Ações

Ibovespa teve o melhor 1° semestre desde 2019: veja o porquê

O Ibovespa, principal índice de ações da B3, registrou ganhos de 7,9% entre janeiro e junho deste ano

O Ibovespa é o principal índice de ações da B3, a bolsa de valores do Brasil Foto: Marcello Casal/Agência Brasil

Por Guilherme Naldis

O primeiro semestre de 2023 foi o melhor para o Ibovespa desde 2019. No acumulado do ano até sexta-feira passada, 30/06, o índice valorizou 7,61%, segundo levantamento do TradeMap.

Ibovespa B3: veja curiosidades sobre o índice que completa 55 anos

Veja o ranking com a variação do principal indicador de ações da B3 nos primeiros seis meses dos últimos seis anos:

AnoVariação do Ibovespa no 1° semestre
20184,76%
201914,88%
202017,8%
20216,54%
20225,99%
20237,61%
Fonte: TradeMap

Apenas no mês de junho, o Ibovespa teve uma valorização de 9%. Essa rentabilidade mensal é a quarta melhor marca desde o início da pandemia, no início de 2020. Mas, afinal, o que explica o bom desempenho do Ibovespa neste ano? Confira abaixo:

Desaceleração da inflação

A pandemia da covid-19 e as medidas sanitárias e econômicas necessárias para contê-la fizeram com que a inflação se tornasse um problema mundial. Todos os países passaram a conviver com o aumento dos preços, e os bancos centrais precisam agora conter a tendência.

Aqui no Brasil, o início dos aumentos da Selic, a taxa básica de juros, foi antecipada em relação às outras grandes economias e também foi a mais brusca — em um ano, o BC elevou a Selic de 2% para o nível atual, de 13,75%. Por isso, o país está vendo seus índices de inflação convergirem para perto das metas estabelecidas pelo governo.

Ibovespa B3: como é calculado e o que significa o principal indicador do mercado

Além de melhorar a qualidade de vida da população e incentivar o consumo, o que beneficia as empresas listadas, uma inflação contida significa que o Banco Central consegue atingir sua proposta de controlar o valor da moeda.

Juros em tendência de queda

A alta inflacionária fez o Banco Central elevar a Selic em mais de 10% em um período curto de tempo e mantê-la nesse mesmo patamar há quase um ano. Logo, o resultado é que o aumento dos preços está próximo do controle, o que significa que os juros básicos altos podem ser reduzidos.

Analistas se dividem entre as projeções de corte na Selic: os mais otimistas preveem a redução na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), marcada para o começo de agosto, enquanto os mais céticos acreditam que acontecerá somente em setembro. 

Com o corte na taxa, a renda fixa passará a ser um pouco menos interessante do que a variável. Além disso, o custo com juros diminui para as empresas listadas no índice, o que beneficia especialmente as companhias mais endividadas. Por isso, novos investidores devem entrar na bolsa.

Brasil em destaque internacional 

Enquanto os Estados Unidos e a Europa estão sofrendo com inflações persistentes, o Brasil já está vislumbrando um corte na taxa básica de juros nas próximas reuniões do Copom do Banco Central.

Ao mesmo tempo, outros países emergentes, como a Rússia e a China, estão envolvidos em impasses geopolíticos e conflitos que afastam o investimento vindo do exterior.

Por isso, os investidores estrangeiros têm prestado atenção especial ao Brasil, que é visto como estável diplomaticamente. Isso favorece a entrada de capital vindo de outros países, dado que há uma certa “segurança” por aqui.

Novo arcabouço fiscal 

A nova regra fiscal, proposta pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), teve uma recepção mista no mercado. Alguns a viram como muito frouxa, se comparada com a sua antecessora, o teto de gastos de Michel Temer. Outros acreditam que, por ser mais flexível que a regra anterior, também é mais aplicável. 

De uma forma ou de outra, o arcabouço fiscal está prestes a ser aprovado e significa que o país terá parâmetros para a trajetória da sua dívida pública. Assim, a regra estabelece mecanismos de controle do governo e dos seus gastos, o que ajuda o mercado a ter previsibilidade do futuro.

Reforma tributária

A Reforma Tributária foi pautada pelo Congresso Nacional e deve começar a ser analisada e votada ainda nesta semana. O projeto está parado na Câmara dos Deputados desde 2019, mas a pauta é discutida no Brasil, pelo menos, há 30 anos.

Acontece que o sistema tributário brasileiro é visto como regressivo – cobra, proporcionalmente, mais das pessoas que possuem menos – e é muito complexo. Por isso, uma reforma do sistema fiscal é vista como necessária para o crescimento do país e o desenvolvimento da economia local. Dessa maneira, as empresas passam a fazer uma gestão mais eficiente dos seus recursos, o que pode fazer suas ações se valorizarem.

E, agora, parece que vai rolar. O texto foi submetido à análise do Plenário da Câmara e deve ser votado em primeiro turno até esta sexta-feira, 07/07, segundo o presidente da Casa, Arthur Lira (PP – AL) em entrevista à Folha de S. Paulo.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.