Investir melhor

Bolsa brasileira vai muito bem e momento deve continuar, diz Étore Sanchez, da Ativa

Em entrevista ao Bora Investir, economista-chefe da corretora Ativa fala do otimismo com os ativos brasileiros diante da expectativa de queda dos juros

Étore Sanchez. Foto: Divulgação
Economista-chefe da Ativa: Sanchez aponta que, apesar de cenário mais otimista, inflação ainda preocupa. Foto: Divulgação

Por Redação B3 Bora Investir

O otimismo tomou conta dos ativos brasileiros e do câmbio nas últimas semanas. O bom humor veio em meio a uma sensação de melhora da economia, com um PIB acima do esperado no 1º trimestre.

Também colaborou para o desempenho a desaceleração da inflação, que em 12 meses conseguiu se sustentar abaixo do teto da meta perseguida pelo Banco Central. Por fim, houve a contribuição da aprovação do texto-base do arcabouço fiscal.

Como resultado desse cenário, o mercado tem precificado um início de queda da Selic, que pode acontecer a partir de agosto.

+ O que significa a elevação da perspectiva da nota de crédito do Brasil pela S&P?

Contudo, em entrevista ao B3 Bora Investir, o economista-chefe da Ativa Investimentos, Étore Sanchez, explicou que a dinâmica dos preços “não é tão benigna”. Para o analista, nos últimos ciclos de queda dos juros as expectativas de inflação de longo prazo já estavam próximas da meta.

Se mesmo com essas perspectivas o BC optar por baixar a Selic, o especialista aposta em investidores ainda mais confiantes, uma bolsa no azul e o real valorizado. Para pavimentar esse caminho, a Reforma Tributária será um bom asfalto para evitar buracos na confiança do país.

Diante de um cenário econômico com tantas variáveis, a dica do especialista é definir objetivos e acompanhar a conjuntura para fazer as melhores escolhas. Acompanhe os principais trechos da entrevista.

Bora Investir – O cenário inflacionário tem apontado para uma desaceleração. No mês passado já tivemos um IPCA com núcleos menos pressionados. O que está levando a essa perda de ritmo?

Étore Sanchez: Essa desaceleração já era prevista pelo Banco Central e por analistas. Ela foi comunicada desde o início do ano, quando a gente falava a respeito de deflação que se observou no terceiro trimestre de 2022, quando o governo Bolsonaro tirou alguns impostos. No acumulado de 12 meses essa medida acabou gerando desaceleração da inflação no segundo trimestre de 2023.

Temos também de incluir a contribuição do grupo de alimentação. Houve um processo gigantesco de desinflação de commodities alimentares, o que contribuiu para esse alívio inflacionário. Teve ainda o preço do petróleo, que acabou corroborando para uma política de reajustes dos preços de gasolina.

Evidente que eu poderia destacar a restrição monetária [aumento dos juros], mas estaria adicionando um fator que não prepondera frente a esses outros que eu citei.

Bora Investir – Como deve se comportar a inflação a partir de agora?

Étore Sanchez: Nos próximos meses devemos assistir a uma retomada da alta da inflação, visto que as variações de preços observadas em junho, julho, agosto e setembro de 2022 vão sair da base móvel.

Ou seja, por menor que sejam essas taxas nós teremos uma alta do acumulado em 12 meses. A gente espera que o IPCA finalize 2023 em 5,2%, muito distante da meta de 3,25%. Para o ano que vem, não esperamos um alívio. Nós temos 3,7% de alta para o IPCA em 2024, 0,70 ponto percentual acima da meta.

Esse comportamento estruturalmente mais elevado denota que a dinâmica dos preços não é tão benigna quanto se pode imaginar.

Uma parte relevante disso se dá em função das expectativas, seja por conta do regime de metas, do fiscal e da indicação de novos diretores do Banco Central. Esses fatores acabam não gerando a convergência necessária para as metas estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional.

Bora Investir – Apesar dessa expectativa de retomada da inflação, o mercado tem precificado uma queda nos juros a partir de agosto ou setembro. Qual é a sua estimativa?

Étore Sanchez: Todos os últimos ciclos baixistas de juros tinham as expectativas de inflação ancoradas para além do horizonte relevante. Ou seja, a inflação estava próxima da meta. Por isso eu divirjo um pouco sobre essa necessidade de afrouxamento monetário em agosto.

Acho que a gente precisa avaliar muito bem as condições que estão postas na mesa. Isso exige uma observação do comportamento da economia.

Hoje nós estamos vivendo um processo de expansão fiscal. O Aloizio Mercadante [presidente do BNDES] disse que o banco pretende dobrar a sua participação na economia nos próximos quatro anos. Então há uma elevação do juro neutro [que não gera inflação e nem desinflação] e isso acaba reduzindo a potência da política monetária, principalmente se essa inserção do parafiscal [medidas para fomentar o crédito] vier mediante taxas subsidiadas.

Bora Investir – Em relação ao fiscal, o arcabouço passou pela Câmara e agora está no Senado. Diante da iminência de aprovação, podemos falar numa dissipação do tão falado risco fiscal?

Étore Sanchez: Há uma grande dificuldade de que se cumpram os objetivos do arcabouço fiscal já em 2024. Então, mesmo sendo aprovado, seria necessária uma fonte de arrecadação extraordinária para que sejam cumpridas algumas atribuições definidas.

Os gastos vão ocorrer independentemente do avanço da receita. Portanto, será necessária mais receita para a conta fechar. Há uma extrema dificuldade de se enxergar isso. Essa visão acaba não reduzindo o endividamento da nação a ponto de influenciar a avaliação sobre a capacidade de solvência do país como um todo.

Bora Investir – A economia brasileira surpreendeu positivamente no primeiro trimestre. Soma-se a isso inflação mais baixa e o desemprego alto, mas estagnado em 8,8%. Essa conjuntura animou os investidores e a bolsa tem tido ótimos desempenhos. Esse bom momento veio para ficar?

Étore Sanchez: A bolsa brasileira vai muito bem e temos avaliado que esse momento deve continuar, principalmente se o Banco Central acabar por afrouxar a restrição de política monetária. Existe lá no futuro, em função da questão fiscal, alguns receios, mas que não deixam de apontar para apostas positivas com relação ao Ibovespa.

É claro que quanto mais desafiador for o ambiente, mais cautelosa tem de ser a escolha dos investimentos em ações. Mas boas oportunidades não faltarão. Portanto, temos um cenário bem construtivo para a bolsa.

Bora Investir – Diante da queda dos juros, esse bom momento seria puxado mais por ações ligadas à economia local, como varejo, por exemplo?

Étore: Exato. Empresas mais ligadas ao crédito, cuja receita tem uma associação aos compradores utilizando crédito. A queda dos juros aliviaria bastante a situação das varejistas, como você pontuou.

Outro exemplo é o setor imobiliário, que segue pressionado. A baixa da Selic acabaria gerando um impulso aos financiamentos, que aliviaria o setor.

Bora Investir – Diante desse quadro econômico complexo, o que os investidores precisam levar em conta na hora de escolher os seus investimentos?

Étore Sanchez: É importante sempre definir os seus objetivos, aonde se quer chegar. A gente brinca que para quem não sabe para onde está indo, qualquer ônibus serve, inclusive nenhum.

Para isso é preciso conhecer o seu perfil de investidor e o quão avesso você é ao risco. A leitura sobre a conjuntura macroeconômica e o acompanhamento corriqueiro do cenário também é fundamental para fazer as melhores escolhas.

Às vezes, um investimento que para mim é muito evidente para você não é. Portanto, é preciso diferenciar o momento de cada pessoa. É fundamental se conhecer, traçar objetivos para definir a melhor alocação possível e, evidentemente, sempre mensurar o risco que está se tomando: não subestimá-lo.

Bora Investir – Dentro desse quadro temos o real se valorizando perante o dólar. Qual é a sua expectativa para o câmbio?

Étore Sanchez: Para a moeda temos uma perspectiva muito similar à bolsa. O momento é bom para o Brasil. Existe uma visão construtiva de curto prazo, no qual o fiscal ainda não cobra sua conta, não temos restrições e a inflação está em processo de alívio.

No longo prazo, no entanto, essa avaliação não é tão construtiva assim. Existem desafios que a gente já pontuou a respeito do fiscal, do juro neutro, do parafiscal. Tudo isso deve cobrar a conta em algum momento. Na hora que ele chegar podemos ter um revés nos preços dos ativos.

Bora Investir – Você falou de visão mais construtiva para o Brasil. A Reforma Tributária entra nessa perspectiva?

Étore Sanchez: Sim. Entretanto há uma dificuldade de enxergar se a reforma tributária como está terá facilidade de ser aprovada. Principalmente quando forem definidas as alíquotas, ou seja, quanto cada setor será impactado.

Além disso, novas questões podem ser colocadas e novos arranjos tributários podem ser adicionados a uma reforma que simplifica e melhora, mas que está distante daquele IVA único [imposto sobre Valor Agregado que reúne cinco tributos]. Já temos diversas exceções de setores no texto. Claro que é melhor do que o sistema atual, que é uma colcha de retalhos.

A reforma, portanto, vai melhorar a produtividade do país, mas precisamos aguardar para ver como ela vai sair do Congresso.

Bora Investir – No cenário internacional, seguimos com inflação elevada, mesmo que desacelerando nos Estados Unidos e na Europa, e juros em patamares altos. Como esse cenário impacta o Brasil?

Étore Sanchez: O Brasil, a princípio, vai se beneficiar, junto com outros emergentes, do enfraquecimento da moeda americana. Uma perspectiva de recessão nos Estados Unidos torna o dólar menos atraente.

Em relação aos juros, eles devem permanecer altos por um tempo suficientemente prolongado até que haja a plena convergência da inflação para a meta. Apesar da interrupção temporária nos Estados Unidos, o aperto monetário é algo que será retomado já na reunião de julho.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias