Objetivos financeiros

Quando vale a pena reformar um imóvel alugado?

Saiba quais riscos e vantagens levar em conta antes de tomar a decisão

Homem reformando piso de uma casa. Foto: Adobe Stock
Motivo da reforma, custos e questões contratuais são pontos de avaliação. Foto: Adobe Stock

Por João Paulo dos Santos

Ter um cantinho com a sua cara e morar em uma casa com seu jeito, não é algo apenas para quem tem um imóvel próprio. Essa realidade também é possível para pessoas que moram de aluguel. Em um mundo pós-pandemia, onde se passou muito tempo dentro de casa e com aumento de trabalhos home office ou híbridos, estar bem dentro da própria residência se tornou uma necessidade.

Segundo o Censo QuintoAndar de Moradia, realizado em parceria com o Datafolha em 2022, 27% dos brasileiros moram de aluguel no Brasil, e muitas vezes para chegar ao bem estar dentro da própria casa desejam fazer algum tipo de reforma. Porém, vale a pena reformar um imóvel alugado?

A resposta para tal pergunta é: depende! Para o professor Rafael Sasso, CEO da RisKnow e especialista em Mercado Imobiliário, há parâmetros a serem considerados antes de tomar a decisão, como se é algo que a pessoa quer muito, se é algo que vai melhorar o bem estar dela ou se é algo essencial para a casa.

Outro ponto de destaque para o especialista é a relação com o proprietário, seja ele uma pessoa ou instituição. Conversar com o dono do imóvel pode fazer toda diferença, apesar que o objetivo da reforma também pode interferir nas partes legais, principalmente na hora de como e quem vai arcar com os custos da obra.

“Essa reforma é algo que está previsto, ou seja, ela é essencial e eu preciso fazê-la de qualquer forma para poder seguir aqui morando? Se sim, o proprietário vai ter que pagar. Se a reforma está em uma área cinza, ou seja, é essencial, mas não urgente, tenho que conversar com o dono antes de decidir”, diz Sasso.

“Agora, se você acredita que a reforma simplesmente vai melhorar sua qualidade de vida, ainda que não seja essencial, vale a tentativa de negociar desconto no aluguel, pensando que a melhoria virá tanto para quem aluga quanto para o proprietário do imóvel”.

+ House Flipping: investidores compram imóveis para reformar e lucrar na venda

Qual o retorno de reformar e como não ter prejuízo

Como dito anteriormente, a negociação com o proprietário sobre arcar com os custos é importante e deve ser levada em conta para a decisão da reforma. E é importante frisar que uma reforma de um imóvel alugado será descontado de ambas as partes na condição do lugar apresentar de fato uma melhoria habitacional para os moradores.  

Outro ponto a se pesar é que, além do custo em dinheiro, uma reforma traz gasto de tempo e de gerenciamento da obra para o morador. Também há de se avaliar o momento e urgência para a reforma, além de outros pontos de negociação, como se o locatário está em fim de contrato e qual o limite de orçamento que para a obra.

Combinar todas as regras desse acordo, evita que um prejuízo eventual cai nas mãos do locatário.

“Por exemplo, posso reformar a casa em que moro, crente que renovarei um contrato que está chegando ao fim, mas o dono do imóvel decide não renovar. Ou, depois de fazer a melhoria, receber a notícia de que o proprietário vai alugar a casa reformada por mim por um valor maior a um terceiro. Combinar as regras do jogo com o dono do imóvel evita tudo isso”, alerta o especialista.

Como avaliar a reforma do imóvel alugado em três passos:

  • Avaliar qual a grande motivação para a obra;
  • Se aproximar do proprietário e conversar sobre o assunto, custos e pagamentos;
  • Se atentar ao contrato, datas e obrigações entre as partes.

Como investir para reformar o imóvel

Para o professor Rafael Sasso, a questão do investimento na obra depende de como a pessoa vai pagá-la. A obra pode ser financiada, ou seja, fazendo uma dívida para isso, paga por meio de uma reserva financeira, o dinheiro guardado para essa finalidade, ou feita por meio de um investimento programado.

Se a decisão da pessoa for por fazer um investimento pensando no pagamento da obra, o especialista destaca os investimentos em renda fixa ou os que dão uma previsibilidade maior, como os atrelados à Selic, neste momento de alta da taxa. Ele destaca até mesmo fundos imobiliários (FIIs) que têm bons retornos e liquidez alta. 

“Você poderia eventualmente investir o dinheiro para usá-lo com o rendimento ou até, dependendo do montante que você tiver, usar o rendimento para tocar a obra, levando em conta o tempo e a quantidade de recursos necessários até a conclusão da obra”, ressalta.

Levar em conta a volatilidade nos preços dos insumos que serão usados na reforma também é essencial na hora de projetar corretamente o custo da obra e não sair no prejuízo — especialmente em tempos de inflação alta.

Para se ter ideia, o INCC (Índice Nacional da Construção Civil), indicador de custos para o segmento de obras e construções civis no país, está acumulado em 8,91% no ano e 10,89% em 12 meses, conforme dados divulgados em 27 de setembro.

Quer saber mais sobre finanças e investimentos? Acesse ao Hub de Educação Financeira da B3 e tenha conteúdos gratuitos para aprender e se aprofundar nos mais diversos assuntos.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.