Tesouro direto

Quanto investir no Renda+ para ter renda de R$ 5 mil em 20 anos?

Simulador do Tesouro traz diversas possibilidades para o investidor que quer aportar no Renda+ e gerar renda para o futuro

Tesouro Nacional. Foto: Adobe Stock
Valor foi levantado utilizando a própria calculadora do Tesouro, que permite simular valores, prazos e quantidade a ser investido. Foto: Adobe Stock

Por João Paulo dos Santos

O Renda+ é uma aplicação de longo prazo criada pelo Tesouro Direto que funciona como complemento à previdência social. Por meio de aportes mensais ao longo do tempo, ele pode gerar uma renda que ajudará na aposentadoria no futuro. Desde o seu lançamento em janeiro deste ano, o título ultrapassa a marca de R$ 751 milhões, segundo dados de maio divulgados pela Secretaria do Tesouro.

Para aqueles que se perguntam sobre quanto seria necessário investir no título para ter uma renda de R$ 5 mil daqui a 20 anos, o Bora Investir traz a resposta.

Utilizando a própria calculadora do Tesouro, que permite simular valores, prazos e quantidade a ser investido, Vinicius Romano, Head de Renda Fixa da Suno Research, fez as contas a pedido do Bora para descobrir o valor a ser aportado mensalmente. Veja!

Para quem quer uma renda mensal para daqui a 20 anos, o Tesouro sugere o título Renda+ aposentadoria extra 2045. Nele, a conclusão foi: para receber R$ 5 mil de renda extra mensal, durante 20 anos, é preciso investir aproximadamente R$ 900 por mês até janeiro de 2045, data de conversão do ativo.

Segundo Romano, tudo depende da capacidade dos aportes e, principalmente, do tempo. “Olhando para a fórmula de juros compostos, o fator exponencial é justamente o tempo. Quanto antes começar a investir, mais cedo verá o patrimônio crescer. Consequentemente, o fluxo de renda recebido será maior. É possível fazer algumas simulações nesse sentido na plataforma do Tesouro”, diz.

O que avaliar antes de investir no Renda+?

Na opinião do Head de Renda Fixa da Suno Research, o principal cuidado a se tomar antes de investir é avaliar muito bem a disposição e capacidade de manter um título de tão longo prazo até o vencimento. 

“Por característica, esses ativos oscilam diariamente, e podem não agradar muito os mais conservadores. Por outro lado, por serem baseados em renda fixa, em casos de manutenção do título até o vencimento, a taxa de compra é garantida”, afirma.

Também é importante lembrar que há outras opções de ativos para diversificar seus investimentos e alcançar essa mesma quantia mensal. Dentro da própria renda fixa existem diversas alternativas que geram renda extra, assim como os próprios fundos de previdência e outros títulos do TD. 

“Os investidores contam com títulos pós-fixados, prefixados e indexados à inflação, além de terem a possibilidade de escolher emissores públicos ou privados. O cardápio é bem grande e vale uma reflexão sobre diversificação, perfil de risco, e outros fatores”, destaca Romano.

+ Renda+ permite poupar até 40% mais para a aposentadoria do que outros investimentos, diz Marcia Dessen

O Tesouro Renda + é recomendado para quem?

A criação do Tesouro Renda+ buscou responder às questões levantadas pela reforma da previdência e pelo envelhecimento da população brasileira. Ele não pretende substituir o INSS, mas ser um complemento para que o trabalhador mantenha o seu poder de compra depois de se aposentar. 

É justamente para manter o poder de compra do investidor que o ativo será um título cujas amortizações serão corrigidas pela variação do IPCA, o índice oficial da inflação. Assim como em outros títulos do Tesouro Direto, será possível começar a investir com aproximadamente R$ 30.

Além disso, após uma carência aplicada no período inicial do investimento, 60 dias, ele passa a ter liquidez diária. Por fim, ele tende a ser voltado para toda a população, principalmente as de menor renda e poder de investimentos de altos valores.

+ Renda+ versus Tesouro IPCA+: qual é o melhor título?

Taxas e tributação: vantagens e desvantagens do Renda+

Como forma de tornar o investimento acessível e competitivo ante os fundos de previdência privada, o título do TD não tem taxa de administração. Já a taxa de custódia poderá chegar a zero se o papel for mantido pelo investidor até o vencimento.

Contudo, o investidor que decidir fazer o resgate antecipado, terá que pagar taxa sobre o valor de resgate, conforme a tabela:

Prazo até saída (anos)Taxa sobre valor de resgate (a.a)
0 a 100,50%
10 a 200,20%
Acima de 200,10%
Vencimento0%

Quanto ao Imposto de Renda, o novo título público seguirá a tabela regressiva que acompanha outras aplicações do Tesouro Direto, sendo 15% a alíquota mais baixa.

Quer saber como funciona e como investir no TD e outros produtos de renda fixa? Acesse os conteúdos de finanças pessoais do Hub de Educação Financeira da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias