Mercado

7 fatos e frases que resumem a terceira semana de novembro na economia e no mercado

Governo confirma meta fiscal zero em 2024, economia desacelera no 3º trimestre e inflação do calor ferve o bolso das famílias. No cenário externo, preços estáveis nos EUA animam o mercado

Balança de ferro refletindo nota de cinquenta reais, com moedas de um real fazendo pesa
Toda empresa listada na B3 é obrigada por lei a divulgar suas Demonstrações Financeiras (DFs) a cada trimestre. Foto: Adobe Stock

A novela da meta fiscal terminou com vitória do Brasil, pelos menos por enquanto.  Depois de semanas de disputa interna e sinalizações públicas contraditórias, o governo decidiu manter a previsão de déficit zero nas contas públicas de 2024

A manutenção da meta e o cenário de inflação estável nos Estados Unidos levou o Ibovespa ao maior patamar em dois anos. Ainda no mercado financeiro, o balanço da Americanas com onze meses de atraso e os erros contábeis no Magazine Luiza.

Na economia brasileira, teve pressão nos preços com o impacto da onda de calor no valor das máquinas de ar-condicionado. E o peso da desaceleração do setor de serviços na prévia do Produto Interno Bruto que perdeu força no 3º trimestre.  

Nos investimentos, o impacto no bolso de quem ganhar os R$ 550 milhões da Mega da Virada, a ciência das compras na Black Friday e o desempenho dos índices setoriais na bolsa brasileira

Relembre, a seguir, os principais fatos e frases que marcaram a semana:

1) “O GOVERNO MANTEVE A POSIÇÃO DELE DE META FISCAL ZERO”. (Danilo Forte, relator do projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias)

O martelo foi batido e o governo decidiu manter a meta de déficit zero nas contas públicas de 2024. Isso quer dizer, que no ano que vem só será possível gastar o que for arrecadado, ou seja, sem aumento da dívida pública para cumprir gastos e investimentos.

Com a decisão tomada, após semanas de polêmicas e reações negativas do mercado, o foco agora é aprovar medidas que aumentem a arrecadação, com a finalidade de cumprir essa meta.

Dentre as medidas estão a MP que aumenta a tributação de grandes empresas com benefícios fiscais de ICMS; fim dos Juros sobre Capital Próprio, taxação de fundos exclusivos e offshores e de apostas on-line.

Desde o início da polêmica – com a fala do presidente Lula de que “dificilmente chegaremos à meta zero” – o mercado, o BC e até o ministro da Fazenda alertaram para a queda de confiança numa eventual mudança. Agências rating também apontaram que a revisão poderia retardar a retomada de grau de investimento.

2) BRASIL: ATIVIDADE ECONÔMICA CAI 0,64% NO 3º TRIMESTRE

A desaceleração da economia brasileira entre julho e setembro, esperada pelos analistas, foi confirmada pelo Índice de Atividade Econômica do Banco Central, considerado a prévia do PIB, que caiu 0,64%. Em setembro, a baixa foi de 0,06%. 

Um dos setores que ajudou na retração da prévia do PIB foi o de serviços (área que mais emprega no país) com queda de 0,3% em setembro, após recuo de 1,3% em agosto. 

O maior impacto negativo veio dos serviços profissionais e administrativos, com baixa de 1,1%. Pelo lado das altas, destaque para os serviços prestados às famílias que subiram 3%, diante do festival The Town – que impulsionou o setor de espetáculos

Para os fãs de grandes eventos musicais, o B3 Bora Investir fez uma reportagem especial sobre como organizar as contas para curtir todos os dias do Lollapalooza 2024. No line-up Blink-182, SZA, Paramore, Sam Smith e, Arcade Fire já confirmados.

3) INFLAÇÃO ESTÁVEL NOS EUA E A EXPECTATIVA DAS ELEIÇÕES NA ARGENTINA

No noticiário internacional, a semana foi de alívio nos Estados Unidos diante da estabilidade da inflação em outubro, após os preços atingirem o maior valor em quatro décadas no ano passado. O fim da escalada nos preços sinalizou que o Federal Reserve não deve mais elevar os juros neste ano.

O resultado trouxe expectativas muito boas para o mercado financeiro. A Bolsa do Brasil (B3) fechou dois dias seguidos com recordes do ano e bateu o maior patamar desde o meio de 2021. A manutenção da meta zero em 2024 também ajudou.

Os investidores globais estão mais calmos em relação ao conflito entre Israel e Hamas. Após quase um mês de guerra, sem espalhamento por outras regiões do Oriente Médio, os mercados seguem com tendência de alta e os ativos chamados de segurança – como dólar, ouro e petróleo – controlados.

Diante do cenário mais estável e dos EUA dando sinais de redução da demanda, o barril de Petróleo desacelerou para o menor patamar desde julho.

Na Argentina, o segundo turno das eleições acontece neste domingo, 19/11. Na disputa está o atual ministro da Economia, Sergio Massa, e Javier Milei, da oposição. Em entrevista ao B3 Bora Investir, o economista e sócio da Tendências Consultoria, Silvio Campos Neto, falou sobre a sua expectativa para as eleições presidenciais

4) BRASIL 50ºC: OS IMPACTOS DA ONDA DE CALOR NA ECONOMIA

https://twitter.com/inmet_/status/1724397677230649465

A onda de calor da semana passada atingiu 15 estados brasileiros e o Distrito Federal. Em SP, os termômetros marcaram, em média, 37ºC com sensação térmica de 40ºC. No Rio, a temperatura ultrapassou os 42ºC, com sensação de 58ºC.

O fenômeno, cada vez mais comum no Brasil é resultado da aproximação do verão e é intensificado pelo El Niño, fenômeno climático que aquece as águas dos oceanos. O calor intenso traz um efeito na economia pelo lado do agronegócio – já que secas prolongadas prejudicam a produção de alimentos, mas também de eletrônicos. 

O vilão da inflação do calor são os aparelhos de ar-condicionado, que ficaram 9,35% mais caros em 2023. As altas temperaturas têm impactado os preços, assim como a seca na Amazônia e a alta demanda. No primeiro semestre, as vendas dos equipamentos cresceram 25%.

5) BALANÇOS DO VAREJO: AMERICANAS DIVULGA RESULTADOS

A Americanas publicou os resultados financeiros de 2022 e republicou os números de 2021, após onze meses de atraso. No primeiro balanço desde a fraude contábil, a varejista em recuperação judicial registrou um prejuízo líquido de R$ 12,9 bilhões no ano passado, o dobro do valor de 2021 (R$ 6,23 bilhões). 

A publicação desses resultados era esperada para o início da semana, mas precisou ser adiada. Segundo a Americanas, a empresa “foi vítima de uma fraude sofisticada”, o que tornou a divulgação “uma tarefa extremamente desafiadora e complexa”.

A Magazine Luiza também divulgou os seus resultados e apontou erros em lançamentos contábeis que obrigaram a companhia a reduzir em quase R$ 830 milhões seu patrimônio líquido. A Comissão de Valores Mobiliários abriu um processo administrativo para apurar o balanço da empresa, que apontou um lucro líquido de R$ 331,2 milhões no 3º trimestre de 2023, revertendo o prejuízo de R$ 190,9 milhões do mesmo período do ano passado. 

Já as lojas Marisa, que terminou recentemente um processo de reestruturação, registrou prejuízo líquido de R$ 196,3 milhões entre julho e setembro, aumento de 92,4% na comparação com o mesmo período do ano passado.

6) HORA DE APOSTAR: R$ 550 MILHÕES NA MEGA DA VIRADA

Maior prêmio da história. Concurso que não acumula. 50 milhões de combinações. É a Mega da Virada, que neste ano vai pagar o maior valor desde o início do concurso: R$ 550 milhões. Aplicado na poupança essa bolada renderia R$ 3,3 milhões ao mês.  

Qual a probabilidade de acertar a e ganhar esse dinheiro? O B3 Bora Investir foi atrás dessa resposta e descobriu que para fazer todas as combinações possíveis, é preciso jogar a aposta simples (R$ 5) 50.063.860 vezes. Isso custaria R$ 250.319.300.

A possibilidade de ganhar tanto dinheiro apenas com uma aposta desperta a atenção de muitos brasileiros. Assim como descontos e liquidações, como oferece a Black Friday. Em uma reportagem especial, falamos sobre a ciência por trás da vontade de comprar em grandes liquidações.

7) INVESTIMENTOS E FINANÇAS PESSOAIS

Nos destaques dos investimentos e finanças pessoais, o Bora mostrou um levantamento exclusivo sobre quais setores tiveram os melhores resultados na bolsa, considerando o retorno de suas ações, em diferentes janelas temporais. 

Saber o seu perfil é o melhor jeito de buscar pelo melhor investimento para não desanimar ou se frustrar logo de cara. Além da tolerância aos riscos, a análise para descoberta do perfil leva em consideração a situação financeira, idade, conhecimento do mercado e destino do dinheiro. A diversificação de investimentos também é um ponto importante a ser considerado, ainda mais com o mundo mais conectado.

.Para mais conceitos sobre o mercado financeiro, confira os conteúdos gratuitos do Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.