Notícias

À espera do Copom, mercado reduz estimativas de inflação, aponta Focus

Projeção para o IPCA no fim de 2023 desacelerou para 4,84%, ainda acima do teto da meta. Para a Selic, estimativa caiu para 9,25% em 2024 e 8,75% em 2025

Selic, PIB. Moedas e calculadora no celular. Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
O relatório Focus é publicado todas as segundas-feiras com as projeções do mercado financeiro para a economia brasileira. Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

Na semana em que o Comitê de Política Monetária (Copom) deve começar o afrouxamento monetário – com o início de cortes na taxa básica de juros, a Selic – os economistas do mercado financeiro reduziram as estimativas de inflação para 2023 e 2024.

A projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) neste ano passou de 4,90% para 4,84%. O resultado consta no boletim Focus, divulgado nesta segunda-feira, 31/07, pelo Banco Central.

Apesar da desaceleração, a projeção de inflação segue acima do teto da meta definida pelo Conselho Monetário Nacional, que é de 4,75%. A meta é de 3,25% e pode oscilar até 1,5 ponto percentual para cima e para baixo.

Em junho, o IPCA registrou deflação de 0,08%, menor resultado desde 2017. A queda foi puxada pela redução dos preços de alimentos e bebidas e do grupo Transportes. Na semana passada, a prévia da inflação (IPCA-15) de julho também registrou deflação.

Para os analistas da Guide Investimentos, ainda há uma dúvida no mercado se o corte na Selic será de 0,25 ou 0,50 ponto percentual. “O mercado precifica maior probabilidade do corte maior (70%), mas nós estamos esperando a queda menor”.

Para 2024, a projeção do mercado financeiro para o IPCA caiu de 3,90% para 3,89% Para 2025, permaneceu em 3,50%.

Apesar das estimativas estarem abaixo de 4%, elas seguem superiores à meta perseguida pelo BC, que é de 3% para os dois anos. A meta será considerada cumprida se oscilar entre 1,5% e 4,5%.

Foram ouvidas pelo Banco Central mais de 100 instituições financeiras até o fim da semana passada. O relatório Focus é essencial para o investidor corrigir ou confirmar estratégias.

Projeções para a Selic em 2024 e 2025 caem

O mercado financeiro manteve a projeção para a taxa básica de juros no fim de 2023 em 12%. Atualmente, a Selic está em 13,75%, o maior patamar em seis anos e meio.

Para o fim de 2024, a estimativa para a Selic caiu de 9,5% para 9,25% ao ano e de 9% para 8,75% em 2025. Com isso, o mercado segue estimando queda do juro também nos próximos dois anos.

Economia deve crescer 2,24% em 2023

Os economistas mantiveram a projeção de crescimento para a economia brasileira neste ano. Segundo as estimativas, o Produto Interno Bruto (PIB) deve avançar para 2,24%. O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país num determinado período.

Esse resultado ainda acontece na esteira do forte avanço de 1,9% no PIB brasileiro no primeiro trimestre. No entanto, o Índice de Atividade Econômica (IBC-Br), considerada uma prévia do PIB, caiu 2% em maio na comparação com abril.

Para 2024, a previsão de crescimento do PIB se manteve em 1,30%. Para 2025, permaneceu em 1,90%.

Dólar deve fechar o ano abaixo dos R$ 5

A estimativa para a moeda americana no fim de 2023 voltou a cair, de R$ 4,97 para R$ 4,91.

Para o fim de 2024, recuou de R$ 5,05 para R$ 5, entre uma semana e outra. Para 2025, foi de R$ 5,12 para R$ 5,08.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.