ Descubra os 10 BDRs preferidos dos investidores brasileiros

Os BDRs são ativos de renda variável, o que indica que sofrem oscilações a depender de como anda o mercado financeiro internacional. Porém, os investidores que escolhem essa opção de investimento conseguem retorno mais valorizado por causa da cotação do dólar frente ao real. Isso estimula mais investidores a procurarem por essa modalidade para diversificar os rendimentos, de acordo com o economista da Ativo Investimentos, Diego Hernandez.

“O BDR é um ótimo caminho, principalmente para o investidor pequeno. Então em vez dele fazer um câmbio e colocar um recurso lá fora e perder dinheiro nessa cotação, ele pode investir por BDR e já consegue ter uma proteção cambial sem sair com recurso do Brasil e assumir o risco da empresa de tecnologia. Então, para quem está começando a investir no exterior, o melhor caminho é pelo BDR”, explicou.

Sou investidor iniciante, BDRs de empresas TECH são para mim?

Neste caso, o ideal seria deixar o BDR em empresas de tecnologia para quando o investidor iniciante estiver no terceiro nível de investimento. É o que afirma o head de educação financeira da XP Investimentos, Thiago Godoy. Isso ocorre porque o setor apresenta alta volatilidade e, antes de arriscar, é necessário ter uma carteira de investimentos mais sólida e segura.

“É importante entender o setor de tecnologia, quais são os riscos, quais as oportunidades. Isso é um investimento para quem já possui uma reserva de emergência que proporcione uma liquidez, tem que construir uma carteira minimamente posicionada com mais segurança, como na renda fixa. Mesmo que tenha um apetite ao risco, é importante ter um início de carteira em renda fixa, depois vai para os BDRs”, afirmou.

OK, vou investir em BDR de empresas TECH. Por onde começo?

O primeiro passo é avaliar em quais empresas de tecnologia você pretende investir o seu dinheiro. Uma dica é olhar para os relatórios semanais dos principais papéis das grandes empresas divulgados por corretoras. Com essas informações é possível acompanhar os movimentos dos principais papéis de tecnologia como Mercado Livre, Apple, Amazon, Microsoft, Meta, Alphabet, Netflix e Tesla.

“Assim o investidor pode escolher a sua melhor estratégia e incluir os BDRs em sua carteira de investimentos como uma opção de diversificação”, afirma o educador financeiro do Ágora Investimentos, Eduardo Reis Filho.

Faça uma avaliação completa da empresa estrangeira

Segundo Godoy, o investidor precisa conhecer os fundamentos da empresa, não apenas o histórico do passado, como a margem de lucro e se a companhia tem um bom controle das dívidas, mas também olhar para o que está sendo planejado para o futuro no mercado.

“É entender, de fato, o que a empresa faz. O que ela oferece de produto, de serviço, qual a posição dela no mercado e quais são os diferenciais dela. Ela faz o que de diferente e qual a segmentação dela. É importante analisar tudo isso através do site da empresa e de suas concorrentes”, disse.

Godoy salientou, também, que para o investidor iniciante vale mais a pena investir em empresas que já são conhecidas, o que facilita esse processo. “Porque se olhar para empresas menores, você vai precisar de mais conhecimento. Então, olhar para as companhias mais conhecidas vai ajudar a achar mais informações sobre elas”, complementou.

Qual o risco de investir no setor de tecnologia?

A área de tecnologia de grandes empresas apresenta alta oscilações no mercado global, segundo Godoy. “O setor de tecnologia tem volatilidade, com empresas que podem estourar ou sumir. Tem que entender o setor e ver as tendências, uma delas é a Inteligência Artificial, que é o momento. Então, tem que analisar o setor”, afirmou.

Porém, algumas vantagens são trazidas pela volatilidade, como a diversificação da carteira e o retorno em dólar.

“Investir em BDR é colocar o dinheiro num ativo que está em dólar, no exterior, um investimento que ajuda na diversificação e está em alta desde o final de 2020. É um investimento sendo acessado. Então, você diversifica seu dinheiro de forma geográfica, não é só Brasil, com renda fixa e variável. Você acessa grandes empresas que você não teria condições de acessar só no mercado nacional”, disse.

Quer saber como diversificar melhor sua carteira com ações internacionais? Este curso gratuito sobre o tema pode te ajudar.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias