Objetivos financeiros

Gil do Vigor X Rachel Sheherazade: como comprar um imóvel de R$ 500 mil e de R$ 1 milhão

Sheherazade revelou não ter poupado para a compra de um imóvel mesmo com salário bruto de R$ 200 mil; veja quanto e por quanto tempo é necessário investir para a aquisição

A jornalista Raquel Sherazade Reprodução: @raquelsherazade/ Instagram
A jornalista Raquel Sherazade Reprodução: @raquelsherazade/ Instagram

Por Paula Pacheco, especial para o Bora Investir

Gil do Vigor, economista, doutorando e ex-BBB, usou uma de suas redes sociais para aconselhar outra ex-participante de reality show, Rachel Sheherazade, expulsa da atual edição de A Fazenda, a passar por um planejamento financeiro.

O comentário veio depois de a jornalista declarar em entrevista ao Link Podcast que, apesar de receber um salário bruto de R$ 200 mil por mês nos tempos de âncora do SBT, não sobrava dinheiro para poupar e realizar o sonho de comprar um imóvel para viver com os filhos.

A ex-fazendeira diz que procurou concentrar as despesas na educação dos filhos e que, na realidade, com os descontos – como os tributários -, o salário líquido seria bem menor. Calculadoras online chegam a um valor final aproximado de R$ 170 mil por mês para um salário PJ de R$ 200 mil.

“Parece que faltou à Rachel buscar um aconselhamento financeiro. E falo para todos, é importante cuidar do seu dinheiro, pois aquela música é real, dinheiro na mão é vendaval”, escreveu Gil do Vigor.

Mas o que diz quem trabalha com finanças pessoais sobre capacidade de poupar quando se tem um objetivo, como a compra de um imóvel?

O Bora Investir ouviu educadoras financeiras e pediu duas simulações: para uma renda líquida mensal de R$ 170 mil, como o que teria sido pago a Rachel, e outra para R$ 5 mil por mês.

O que as emoções têm a ver com o seu dinheiro? Tudo

Valor e tempo de investimento

Hellen Kato, especialista de Metas e Matemática Financeira e professora da Me Poupe!, fez as seguintes simulações, levando em consideração o mesmo valor de aporte ao longo do período.

Objetivo: R$ 1 milhão

Investimento mensal: 10% do seu salário por mês (R$ 17 mil). Para alcançar R$ 1 milhão, considerando um rendimento de poupança (cerca de 0,5% ao mês) e um de 10% ao ano (0,8% ao ano).

Ao aplicar na poupança, seriam necessários, aproximadamente, 52 meses, ou seja, 4 anos e 4 meses. Aqui não tem descontos, pois a poupança é isenta de Imposto de Renda (IR). Já com rendimento de 10% ao ano, seriam 49 meses, ou seja, 4 anos e 1 mês, se for considerado o valor de R$ 1 milhão bruto.

Para que restasse R$ 1 milhão líquido, após o IR (taxa de 15% sobre o rendimento), seriam 55 meses ou 4 anos e 7 meses.

Objetivo: R$ 500 mil

Investimento mensal: 20% do salário por mês (R$ 1.000). Para alcançar R$ 500 mil, considerando um rendimento de poupança (cerca de 0,5% ao mês) e um de 10% ao ano (0,8% ao ano) alocados em outros ativos.

Na poupança, seriam necessários 250 meses ou quase 21 anos para chegar aos R$ 500 mil. Já com rendimento de 10% ao ano seriam 202 meses (quase 17 anos).

Para que restassem R$ 500 mil líquidos após o IR (taxa de 15% sobre o rendimento), seriam necessários 18 anos.

De 20 a 153 meses

Wanessa Guimarães, sócia da HCI Invest e planejadora financeira CFP® pela Planejar, também fez as simulações para as duas possibilidades de renda.

Objetivo: R$ 1.000.000,00

Investimento mensal: 30% de R$ 170.000,00, o que equivale a R$ 51.000,00 por mês.

Com uma taxa de retorno mensal de 0,93% do CDI (setembro), levará 20 meses para atingir o capital para compra imóvel.

Objetivo: R$ 500.000,00

Investimento mensal: 30% de R$ 5.000,00, o que equivale a R$ 1.500,00 por mês.

Com uma taxa de retorno mensal de 0,93% do CDI (setembro), será preciso poupar ao longo de 153 meses para juntar o capital para a aquisição da casa ou apartamento.

“Se esse plano está no longo prazo, acima de 8 anos, é necessário montar uma carteira diversificada que traga segurança, mas também dê uma apimentada na rentabilidade que irá ajudar a alcançar esse sonho mais rápido”, detalha Hellen.

Onde investir seu dinheiro?

O primeiro passo, prossegue a professora da Me Poupe!, é garantir a formação da reserva de emergência e só então investir para a casa própria. A especialista sugere os seguintes ativos financeiros:

Tesouro Direto: Especificamente o Tesouro IPCA+, que protege o investidor da inflação;

– CDBs: No médio e longo prazo é possível achar taxas atrativas, acima de 10% ao ano aproveitando o cenário de taxa Selic ainda alta;

– Fundos de Investimento Imobiliário (FIIs): Permitem exposição ao mercado imobiliário e podem oferecer rendimentos mensais, que nesse caso, devem ser reinvestidos;

– Ações de empresas sólidas ou bons fundos de ações: Para quem tem um perfil mais arrojado, nesse horizonte de investimento mais longo, são as que trarão o maior potencial de crescimento.

– No curto e médio prazo (até 8 anos), a orientação é diversificar os investimentos em aplicações da renda fixa.

Conheça os FIIs com os maiores retornos e distribuição de dividendos em 2023

Alertas sobre escolhas de investimentos

A planejadora financeira da HCI Invest, no entanto, lembra que os ativos devem ter vencimento ou carência antes da necessidade da utilização do recurso. Se a pessoa for usar o recurso para a compra do imóvel daqui a dois anos, explica, o vencimento desses ativos precisa ser antes desse prazo.

Outra alerta de Wanessa é em relação ao tipo de investimento. “É importante também considerar a escolha de ativos de baixo a médio risco. Para esse objetivo não seriam recomendados ativos de alto risco, como ações, criptomoedas, operações de day trade e até mesmo fundos imobiliários pela possibilidade de alta variação no preço da cota do ativo”.

Hellen, por sua vez, inclui na sua lista de ativos não recomendados os seguintes produtos:

– Fundos com altas taxas de administração, que podem corroer o retorno ao longo do tempo, principalmente em fundos que não têm boa performance;

– Poupança, devido a sua baixa rentabilidade em comparação com outras opções disponíveis tão ou mais seguras que ela, como o Tesouro Direto.

– Fuja também de títulos muito especulativos e promessas de ganho fácil.

Estratégia: quanto do salário preciso investir

Para a especialista da Me Poupe!, investir um percentual fixo do salário é uma estratégia inteligente, pois à medida que o salário aumenta, o valor poupado também cresce. O percentual ideal varia de acordo com o orçamento e os objetivos de cada pessoa, mas uma recomendação é investir 30% do salário para todas as metas (de curtíssimo prazo até a aposentadoria de forma distribuída).

“Se a casa própria é uma meta relevante, deve-se estabelecer o máximo possível dentro do orçamento. No entanto, é crucial que esse investimento não comprometa o orçamento mensal e que seja feito após a constituição da reserva de emergência e com as dívidas fora do jogo”, pontua.

Também é importante lembrar, diz Hellen, que rendas extras podem acelerar os objetivos, pensados sempre com base na capacidade investimentos por mês. Esse dinheiro mensal é que faz a grande diferença no valor final.

Atitude disciplinada

Manter a disciplina em qualquer situação é algo desafiador. Na hora de investir não seria diferente. Por isso, Wanessa sugere que o ponto de partida seja a determinação quanto ao objetivo de aquisição definido – como a compra de uma casa – sem gastar com outras coisas.

“Se o objetivo é comprar a casa, o caminho é tomar a decisão de poupar todos os meses para fazer a aquisição”, diz Wanessa. Para quem tem dificuldade financeira, orienta a especialista, uma alternativa pode ser o consórcio, que vai levar a uma poupança forçada.

Quer aprender mais sobre FIIs e outros tipos de investimentos? Acesse o Hub de Educação da B3 e confira os conteúdos e cursos gratuitos.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias