Notícias

Haddad afirma que Brasil no comando do G20 é real e necessário

O G20 é o grupo de países que reúne as maiores economias do mundo

Ministro da Fazenda, Fernando Haddad
O ministro da Fazenda, Fernando Haddad. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, classificou a agenda do Brasil na presidência do G20, grupo que reúne as maiores economias do mundo, como “realista e necessária”. O País assume o posto a partir de dezembro. Em reunião com ministros da Fazenda e banqueiros centrais, em Marrakesh, no Marrocos, ele listou as ambições do Brasil ao ocupar o posto. Dentre as prioridades, reformar as instituições multilaterais e propor uma nova ordem econômica global, com olhos para a transição energética, a agenda verde e os mais vulneráveis.

“Talvez digam que a agenda proposta pelo Brasil para o G20 é ambiciosa demais. Nós acreditamos que ela é realista e necessária”, disse Haddad. “Estamos tratando das questões-chave do nosso tempo”, acrescentou.

De acordo com o ministro, é urgente a necessidade de melhorar as instituições financeiras internacionais e fazer com que os ricos paguem sua justa cota de impostos. Além disso, é preciso tratar do problema da dívida em um número crescente de países da África, Ásia e América Latina, e mobilizar recursos públicos e privados para uma economia global mais verde e sustentável.

Zona do Euro, FMI, OMC, OCDE: quem é quem na economia mundial

“Falhar em apresentar uma agenda como essa é que seria pouco realista, porque significaria comprometer as aspirações legítimas das gerações futuras”, afirmou.

Na visão de Haddad, o G-20 é talvez o único fórum global com capacidade para promover o multilateralismo do século XXI que o Brasil e muitos outros países estão propondo. E, conforme ele, não se trata de tamanho, mas pluralidade à medida que o Grupo reúne países muito diferentes, do Norte Global e do Sul Global, do Ocidente e do Oriente.

“Isto é fundamental porque as soluções globais de que necessitamos só emergirão a
partir de um diálogo ampliado, envolvendo distintas vozes”, avaliou o ministro brasileiro. “Precisamos recuperar a fé em soluções multilaterais e aprender a ver o mundo pela perspectiva do outro”, acrescentou.

Reforçando posicionamento já enviado ao Fundo Monetário Internacional (FMI), Haddad colocou o Brasil como um mediador para os conflitos globais. A seu favor, disse, o fato de o País ter tradição de facilitar o diálogo e o consenso entre diferentes grupos econômicos.

Reforma Tributária: entenda a proposta e o impacto nos negócios

“Sediar o G20 é uma honra para nós. É uma grande responsabilidade também. Essa responsabilidade chega exatamente na hora certa”, disse Haddad.

O ministro brasileiro lembrou das medidas adotadas durante o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva como a aprovação do novo arcabouço fiscal, a reforma tributária, redução do desmatamento, ampliação de programas sociais como o Bolsa Família e, mais recentemente, o plano de transformação ecológica.

“Em 2023, colocamos a nossa casa em ordem depois de alguns anos turbulentos… Agora, o Brasil está pronto para se voltar aos desafios globais e promover um diálogo construtivo e produtivo em direção ao multilateralismo do século XXI”, disse Haddad, saudando a chegada da África do Sul.

“Estou confiante de que, juntos, poderemos encontrar iniciativas inovadoras e prover a liderança política e econômica que mundo espera de nós”, concluiu.

Para saber ainda mais sobre investimentos e educação financeira, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.