Mercado

PIB do Brasil cresce 2,9% em 2022, apesar da queda no 4º trimestre

O setor de serviços impulsionou o resultado diante da reabertura da economia no pós-pandemia. Segundo o IBGE, no último trimestre o PIB caiu 0,2%

Os serviços tiveram um papel fundamental no resultado positivo da economia em 2022.

Por Redação B3 Bora Investir

O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil avançou 2,9% no ano passado, segundo divulgou nesta quinta-feira, 02/03 o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com o resultado, a economia brasileira cresce pelo segundo ano consecutivo – em 2021 o PIB teve alta de 5% – após uma forte retração de 3,3% em 2020 por conta da pandemia.

A atividade foi impulsionada pelos serviços – que tem o maior peso na economia brasileira – e aceleraram forte principalmente no 1º trimestre. Além dos estímulos fiscais dados pelo governo – como a liberação antecipada do FGTS e aumento do Auxílio Brasil – a reabertura de bares, cabeleireiros e principalmente a volta do turismo no pós-pandemia ajudaram o setor.

3 maneiras de reinvestir o lucro das suas aplicações

“Os serviços foram destaques de 2022 no mundo. A gente olha o PIB dos Estados Unidos e ele é bem semelhante. Essa foi a dinâmica das pessoas que puderam sair de casa em 2022. Deixaram de gastar com varejo para gastar com os serviços – como shows e eventos, por exemplo”, explica o estrategista da RB investimento, Gustavo Cruz.

Com o fim do efeito da reabertura econômica, a desaceleração dos estímulos fiscais e principalmente com o avanço dos juros – que atingiram 13,75% ao ano em agosto – houve uma perda de ritmo da atividade brasileira. O resultado é a queda de 0,2% no PIB do 4º trimestre de 2022 – interrompendo uma sequência de cinco trimestres positivos.

Em valores correntes, o PIB brasileiro totalizou R$ 9,9 trilhões no ano passado – com taxa de investimento de 18,8%. O PIB per capita em 2022 teve um avanço real (descontada a inflação) de 2,2% em relação ao ano anterior e alcançou R$ 46.154,60. O PIB per capita é calculado pela divisão de uma economia pelo tamanho da sua população. Ele relaciona o crescimento do país com a riqueza de seus habitantes.

Para o economista da WHG, Danilo Passos, os dados de 2022 vieram um pouco mais fracos que o esperado pelo mercado e isso traz um viés de baixa importante para a atividade econômica brasileira em 2023. Segundo ele, os aumentos da taxa básica de juros, a Selic, desde 2021 começam, enfim, a trazer consequências mais fortes para a economia.

O aperto monetário [alta dos juros] vai pegar a economia com força e o crescimento global que era favorável em 2021 e 2022 não vai ajudar em 2023. Os preços das commodities – que ajudaram tanto no ano passado – também não vão salvar. Portanto tudo aponta para um crescimento mais fraco em 2023”

Gráfico de curvas mostrando a trajetória do PIB nos anos recentes
O PIB representa a soma de todos os bens e serviços finais produzidos numa determinada região, durante um período determinado.
Fonte: IBGE

Setores que avançaram em 2022

Os serviços prestados no país tiveram alta de 4,2% – em valores correntes, foram R$ 5,8 trilhões no ano. O setor foi o que mais cresceu em 2022 e deu tração para a economia. No 4º trimestre, o setor avançou 0,2% – uma perda de ritmo na comparação com os trimestres anteriores.

A coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis, afirma que as duas atividades que mais se destacaram no setor foram Transportes (8,4%) e Outros Serviços (11,1%), que inclui categorias de serviços pessoais e profissionais.

“Foi uma continuação da retomada da demanda pelos serviços após a pandemia de COVID-19. Em outros serviços, podemos destacar setores ligados ao turismo, como serviços de alimentação, serviços de alojamento e aluguel de carros”, explica.

A indústria fechou 2022 em alta de 1,6%, no entanto nos últimos três meses do ano, o setor teve queda de 0,3% – após três trimestres seguidos de alta.

O maior destaque foi a atividade Eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos (10,1%), que possibilitou bandeiras tarifárias mais favoráveis no ano. Em seguida veio o bom resultado da Construção – com alta de 6,9% – puxado pelo aumento das obras públicas em ano eleitoral

“O crescimento dessa atividade está muito relacionado à recuperação em relação à crise hídrica de 2021. Além do crescimento da economia, houve o desligamento das térmicas, diminuindo os custos de produção, o que contribui para o aumento do valor adicionado da atividade”, explica Rebeca Palis, do IBGE.

Setores que caíram em 2022

Na ponta negativa, o destaque fica com as Indústrias de Transformação que caiu 0,3%, diante da escalada dos juros e dos preços das matérias-primas. Resultado ruim também da indústria extrativa -1,7%, diante da queda na extração de minério de ferro – relacionada ao lockdown na China, nosso maior comprador.

Como a flexibilização da política de Covid-Zero na China ajuda o Brasil

Juntos, os serviços e a indústria representam cerca de 90% do PIB brasileiro.

A agropecuária fechou 2022 com queda de 1,7%. No 4º trimestre, na comparação aos três meses anteriores, houve alta de 0,3%. O resultado negativo é explicado pela perda de produtividade da Agricultura, que impactou o resultado positivo da pecuária e da pesca.

A coordenadora do IBGE explica que a produção de soja registrou a primeira queda anual do setor desde 2016 – o que pesou no resultado.

“A soja, principal produto da lavoura brasileira, com estimativa de queda de produção de 11,4%, foi o que mais puxou o resultado da Agropecuária para baixo no ano, sendo impactada por efeitos climáticos adversos”.

Gráfico de setores demonstrando a importância dos setores da economia no PIB através do tempo
A indústria e os setores representam, juntos, cerca de 90% do PIB do Brasil

Consumo interno, externo e investimentos

O consumo das famílias – que avançou 4,3% em 2022 – foi o principal motor da economia brasileira pela ótica da demanda. É mais um efeito da reabertura das atividades após a pandemia de Covid-19. Entre outubro e dezembro, a alta foi de 0,3% – uma desaceleração em relação aos trimestres anteriores.

Já o consumo do governo cresceu 1,5% em 2022 e 0,3% no 4º trimestre – uma perda de ritmo na comparação com os três meses anteriores.

No setor externo, em 2022, as exportações de bens e serviços cresceram 5,5%, enquanto as importações subiram 0,8%. No quarto trimestre ante o anterior, os embarques cresceram 3,5%, enquanto a vinda de produtos para o país caiu 1,9% em relação ao terceiro.

O bom resultado das exportações é reflexo da indústria de transformação e das commodities – apesar da performance ruim da soja que teve baixa produção no ano passado, devido a problemas climáticos.

“Se pela ótica da oferta quem puxou foi o setor de Serviços, na ótica da demanda foi o Consumo das Famílias. É importante dividir a demanda interna do setor externo, pois dos 2,9% do crescimento, 2 p.p. foram da demanda interna principalmente do consumo das famílias, e 0,9 p.p. da demanda externa, que também subiu, já que as nossas exportações cresceram mais do que as importações”, conclui Rebeca Palis.

O estrategista da RB investimentos explica que havia um receio de que a exportação tivesse uma queda por conta da política de ‘covid-zero’ na China – altamente aplicada no 4º trimestre do ano passado. A China é o nosso principal parceiro comercial.

“É sempre importante olhar tendências. Hoje temos a notícia de que a China está com uma previsão de meta de crescimento de 6% – o dobro do que cresceu no ano passado. Portanto, provavelmente vão demandar muitos itens do Brasil, o que pode ser uma dinâmica bem favorável para a gente”, conclui Gustavo Cruz.

Pelo lado dos investimentos, a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) recuou 1,1% no quarto trimestre de 2022, em relação ao terceiro trimestre. No entanto, os investimentos tiveram alta de 0,9% no ano de 2022.

Se você deseja se aprofundar nos variados tipos de investimento, acesse o Hub de Educação da B3 para conferir conteúdos exclusivos e gratuitos!

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias