Empresas

Petrobras perde R$ 41 bilhões em valor de mercado em uma semana; entenda

Petrobras anunciou proposta para rever sua política de indicações de executivos e conselho

Prédio sede da Petrobras, no Rio de Janeiro. Foto: Adobe Stock
Prédio sede da Petrobras, no Rio de Janeiro. Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

Em menos de uma semana, a Petrobras viu o seu valor de mercado derreter na Bolsa do Brasil (B3). Em apenas um pregão, o desta segunda-feira, 23/10, as suas ações despencaram mais de 6%.

O resultado desastroso veio após a companhia informar que aprovou a revisão de seu estatuto social. A medida visa alterar a política de indicação de cargos da alta administração e do conselho fiscal, além de criar uma reserva de remuneração de capital.

Petróleo mais caro por causa da guerra entre Israel e Hamas pode reduzir PIB mundial

Segundo analistas do mercado financeiro, a primeira medida pode abrir brechas para uma ingerência política na companhia. Já a segunda, pode levar a uma menor distribuição de dividendos nos próximos anos

A estatal, que atingiu o seu recorde histórico na última quarta-feira, 18/10, ao fechar em R$ 525,1 bilhões, viu seu valor de mercado cair para R$ 483,4 bilhões ontem. Os dados são consultor financeiro, Einar Rivero.

“Essa redução é equivalente ao valor de mercado de empresas, como Sabesp ou Prio. No pregão de 23 de outubro, a Petrobras teve uma queda adicional de R$ 32,3 bilhões, o que equivale ao valor de mercado da Engie Brasil”, explica.

Importante pontuar que as alterações ainda não começaram a valer, pois precisam ser aprovadas em assembleia geral extraordinária, a ser convocada.

Mudança pode driblar Lei das Estatais

O risco para a governança corporativa da Petrobras foi o principal entrave encontrado pelos analistas nessa proposta de alterações no estatuto social.

O receio é que o texto elimine restrições para a indicação de membros à alta cúpula da companhia, o que facilitaria indicações políticas e ingerência na empresa.

Atualmente a Petrobras segue a Lei das Estatais para a indicação dos seus executivos. Aprovada em 2016, a lei estabelece as seguintes exigências para o preenchimento dos cargos de diretoria:

  • Profissionais precisa ter experiência na área de atuação;
  • Formação acadêmica compatível com o cargo;
  • Indicado não pode ter atuado como Ministro, Secretário de Estado ou participado da estrutura decisória de partido político nos últimos 36 meses.

Em nota, a companhia informou que a proposta tem por objetivo alinhar o estatuto à Lei das Estatais. Disse ainda que seu estatuto faz referência (artigo 21), aos requisitos determinados pela lei.

“O objetivo é tão somente manter o estatuto social da Petrobras atualizado, quaisquer que venham a ser as decisões judiciais sobre o tema. (…) Não há qualquer redução nas exigências em relação à Lei das Estatais, pois o estatuto social continua a fixar o cumprimento total da Lei das Estatais nas indicações”, disse a companhia em nota.

Para o analista de equity da Guide Investimentos, Mateus Haag, a exclusão de vedações da Lei das estatais é preocupante, pois “indicações políticas não favorecem o quadro técnico dos executivos. O risco de ingerência aumenta”.

Os analistas do Goldman Sachs também veem possíveis ingerências na empresa. “A proposta deixa espaço para a indicação de indivíduos politicamente expostos para cargos de gestão”, disseram em nota.

Reserva de remuneração de capital da Petrobras

Em relação a criação da reserva de remuneração, investidores temem que a proposta possa reduzir o potencial para futuros pagamentos extraordinários de dividendos. O analista da Guide Investimentos discorda.

“A criação da reserva tem como objetivo garantir contabilmente que a Petrobras consiga pagar os dividendos estabelecidos em sua política de remuneração. Portanto, pouco preocupante”, conclui Mateus Haag.

Já os analistas do Goldman Sachs afirmaram que a proposta “aumenta as incertezas em nossa projeção para o pagamento de um potencial dividendo extraordinário”.

Segundo a agência Bloomberg, quatro dos 11 membros do Conselho de Administração, que representam os acionistas minoritários, votaram contra a proposta.

Mercado hoje

Na manhã desta terça-feira, 24/10, as ações da Petrobras operavam em alta. Os papéis preferenciais e ordinários subiam 1,07%.

Para saber mais sobre a história da Bolsa de Valores do Brasil e curiosidades do mercado, acesse o Hub de Educação Financeira da B3

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias