Notícias

Gustavo Cerbasi: educação financeira é força transformadora da sociedade

Em entrevista ao quadro B3 Convida, Gustavo Cerbasi falou sobre novos padrões de vida e investimento para iniciantes

Foto de Gustavo Cerbasi
Gustavo Cerbasi é hoje um das maiores referências em educação financeira do Brasil. Foto: Divulgação

Especialista em inteligência financeira e autor de dezesseis livros com mais de 3 milhões de exemplares vendidos, Gustavo Cerbasi é o entrevistado da vez do quadro B3 Convida.

Entre os assuntos discutidos, Cerbasi falou sobre sua trajetória profissional, abordou como a disseminação da educação financeira irá transformar a economia nos próximos anos e citou novos padrões de comportamento e consumo observados na sociedade.

Pílulas de finanças pessoais

Gustavo Cerbasi é hoje um das maiores referências em educação financeira do Brasil. Mas essa trajetória começou quase por acaso.

“Quando começei a dar aula de contabilidade básica num curso de graduação, percebia que os alunos não gostavam do assunto, pois achavam maçante. Então, a solução que encontrei foram pílulas de finanças pessoais, isso é, exemplificava alguns assuntos com coisas do nosso cotidiano financeiro. Logo os alunos começaram a me parar nos corredores para saber mais sobre o assunto e assim fui fazendo consultorias gratuitas”, conta Cerbasi.

Um desses alunos era dono de uma editora e por meio dele veio o convite para a publicação do primeiro livro, Casais Inteligentes Enriquecem Juntos. A obra segue como o mais bem sucedido livro de Gustavo Cerbasi e inspirou a franquia de filmes Até que a Sorte nos Separe.

Educação financeira é para todos

Com o sucesso de Casais Inteligentes Enriquecem juntos, Cerbasi entendeu que educação financeira é um assunto que desconhece restrições de público.

“Confesso que, no começo, fiquei constrangido com o lançamento desse livro, pois entendia que relacionamento era assunto de psicólogo. Mas o sucesso do livro provou o contrário”, observa Cerbasi.

+ 8 erros mais comuns dos casais quando o assunto é dinheiro

Além da restrições de público, a educação financeira vem superando barreiras etárias. Cerbasi ilustra com um exemplo pessoal:

“Tenho um filho de quinze anos que resolve exercícios de investimento na escola, problemas envolvendo a melhor maneira de montar uma carteira, por exemplo. E isso não só nas escolas particulares, na rede pública a educação financeira também já está presente. Com isso, eu espero uma grande transformação na economia e no mercado financeiro nos próximos anos. Podemos celebrar, porque encontramos um rumo.”

+ Educação financeira infantil: saiba falar de finanças com os pequenos

Novos padrões de vida e de investimentos

Parte da transformação citada por Cerbasi já está acontecendo hoje. Ela pode ser observada na economia e também nos modos de vida.

“Hoje o mercado está muito segmentado, temos uma pluralidade de padrões de consumo. As referências de sucesso também mudaram. Um empregado que sai às 17h e vai para casa ver um filme pode ser visto como mais bem sucedido que o dono da empresa que fica até tarde no escritório,” opina Cerbasi.

As mudanças de comportamento estão ligadas a um estilo de vida que ganhou espaço nos últimos tempos, o minimalismo, ou seja, ter somente o indispensável para viver.

“Eu gosto de chamar o minimalismo de essencialismo. Pessoas essencialistas são aquelas que optam por ter poucos bens materiais, mas se concentram em conquistas não materiais, como viagens e cursos. E quando o consumo é reduzido, sobra mais dinheiro para investir e se educar”, observa Cerbasi.

“Outro ponto é que os essencialistas são pessoas blindadas contra crises. Tinha alunos de perfis arrojados, com carteiras compostas por até 40% de renda variável direcionada a objetivos de médio prazo, como viagens. Já a renda fixa era a reserva de emergência. Com a pandemia, esse objetivos tiveram que ser adiados e houve uma sobra de recursos, diferente de pessoas que tinham objetivos mais imediatistas de consumo,” conclui.

Como começar a investir?

Seja essencialista ou não, a dica de Cerbasi para quem ainda não começou a investir é a seguinte:

“É preciso inverter a ordem das escolhas. Tradicionalmente, monta-se um estilo de vida com base no que se ganha. Na verdade, é precido listar sonhos, como boa escola para filhos ou conquistar a independência financeira, e então montar um estilo de vida que permita a realização dos objetivos. Também é preciso estabelecer metas de curto, médio e longo prazo. A pessoa que faz isso, tem mais facilidade para investir e também mais motivação para trabalhar e viver”, afirma Cerbasi.

Quer começar a investir? Confira os conteúdos gratuitos do Hub de Educação Financeira da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias