Tesouro direto

“Tesouro Renda + mantém o poder de compra durante aposentadoria”, afirma Paulo Valle

Ao Bora Investir, secretário do Tesouro Nacional falou sobre título que funciona como complemento à previdência

Paulo Valle
Paulo Valle, secretário do Tesouro Nacional, durante evento em setembro. Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

O Tesouro Nacional anunciou ontem o lançamento do Tesouro Renda +, título público que funcionará como complemento à previdência social. Os ativos de renda fixa emitidos pelo governo federal contarão com pagamentos mensais corrigidos pela variação do IPCA, o índice oficial da inflação, que se estenderão por até vinte anos.

O título estará disponível para aquisição a partir do dia 30 de janeiro de 2023.  

Ao B3 Bora Investir, o secretário do Tesouro Nacional, Paulo Valle, afirmou que a nova modalidade do Tesouro Direto tem o propósito de contribuir como complemento à aposentadoria dos brasileiros:

“O objetivo do Tesouro Renda + é criar uma cultura de acumulação no Brasil. O que acontece hoje são pessoas que só depois dos quarenta anos despertam para a necessidade de ter uma reserva de aposentadoria. Com o Renda + será possível que alguém de dezoito anos, em seu primeiro emprego, já comece a investir para planejar sua saída do mercado de trabalho.”

+ Tesouro Renda +: tudo sobre o novo título do Tesouro Direto

O secretário explicou ainda que Tesouro Renda + tem o embasamento teórico de Robert Merton, vencedor do Nobel de Economia em 1997 que, em parceria com Arun Muralidhar, apresentou a ideia de produtos financeiros como meios previdenciários.

“A criação do Tesouro Renda + vai ao encontro das questões levantadas pela reforma da previdência e pelo envelhecimento da população brasileira. O Tesouro Renda + não pretende substituir o INSS, mas ser um complemento para que o trabalhador mantenha o seu poder de compra depois de se aposentar“, explica o secretário.

Importante ressaltar também que assim como os outros títulos do Tesouro Direto, o Renda + tem baixo risco. Uma vez que são papeis emitidos pelo Estado brasileiro, as chances de o país quebrar e não honrar o pagamento dos rendimentos dos títulos são remotas.

Como o Tesouro Renda + vai funcionar

O novo título funcionará do seguinte modo: o investidor poderá adquirir a partir de janeiro de 2023 títulos com períodos de resgate fixados de 2030 a 2065. Há para cada um deles uma data de conversão, isso é, o início do pagamento das amortizações mensais.

No simulador do Tesouro Direto, é possível traçar dois cenários e ver qual delas faz mais sentido para o investidor: quando deseja resgatar o dinheiro ou qual é a renda pretendida.

Por se tratar de um investimento de longo prazo, espera-se que o investidor dedique ao Tesouro Renda + aportes mensais de valores baixos, mas que a rotina de aplicações seja mantida por muito tempo, de maneira que tenha um retorno considerável quando o pagamento das amortizações começarem.

data de conversão, isso é, quando começa o pagamento das amortizações, será acordada no momento da aquisição do título. Os valores serão corrigidos pela variação do IPCA, o índice oficial da inflação.

Ao todo, serão oito opções de datas. Elas começarão em 2030 e seguirão em intervalos de cinco anos até 2065, conforme a tabela abaixo:

Novo TítuloVencimento
Renda+ 203015/01/2030
Renda+ 203515/01/2035
Renda+ 204015/01/2040
Renda+ 204515/01/2045
Renda+ 205015/01/2050
Renda+ 205515/01/2055
Renda+ 206015/01/2060
Renda+ 206515/01/2065

O Tesouro Renda + terá liquidez diária após um período de carência de 60 dias e, assim como em outros títulos do Tesouro Direto, será possível começar a investir com aproximadamente R$ 30. Ele terá taxa de administração. Já a taxa de custódia poderá chegar a zero se o papel for mantido pelo investidor até o vencimento.

https://youtu.be/8GUrJb7q-BY

Tesouro Nacional e educação financeira

O lançamento do Tesouro Renda + também marca vinte anos do Tesouro Direto. Numa avaliação dessas duas décadas, Paulo Valle destaca o papel transformador da sociedade ocupado pelo programa de títulos públicos:

“A educação financeira foi uma meta de Estado definida pela Secretaria do Tesouro Nacional e outras instituições, como o Banco Central e a Comissão de Valores Mobiliários (CVM). O Tesouro Direto tem o mérito de esclarecer a dívida pública à população“, observa Paulo Valle.

Tal esclarecimento se dá quando há divulgação de resultados, como no último relatório do Tesouro Nacional. De acordo como o balanço, o estoque de investimentos atingiu R$ 102,98 bilhões em novembro, números que entram na conta da dívida interna contraída pelo país.

Já o número de investidores ativos alcançou 2,1 milhões, aumento de 21,6% em doze meses, o que mostra o sucesso dos títulos públicos entre brasileiros.

“Há vinte anos, a pessoa física comprava ações, mas não tinha títulos à disposição. Com o Tesouro, houve uma diversificação das opções de investimento, com maiores números de prazos e indexadores. A aproximação do Tesouro em relação ao investidor é o resultado de um trabalho ativo”, afirma Paulo Valle.

Facilidade e longo prazo

Além do lançamento de novos produtos, como o Tesouro Renda +, outras medida para estreitar os laços com as pessoas físicas foi o Cad&Pag. Por meio dele, investidores podem se cadastrar no site do Tesouro Direto e adquirir títulos públicos por meio do PIX.

De acordo com o secretário do Tesouro, o bom desempenho dos títulos públicos deve continuar nos próximos anos.

“Os títulos do Tesouro sempre terão participação importante na carteira de investidores, pois oferecem opções de longo prazo. Outro motivo é o fato de o Brasil ser um país onde os juros são altos em comparação com outros países, o que favorece a rentabilidade dos títulos,” afirma o secretário.

Quer saber como funciona e como investir no TD e em outros produtos de renda fixa? Acesse os conteúdos de finanças pessoais do Hub de Educação Financeira da B3 e aprenda tudo sobre o assunto.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias