Notícias

Ticker: como nasce o código das empresas listadas na B3?

Siglas são o DNA das companhias de capital aberto, pois são únicas e contêm informações essenciais

Balcão do bora investir
Bolsa de valores brasileira: decisões do Copom e do Fed vieram em linha com as expectativas, mas tom duro do Copom surpreendeu. Foto: Divulgação B3

Relizar o IPO é um passo importante para muitas empresas, afinal, quando se tornam de capital aberto, passam a ter maior captação de recursos para pôr em prática novos projetos e iniciativas.

Além disso, quando são listadas na bolsa, as empresas devem refinar suas políticas de compliance, uma vez que passam a ser avaliadas por agências de rating e contar com maior número de sócios – dependendo do tipo de ação ofertada, os acionistas podem ter participação em decisões administrativas.

Porém, a primeira etapa dessa série de mudanças é a criação do ticker, código por meio do qual as ações de uma empresa são negociadas na bolsa. Preparamos a seguir algumas curiosidades sobre como os tickers surgem e funcionam.

O que é o ticker?

O ticker funciona como o DNA de uma empresa listada na bolsa, pois nele estão informações essenciais. E assim como o código genético, cada ticker é único e possui um padrão bem definido.

Funciona da seguinte maneira: quatro letras que remetem ao nome da empresa e um número que identifica o tipo de ação – 3 para ações ordinárias (ON) e 4 para ações preferenciais (PN).

Por exemplo, o ticker de ação classe PN da Petrobras é PETR4.

+ Como reinvestir dividendos – e quais são os ganhos ao fazer isso?

Arthur Vieira de Moraes, professor da B3 Educação, explica que “a escolha do ticker é uma iniciativa da empresa. É ela que escolhe as letras e a bolsa opina sobre a escolha, sempre no sentido de orientar para que o código torne fácil a identificação da empresa por parte do investidor.”

A orientação é válida, uma vez que o ticker escolhido, às vezes, pode não ser tão claro. “Já vi casos em que a empresa escolhe a sigla baseada em sua denominação social. Porém, é mais apropriado que a escolha seja feita com base no nome fantasia, que é conhecido pelo público”, afirma Arthur.

Já os números que compõem o ticker não são escolhidos pela empresa e seguem o padrão de tipo de ações, como explicado acima.

No caso do Brazilian Depositary Receipts (BDRs), recibos de ações de empresas estrangeiras negociados como ativos, a escolha das letras do ticker se dá pelo banco depositante dos BDRs e a B3. Os números dos tickers de BDRs também apontam a classe – 32 para BDRs patrocinado nível II, 33 para BDRs patrocinados nível III e 34 ou 35 no caso de BDRs não-patrocinados.

+ BDRs: mitos e verdades sobre esse tipo de investimento

Já o número 11 é o que tem maior abrangência no padrão de codifigação de tickers, podendo caracterizar fundos de investimento, ETFs e BDRs patrocinados nível I.

Por que o ticker muda?

O ticker escolhido por uma empresa pode mudar. Isso acontece quando o nome de uma empresa de capital aberto é alterado. As mudanças de nome e ticker acompanham reestruturações no modelo de negócios.

Um exemplo recente ilustra o caso: a antiga CSU Cardsystem, empresa de processamento e gestão de meios eletrônicos de pagamento, mudou seu nome para CSU Digital. A companhia nacional, de capital aberto desde 2006, alterou seu ticker de CARD3 para CSUD3. O novo código entrou em operação no dia 15 de setembro.

A reestruturação no modelo de negócios teve como base o lançamento de soluções digitais por parte da CSU Digital.

Quer começar a investir? Confira o HUb de Educação Financeira da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.