Entrevistas

“Possível vitória de Trump coloca Brasil em situação difícil”, diz professor da FGV

Para Sérgio Praça, um novo mandato do republicano Donald Trump traria incerteza à economia e geopolítica global

Republicano Donald Trump nas prévias das eleições presidenciais de 2024

2024 é um ano histórico para as eleições no mundo. Em todo o globo, mais de 2 bilhões de pessoas irão às urnas em 50 países, maior número já registrado, de acordo com o instituto norte-americano The Center for American Progress. Mas um país concentra grande parte das atenções, por sua importância econômica e geopolítica: os Estados Unidos. Em uma reedição da disputa eleitoral de 2020, o ex-presidente republicano Donald Trump deve enfrentar o atual presidente democrata, Joe Biden. Ainda que os candidatos não sejam novidade para ninguém, a campanha se passa em um ambiente doméstico e internacional distinto de quatro anos atrás.

“Com corte de juros e crescimento econômico, há espaço para a bolsa avançar”, diz André Perfeito

Para o professor Sérgio Praça, da FGV, esta eleição é decisiva. “Se Trump ganhar, é um resultado para 8 anos, provavelmente”, resume. “Quando ele foi eleito pela primeira vez, ele era mais imprevisível do que perigoso. Agora acho que é imprevisível e perigoso”.

O pleito só acontece em novembro, mas os discursos na pré-campanha de ambos os candidatos e seus conhecidos estilos de gestão podem apontar os possíveis impactos da vitória de Trump ou Biden sobre a economia global. Confira trechos da entrevista do Bora Investir com Sérgio Praça.

Bora Investir: A eleição será provavelmente disputada por dois candidatos que já ocuparam a presidência. Isso faz com que já saibamos o que esperar dos dois, ou há diferenças no cenário agora?

Sérgio Praça: É sempre difícil prever o resultado de uma eleição nos EUA, mas o que parece mais provável é uma eleição do Trump. Acho que seria desastroso do ponto de vista político, social e econômico. E colocaria o Brasil em uma situação difícil do ponto de vista internacional, porque obviamente o País não pode romper relações com os Estados Unidos, mas por outro lado também não poderia fingir que o Trump é um presidente qualquer.

Fato é que Trump, apesar de ter sido presidente já, faria um novo mandato não só mais caótico mas também com a perspectiva de se reeleger.

“O Brasil precisa fazer uma reforma radical na previdência social”, diz Hélio Zylberstajn

Bora: Em que sentido a eleição de Trump seria desastrosa?

Praça: O primeiro mandato presencial dele piorou as divisões sociais, sociais e políticas na sociedade americana, com um efeito muito semelhante ao que [Jair] Bolsonaro teve aqui. E tem um partido estruturado por trás dele. Se o Trump já tentou dar um golpe, poderia criar mais confusão na política.

Bora: Pensando na relação dos EUA com a China, Trump tem uma postura bastante dura na relação comercial com o país asiático. O que uma vitória do republicano poderia trazer de impacto para o Brasil, considerando que a China é nosso maior parceiro comercial?

Praça: Acho que o Brasil ficaria ainda mais perdido nessa questão do alinhamento econômico entre China e Estados Unidos. EUA deixaria de ser um superpoder econômico relativamente previsível. O que o Trump traz é imprevisibilidade, incerteza. Isso para a economia nunca é bom.

PIB dos Estados Unidos cresce no 4º trimestre, mas perde ritmo

Bora: E pensando também na posição dos Estados Unidos nos conflitos geopolíticos, temos um mundo hoje com tensões em várias regiões. Como uma possível vitória do Trump e uma mudança no posicionamento dos EUA poderiam afetar a economia global?

Praça: Acho que fortaleceria a Rússia e o Putin, vejo isso como um efeito imediato. De resto, o protecionismo dele, a relação com a China, tem muito disso que é só retórica. O Trump é um político muito difícil de interpretar. Ele exagera em discursos, ele anuncia medidas repentinas em discursos, depois deixa de fazer. Enfim, é um político imprevisível. Não dá pra dizer que se ele for eleito, certamente tomará medidas protecionistas radicais contra a China. Eu acho que a tendência é essa, mas pode ser só retórica de campanha. E um ponto importante é que as decisões políticas dependem de ter maioria na Câmara e no Senado.

Bora: Economicamente, os EUA estão em uma posição mais delicada também, certo? Apesar da queda da inflação, os juros elevados têm trazido dúvidas sobre quanto a atividade vai se manter resiliente. Como uma possível eleição de Trump poderia afetar a economia por lá?

Praça: Não sei exatamente se o Trump traz incerteza para a política econômica doméstica tão diretamente. Mas tem um impacto na economia mundial que é claro. E aí pode afetar os EUA, porque os países não são fechados. É tudo interligado. Então, eu acho que traz mais incerteza do ponto de vista geopolítico do que econômico interno.

Quer começar a investir e não sabe como? Confira esse curso gratuito do Hub de Educação da B3 e aprenda a investir do zero!

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias