Criptoativos

Marco Legal dos Criptoativos: o que muda para quem investe?

Os focos da nova lei estão na regulação da atividade e nas responsabilidades dos prestadores de serviços que lidam com criptoativos

Mão de um homem branco segura tablet com hologramas das criptos mais conhecidas, como botcoin, ethereum, litcoin e etc. Foto: Adobe Stock
Bitcoin. Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

O Marco Regulatório dos Criptoativos foi aprovado pelo Congresso Nacional, após sete anos de tramitação. O projeto de lei 4.401/2021 formaliza na legislação brasileira o mercado de moedas digitais ao estabelecer algumas regras para o funcionamento da atividade.

A nova lei é vista pelos especialistas como a base para um avanço mais consistente do setor, já que ela não detalha como o prestador de serviços deve agir, mas coloca a indústria de criptoativos na legislação. Pelo lado das fraudes, o marco regulatório ajuda a coibir esquemas de pirâmides financeiras que marcaram os últimos dez anos.

A Associação Brasileira de Criptoeconomia – que engloba algumas das principais Exchanges de criptomoedas com atuação no Brasil – celebrou a aprovação do projeto.

Segundo a entidade, a lei garante mais um passo no caminho da segurança e desenvolvimento do setor. Para a ABCripto, o Marco Regulatório estabelece regras claras quanto as responsabilidades das empresas e do regulador.

“O marco regulatório da criptoeconomia no Brasil é tão importante para nós, pois formaliza a criptoeconomia no Brasil, traz regras, divisão de papéis de responsabilidades, bem como a indicação de um órgão regulador. Esse projeto de lei ele vai trazer o desenvolvimento e segurança jurídica necessário para o desenvolvimento da criptoeconomia no Brasil ainda mais forte”, explica Bernardo Srur, diretor da Abcripto.

Confira os principais pontos do projeto que entra em vigor dentro de seis meses:

Marco Legal dos Criptoativos: O que muda para as empresas?

O impacto da nova lei acontece principalmente nas empresas que atuam no setor de criptoativos – o que cria a figura de prestadoras de serviços de ativos virtuais e define as suas responsabilidades. A partir da entrada em vigor, as corretoras cripto precisam solicitar uma licença para operar no país, assim como os bancos e empresas de outros setores. Elas serão obrigadas a ter CNPJ e a se reportar a órgãos de controle como o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF).

A obtenção de licença para essas companhias deve ser definida em 2023. Até que as normas sejam divulgadas, as corretoras de criptomoedas sem presença no país continuam operando normalmente. É o caso da Binance, a companhia com maior volume diário de negociação de criptomoedas do planeta.

O que muda para o investidor?

Neste momento não há nenhum impacto para os investidores que compram e vendem criptomoedas – uma vez que o governo ainda precisa indicar o órgão que vai supervisionar o setor. A expectativa é que o Banco Central assuma – já que se manifestou favorável em assumir essa responsabilidade. Se confirmada essa escolha, o BC vai criar normas específicas para a obtenção de licenças de funcionamento das empresas. Após a sua publicação, a lei entra em vigor em 180 dias.

A obrigatoriedade de declarar ativos digitais como bens no Imposto de Renda permanece, assim como os ganhos de capital provenientes do trade de criptos, que devem ser enviados mensalmente à Receita Federal.

De benefícios, as mudanças trazem a possibilidade de os investidores cobrarem as autoridades em caso de problemas com prestadoras de serviços – uma vez elas serão obrigadas a operar com licença.

+ Como investir em cripto pela bolsa? Guia prático

Quais regras devem ser criadas com oMarco Legal dos Criptoativos?

A partir da entrada em vigor, o responsável pela regulação terá mais 6 meses para criar regras em relação aos seguintes pontos:

  • exigências de capital;
  • controles de risco;
  • segregação patrimonial;
  • procedimentos para assegurar boa formação de preços;
  • evitar manipulações e uso de informação privilegiada.

Todos esses trâmites devem fazer com que a primeira Exchange devidamente reguladada Brasil surja apenas em 2024.

O que ficou de fora do Marco Legal dos Criptoativos ?

A chamada segregação patrimonial – em que as corretoras podem usar os recursos dos clientes para aplicações próprias – ficou de fora da nova regulação. Ou seja, as empresas precisam seguir as regras e princípios de tratamento de recursos de terceiros em vigor no país, como já ocorre com corretoras de valores e instituições de pagamentos.

A solução, se regulada, ajudaria a criar barreiras para o possível uso indevido do dinheiro de investidores, caso da FTX, que faliu após usar criptos depositadas por usuários em operações alavancadas.

Penalidades

As empresas e pessoas que aplicarem golpes utilizando ativos virtuais – como esquemas de pirâmide com criptomoedas – passam a sofrer penalidades nas esferas cível, regulatória e criminal.

A pena majorada é de um a dois terços por crimes contra o sistema financeiro. A lei introduz ao Código Penal o crime de fraude na prestação de serviços de ativos virtuais, que começará a vigorar em meados de 2023, seis meses após a promulgação da lei.

Leia também: Criptomoedas: o difícil ano das moedas em 2022 e o que esperar para 2023

Para saber ainda mais sobre investimentos e educação financeira, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias