Mercado

Mercado financeiro e Morning Call Safra: salário mínimo no Brasil e Livro Bege nos EUA

No Fórum Econômico Mundial, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, tem agenda com o secretário-geral da OCDE

Brasil abre 159 mil empregos formais em outubro, abaixo do esperado
A economia brasileira gerou 159.454 vagas formais – uma piora em relação ao mês anterior. Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

Esta quarta-feira, 18/01, é dia de agenda cheia nos Estados Unidos, com o índice de preços ao produtor (PPI), divulgação das vendas no varejo, indicador de produção industrial e o Livro Bege do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), relatório sobre as atuais condições econômicas em cada um dos 12 distritos do Reserva Federal, cobrindo todo o território dos EUA — um norte sobre o que esperar do desempenho econômico do país e, por consequência, do mercado.

No Fórum Econômico Mundial, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, tem agenda com o secretário-geral da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), Mathias Cormann.

No Brasil, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva participa da instalação de mesa de negociação do salário mínimo com centrais sindicais. Pelos cálculos dos sindicalistas, o piso deveria ser de R$ 1.342 em 2023 – o valor atual está em R$ 1.302. As centrais pressionam para que, pelo menos, prevaleça R$ 1.320 neste ano.

+ Como o salário mínimo impacta a economia ( e o seu bolso)?

Petróleo e Commodities

As bolsas internacionais mostram fôlego limitado nesta manhã, com investidores à espera dos indicadores americanos e discursos de membros do Fed, enquanto o petróleo ampliou ganhos e estava há pouco em alta de mais de 1% após a Agência Internacional de Energia (AIE) prever uma demanda recorde por petróleo este ano diante da abrupta reversão da política de covid zero na China, que deverá impulsionar a demanda global pela commodities.

Na Europa, as bolsas seguiram mistas após a taxa anual de inflação ao consumidor (CPI, pela sigla em inglês) da zona do euro ter desacelerado pelo segundo mês consecutivo em dezembro, a 9,2%, ante 10,1% em novembro e depois de atingir a máxima histórica de 10,6% em outubro. O iene perdeu bastante força ante o dólar após o Banco do Japão (BoJ) deixar sua política monetária inalterada, dissipando especulação de que apertaria as condições de crédito, alargando mais a faixa de variação do juro do bônus do governo japonês (JGB), em meio a pressões inflacionárias.

Ibovespa e Americanas

A fraqueza dos futuros de NY pode limitar ganhos do Ibovespa, embora o EWZ, principal fundo de índice (ETF, na sigla em inglês) brasileiro negociado em NY, estivesse em alta de 1,79% no pré-mercado perto das 7 horas. O recuo do dólar ante maioria das moedas emergentes e das ações das companhias ligadas a commodities pode ajudar na valorização do real.

Ontem Ibovespa fechou em alta de 2,04%, aos 111.439,12 mil pontos, e com volume negociado de R$ 24,9 bilhões, graças às empresas de commodities, que avançam impulsionadas pelo crescimento chinês e ao movimento de alta no petróleo. A alta interrompe três dias de pregões em queda, em decorrência do caso Americanas.

As perspectivas macroeconômicas também pesaram no índice. Durante Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), afirmou que os detalhes do novo arcabouço fiscal que vai substituir o teto de gastos deverão ser definidos até abril. Ele também voltou a reforçar que seu plano é zerar o déficit do governo em dois anos e que a reforma tributária é importante, como traz o Morning Call Safra de hoje:

*

Na Americanas, o conselho da companhia elegeu Camille Loyo Faria como a nova diretora financeira, no lugar de André Covre, que também renunciou ao cargo junto de Sérgio Rial, na última quarta.

Também hoje a agência de riscos Fitch cortou mais uma vez a nota de crédito da empresa, de CC para C, a nota mais baixa da agência, que significa um risco “excepcionalmente alto” da empresa de não cumprir com pagamentos.

Com informações da Agência Estado

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias