CDB

Casal larga emprego e investe em CDBs com venda de brownies pelas ruas de SP

Victor Santos e Maria Eduarda se conheceram no ano passado e, juntos, investem 80% do que ganham para abrir a própria empresa

Casal larga emprego e investe em CDB com venda de brownies
Casal larga emprego e investe em CDB com venda de brownies

Com uma caixa de isopor com 100 unidades de brownie, o casal de jovens paulistas Victor Santos, de 25 anos, e Maria Eduarda, de 22, andam juntos por volta do meio-dia na Estação Palmeiras-Barra Funda em São Paulo, capital paulista, em um dos horários mais movimentados do terminal intermodal (metro e trem). Eles aguentam ouvir vários “nãos” ao longo do dia para conseguirem um “sim” e faturar com as vendas dos doces. Parte do dinheiro gerado – em torno de 80% — o casal investe em CDBs (certificados de depósito bancário) com o objetivo de ampliar a liberdade financeira e, daqui alguns anos, construir a própria empresa digital.

“A princípio, a gente investe em CDB por considerarmos esse um investimento de baixo risco”, explicou Victor, que ainda está construindo sua carteira de investimentos e montando, pouco a pouco, o próprio negócio. 

Mas uma paixão move o casal: a arte de vender. Eles levantam às 7h e para produzir os brownies, carro-chefe do negócio que começou com a venda de brigadeiros — até a fama dos brownies se espalhar e se tornar a principal fonte de renda do casal empreendedor há quatro meses.

+ MEI: como declarar o Imposto de Renda e não cair na malha-fina

“Temos uma meta diária de vender 100 brownies. Às vezes dobramos a meta. E claro que alguns imprevistos acontecem, como uma chuva que paralisa a cidade ou uma gripe inesperada. Então, se estamos bem e o clima está favorável, a gente sai para vender”, disse Victor.

O empreendimento deles vem dando tão certo que até a mãe de Victor, Sandra Santos, deixou o trabalho que tinha e foi se juntar ao filho e à nora. “Hoje minha mãe acaba de sair do emprego de linha de produção em uma fábrica e veio trabalhar comigo nas vendas. A vida pode ser mais do que só bater o ponto no trabalho”.

Venda de brownies para investir em CDBs/Arquivo pessoal
Venda de brownies para investir em CDBs/Arquivo pessoal

Amor nas vendas

Victor trabalhava há quatro anos como atendente em uma empresa de elevadores e se descobriu no universo das vendas quando começou a procurar uma forma de conseguir uma fonte de renda extra. Durante a pandemia, atuou na venda de relógios e outros produtos pela internet até que conheceu Maria Eduarda, no ano passado.

Ela estava infeliz com o emprego que tinha em um açougue na Zona Norte de São Paulo. Victor, então, pediu para que ela saísse daquele trabalho e entrasse no universo das vendas, algo que ela também desejava. “Eu falei: ‘você já gosta de gastronomia’, e então começamos com brigadeiros, mas os brownies deram mais certo. Hoje estamos juntos, empreendendo”, contou. 

Os dois andam da Barra Funda à Portuguesa Tietê nos horários mais movimentados das estações de metrô durante a semana. Já no sábado e domingo, o casal costuma levar os brownies até os parques, onde terão mais chances de potenciais clientes. 

A cada brownie vendido, Victor faz questão de conversar com os clientes e contar a sua história e da namorada. Além de gerar empatia durante a compra, a intenção do diálogo é um pouco mais profunda: ele tenta incentivar as pessoas sobre a importância de empreender.

“Tenho essa fome e essa ambição de incentivar outras pessoas a empreenderem, porque para mim foi um divisor de águas. Eu me encontrei em ter liberdade financeira, liberdade de tempo e geográfica, para eu trabalhar de onde eu quiser. Sou eu meu próprio chefe”, explicou.

“A vida pode ser mais do que só bater o ponto no trabalho”, afirmou Victor.

Investimento em CDBs

Com cada brownie custando R$ 12 a unidade, Victor e Maria investem 80% do que ganham em CDBs. A escolha se deu, explicam eles, por causa do baixo risco que acreditam encontrar nesses títulos, além de quererem evitar custos com taxas nesse início do negócio.

“A nossa ideia é diminuir os gastos e manter o mesmo padrão de vida, parar de gastar com besteiras e começar a juntar mais pensando na liberdade financeira futuramente”, afirmou Victor.

Nessa modalidade, as regras de remuneração e resgate são determinadas no começo da operação, o que traz mais segurança.

Esse título é emitido por um banco ou corretora para captar recursos. Quando se emite um CDB, o banco atua como se estivesse pedindo dinheiro emprestado dos investidores para conceder crédito a outros clientes. Assim, o lucro vem dos juros desse empréstimo e as taxas costumam mudar conforme cada título.

Apesar da segurança do CDB, o risco que existe pode ser a quebra do banco ou da corretora. Neste caso, o investidor fica amparado pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito).

+ Quais investimentos são protegidos pelo FGC?

Na hora de escolher o tipo de investimento, Victor contou que estuda a área financeira por meio da leitura de livros especializados, especialmente os que abordam temas de mindset e empreendedorismo. Ler um livro por semana já faz parte da rotina do vendedor.

Foi dessa forma que ele entendeu qual seria o caminho mais seguro para construir o próprio empreendimento. “No meu tempo livre eu não fico à toa, busco ler mais e frequentar à academia”, disse.

O que ele está lendo agora? “Estou lendo o ‘Seja Foda’, do Caio Carneiro”, conta. O livro sobre os desafios de empreender traz o nome sugestivo do que Victor e Maria Eduarda querem ser.

Quer saber como organizar suas finanças? Acesse o curso gratuito e online do Hub Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias