Mercado

Presidente do BC avalia arcabouço fiscal como ‘superpositivo’

Roberto Campos Neto disse, no entanto, que ainda é preciso aguardar aprovação no Congresso e que não há relação 'mecânica' entre a política fiscal e os juros

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, um homem branco, de terno e óculos, segura um microfone
O presidente do BC, Roberto Campos Neto. Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou nesta quarta-feira, 05/04, que é importante reconhecer o esforço do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e do governo em relação à proposta de arcabouço fiscal. Ele classificou o projeto como “superpositivo” e que evita uma trajetória “explosiva” para a dívida pública. As declarações aconteceram durante um evento do Bradesco BBI.

“Eu acho que o que foi anunciado até agora elimina um risco de cauda, para aqueles que achavam que a dívida poderia ter uma trajetória mais explosiva. (…) Nossa avaliação é superpositiva, reconhecemos o esforço. Vamos ver aí com vai se passar o processo de aprovação no Congresso, se vai ter alguma modificação”.

Arcabouço fiscal: as propostas do governo para elevar a arrecadação e viabilizar a nova regra

Campos Neto voltou a afirmar que não existe uma relação mecânica entre a política fiscal e a taxa de juros. Disse, ainda, que é preciso atuar dentro do sistema de metas e que medidas relativas às contas públicas são cruciais para melhorar o canal de expectativas de inflação e do mercado financeiro.

“É importante delinear alguns limites. O primeiro é que não existe relação mecânica entre o fiscal e taxa de juros, as vezes na forma como é colocada. O importante para a gente é atuar dentro do sistema de metas, nós temos uma meta de inflação, olhamos as expectativas”.

Agenda de dividendos: saiba quais empresas vão distribuir lucro em abril

O presidente do BC alertou que achar um equilíbrio fiscal via receitas “tem maior possibilidade de gerar impacto inflacionário”, que por despesas. Ele também lembrou que o país não conseguiu fazer grandes ajustes de despesas na história recente, mas que é preciso dar credibilidade para o que o governo tem feito nesse sentido.

Metas de inflação

O dirigente do Banco Central afirmou que mudanças no nível das metas de inflação, não trariam ganhos de graus de liberdade. “Se você convencer que vai mudar a meta e ela nunca mais vai ser alterada, você consegue mudar a meta e não aumentar o prêmio de risco. Isso não garante que não vão existir custos de reputação sentidos a longo prazo”.

Segundo Campos Neto, há uma divisão entre os economistas em relação a alterações na meta de inflação. Por um lado, analistas acreditam que a meta de 3% foi estabelecida em um momento deflacionário na economia e que agora temos uma nova realidade. Já outra corrente, acha que mudar a meta pode dar um prêmio adicional nas expectativas de inflação.

Primeira prévia da carteira do Ibovespa B3 que entra em vigor em maio conta com 3 alterações

“O canal das expectativas é superimportante. Qualquer ruído afeta. É uma forma de trazer promessas que você faz a médio e longo prazo para ter ganho a valor presente. Qualquer ruído sobre a possibilidade de execução do que foi anunciado deixa o canal mais entupido. Temos tido um pouco disso na política monetária e na política fiscal. Diminuir o ruído é importante e harmonia faz parte do arcabouço”, afirmou.

Na segunda-feira, o ministro da Fazenda disse ter debatido com o presidente do BC uma possível mudança no calendário de metas de inflação para os próximos anos. Fernando Haddad, no entanto, negou qualquer intenção de alterar a meta de inflação deste ano, definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

Páscoa mais cara: principais produtos sobem 12%, o dobro da inflação

Crédito

Em relação a desaceleração da concessão de crédito, Roberto Campos Neto disse não acreditar que há uma crise no momento “ou um problema mais estrutural no sistema”. Para o presidente do BC, há uma migração de pessoa física para produtos emergenciais – um movimento que preocupa por conta dos juros mais altos cobrados nessas linhas de crédito. “O endividamento está bastante alto”, concluiu.

Arcabouço fiscal

O governo anunciou na semana passada a proposta de novas regras para as contas públicas, que vai substituir o teto de gastos. O novo arcabouço fiscal tem na arrecadação e nos gastos o seu principal foco. O texto será enviado até 15 de abril ao Congresso Nacional como projeto de lei complementar. Só depois de aprovado pelos parlamentares, ele passa a ter validade.

O governo ainda deve anunciar medidas para impulsionar a arrecadação e viabilizar as metas contidas na nova regra fiscal. O objetivo é ampliar a receita do governo em um montante entre R$ 110 bilhões e R$ 150 bilhões.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias