Notícias

Brasil analisa convite para entrar na Opep+; saiba como grupo influencia preço do petróleo

Caso aceite, país se tornar membro 'aliado' da Organização dos Países Exportadores de Petróleo, a Opep, como Rússia e México

Petróleo, Opep. Foto: Pixabay
Os contratos futuro de petróleo para dezembro abriram a sessão de hoje em leve queda. O movimento é considerado uma correção técnica, após o barril ter subido mais de 4% ontem. Foto: Pixabay

Por Redação B3 Bora Investir

O governo brasileiro analisa um convite para integrar como aliado a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) a partir de janeiro de 2024. O Brasil é o maior produtor de petróleo da América do Sul, com 2,3 milhões de barris extraídos por dia no 3º trimestre deste ano.

A Opep+ é uma extensão do cartel de grandes produtores de petróleo, que inclui a Arábia Saudita, Irã, Iraque, Venezuela e mais nove países e produz 40% do petróleo mundial. Atualmente Rússia, México e Malásia participam como aliados da organização.

Os chamados “países aliados”, apesar de não serem membros plenos da organização, atuam conjuntamente nas políticas ligadas ao comércio de petróleo e na mediação entre membros e não membros.

Como investir em commodities? Aprenda a aplicar na bolsa

Em nota à imprensa, a Opep já confirmou a entrada do Brasil no grupo. “A reunião deu as boas-vindas a Sua Excelência Alexandre Silveira de Oliveira, Ministro de Minas e Energia da República Federativa do Brasil, que aderirá à Carta de Cooperação da Opep+”.

O convite foi feito na quarta-feira, 29/11, durante a passagem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva a Riad, capital da Arábia Saudita. Em seguida, foi formalizado por meio de carta entregue ao ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, que participará da Conferência do Clima (COP-28).

O que diz o governo brasileiro?

O ministro de Minas e Energia afirmou que o governo pretende aceitar o convite, mas que precisa de uma análise da área técnica. Segundo Alexandre Silveira, a Opep+ discute as opiniões dos países produtores de petróleo neste momento de transição energética.

“Do grupo do Opep não faz sentido participarmos. Mas do Opep+, aceitamos analisar o convite, porque o objetivo dele é discutir a posição dos países produtores de petróleo nesta fase de transição energética no mundo”, afirmou o ministro.

Nesta quinta-feira, 30/11, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) concordou em realizar um corte considerável na produção, de mais um milhão de barris por dia. No entanto, o ministro brasileiro afirmou que não assumirá nenhum compromisso de redução de produção.

“Na Opep+, está claro que os membros não têm compromisso com corte de produção, mas partilham de uma plataforma de discussão. Eu quero analisar [o convite] com profundidade, para ver o custo-benefício para o Brasil. (…) O Brasil quer ser um país cada vez mais competitivo do ponto de vista dos preços dos combustíveis”, concluiu.

Quais os principais fatores que afetam as ações da Petrobras

Nesta sexta-feira, 01/12, o presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, afirmou que o País deve ingressar no grupo com um papel de cooperação e observação das decisões, sem entrar no sistema de cotas de produção.

“Eles chamam outros países que não têm direito a voto e não são impostas cotas a esses países. Jamais participaríamos de uma entidade que estabelecesse cota para o Brasil, ainda mais com o apoio da Petrobras, que é uma empresa aberta no mercado e não pode ter cota”, afirmou o executivo em entrevista à Reuters.

O que dizem os analistas?

Os economistas da Guide Investimentos lembraram que o Brasil já recebeu convites para participar do grupo, mas declinou diante da ainda pequena representatividade na exportação do petróleo produzido. No entanto, agora o cenário é diferente.

“O grupo Opep+ não precisa se comprometer nos cortes de produção. Além disso, a entidade discute políticas de transição energética que são de interesse dos atuais governantes do país”.

O professor de comércio exterior da Faculdade do Comércio concorda com a análise da Guide. Segundo Laércio Donizetti Munhoz, a não entrada do Brasil na Opep+ pode trazer problemas para o país trabalhar com os preços do petróleo.

“A Opep tem o controle do preço, assim como mantém o equilíbrio dele. Se o Brasil não entra nessa conta, ele perde a estabilidade do mercado. Às vezes funciona como um cartel, mas a ideia é controlar produção e distribuição para que não haja falta ou que os preços não disparem. O Brasil precisa ter uma melhor posição nas negociações”, afirma.

O analistas de petróleo Heitor Paiva vê a possível de adesão ao cartel com uma outra perspectiva. Segundo ele, a entrada representaria um obstáculo significativo para as perspectivas positivas que o Brasil vislumbra no setor de exploração e produção de petróleo a longo prazo.

“Estimativas indicam que o Brasil poderá alcançar a posição de 5º maior produtor mundial de petróleo até 2030”, disse em uma publicação no ‘X’ (ex-Twitter).

Para o especialista, a entrada do Brasil na Opep+ implicaria em um fechamento do setor às forças naturais do mercado, “algo que tem sido fundamental para o avanço das empresas privadas no setor petrolífero nacional”, diz.

O que é a Opep?

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo foi criada no ano de 1960, em Bagdá, no Iraque, e ao longo dos anos foi ganhando novos membros. Hoje, a Opep conta com 13 países.

As nações participantes são Irã, Iraque, Kuwait, Arábia Saudita, Venezuela, Líbia, Emirados Árabes Unidos, Argélia, Nigéria, Gabão, Angola, Guiné Equatorial e Congo.

A Opep responde por 30% da produção global de petróleo (com a Opep+ chega a 40%) e por mais de 60% de todo o petróleo exportado no mundo. A Arábia Saudita é o maior produtor, com mais de 10 milhões de barris por dia.

Qual o objetivo da organização?

O principal foco da Opep é criar uma política comum à produção e venda de petróleo, com o objetivo de influenciar a cotação do barril no mercado internacional. Ao aumentar ou diminuir a produção, a organização impacta diretamente os preços.

A criação da entidade aconteceu para contrapor a influência de sete empresas petrolíferas que dominavam o mercado na década de 60. Conhecidas como ‘Sete Irmãs’, o grupo reunia Chevron, Exxon, Gulf, Mobil, Texaco, Shell e British Petroleum. As empresas pagavam valores baixos de royalties aos países para explorar o petróleo, defendia a Opep.

O que a Opep+ representa?

Em meio à queda no preço da commodity em 2016, o grupo dos maiores países produtores resolve unir forças com outros dez grandes produtores.

Foi quando surgiu a Opep+, que hoje conta com Rússia, Azerbaijão, Cazaquistão, Bahrain, Brunei, Malásia, México, Omã, Sudão do Sul e Sudão.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.