Commodities

Entenda o impacto mundial do corte na produção de petróleo pela Opep+

Organização dos Países Exportadores de Petróleo diminuiu a produção da commodity em 1 milhão de barris diários. Impacto passa pela inflação e pode chegar nos juros e na bomba

Petróleo, Opep. Foto: Pixabay
Os contratos futuro de petróleo para dezembro abriram a sessão de hoje em leve queda. O movimento é considerado uma correção técnica, após o barril ter subido mais de 4% ontem. Foto: Pixabay

Por Redação B3 Bora Investir

Os preços do barril de petróleo dispararam nesta segunda-feira, 03/04, após a decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) de cortar a produção em 1 milhão de barris diários a partir de maio. Em outubro do ano passado, a Opep+ já havia reduzido a produção em 2 milhões de barris por dia. Diante de mais essa iniciativa, o corte chega a 3% da produção mundial.

A redução da produção de petróleo bruto acontece em meio a queda nos preços que estavam, em média, a US$ 70 o barril. É o nível mais baixo em 15 meses, diante das preocupações com a menor demanda por conta da desaceleração da economia mundial.

Com a redução da oferta e a manutenção da demanda, os preços tendem a se apreciar. Diante do anúncio, os analistas do Goldman Sachs aumentaram a sua previsão de preços para o barril do tipo Brent – referência internacional – para US$ 95 até dezembro. O movimento foi considerado uma surpresa pelo mercado.

“O petróleo avança 5% após o corte. Esta decisão surpreendeu os investidores. Juros dos Treasury Bonds [investimentos em renda fixa nos Estados Unidos] se elevam, pois, este choque negativo de oferta pode exigir uma resposta mais dura dos bancos centrais para mitigar os efeitos secundários da elevação dos combustíveis”, explicam os analistas da LCA Consultores.

+ O que são commodities? Entenda o conceito

O especialista da Valor Investimentos, Paulo Luives, afirma que a decisão impacta a economia mundial através de uma inflação mais alta, que pode mexer nas decisões de juros. Importante lembrar que os países seguem no combate a alta dos preços com políticas monetárias cada vez mais apertadas.  

“Na economia mundial, o corte na produção representa mais inflação – dado que os preços vinham convergindo para baixo. Em especial na economia americana que começava um arrefecimento dos choques de oferta. Então essa decisão pode causar mais desequilíbrio e isso, obviamente, mexe bastante na inflação e, consequentemente, demanda uma postura de rigidez monetária das autoridades na figura dos bancos centrais”, explica.

Impactos no Brasil

No Brasil, a postura da Opep+ de cortar a produção de petróleo pode aumentar os preços dos combustíveis. Os analistas explicam que os efeitos podem ser ainda mais fortes, mesmo após a reoneração parcial dos impostos sobre a gasolina.

“No ano passado houve uma política para aliviar o preço dos combustíveis e isso ajudou a arrefecer a inflação. Hoje, essa diminuição de oferta, pode novamente causar um cenário de estresse nos preços”.

Para o especialista, mais do que olhar possíveis reajustes nos combustíveis, é preciso ficar atento a como a nova diretoria da Petrobras vai lidar com esse choque de oferta. Desde antes de assumir o comando da estatal, o presidente Jean Paul Prates fala de discutir mudança na política de preços da companhia.

“É o primeiro teste para entender se a política de preços vai ser mantida. A partir dessa decisão é que podemos olhar o impacto nos combustíveis – se haverá ou não repasse tarifário. Portanto é muito importante monitorar qual vai ser a decisão da Petrobras em termos de política de preços e como que o governo vai ter influência em relação a isso”.

Preços            

Em março deste ano, o governo retomou parcialmente a cobrança de impostos federais sobre a gasolina. A medida elevou os valores nos postos nas primeiras semanas, mas depois houve uma desaceleração.

Na semana passada, segundo dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), a gasolina era vendida nos postos, em média, por R$ 5,48 o litro. Já o diesel custava R$ 5,80.

O barril do tipo Brent fechou a sexta-feira, 31/03, custando US$ 79,77. No auge da crise de preços dos combustíveis em 2022, turbinada pela guerra na Ucrânia, chegou a US$ 140. Hoje, por volta das o 11h30, o Brent para junho subia 6,18%, a US$ 84,77. O WTI – referência americana – para maio subia 6,28%, saindo a US$ 80,43.

Impacto Estados Unidos

O presidente da regional do Federal Reserve (Fed) de St. Louis, James Bullard, disse, hoje, que a decisão inesperada da Opep+ criou um cenário de incerteza para o futuro da política monetária americana.

“Parte dessa alta pode fazer com que a inflação volte a subir e tornar o trabalho do Fed mais difícil”, disse. Ainda segundo o dirigente, os juros devem subir para um nível de 5% para que a inflação volte para a meta de 2%.

James Bullard afirmou ainda que o banco central americano já acreditava que os preços do petróleo iam subir com a volta da China ao mercado, após o fim da política restritiva da ‘Covid-Zero’.

A decisão da Opep+ abre mais uma ferida nas já tensas relações entre os Estados Unidos e a Arábia Saudita. No ano passado, diante da guerra na Ucrânia, os americanos tentaram convencer o reino a bombear mais petróleo – o que não aconteceu.

 O governo saudita disse no domingo que as reduções são uma “medida de precaução destinada a apoiar a estabilidade do mercado de petróleo”. Já a Casa Branca afirmou que a decisão não era aconselhável nas atuais condições do mercado.

Em relação a Rússia, terceiro maior produtor mundial, o país já havia anunciado a redução de 500 mil barris diários em retaliação as sanções ocidentais provocadas pela invasão da Ucrânia.

Quer saber mais sobre o mercado de commodities? Confira mais sobre investimentos no Hub de Educação da B3 e venha conferir conteúdos exclusivos!

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias