Mercado

Ibovespa recua 1,72% com Petrobras e Vale pressionadas por queda de commodities

Pregão negativo puxado por commodities também teve investidores de olho nas decisões de política monetária pelo mundo

Painel da B3 mostra cotações das ações e gráfico da tendência do dia. Foto: Divulgação
Dados positivos de inflação ajudaram o índice a encerrar a semana com saldo positivo

Por João Paulo dos Santos

O Ibovespa B3, principal índice de ações da bolsa de valores brasileira, teve queda de 1,72%, a 110.140 pontos, nesta quinta-feira, 2. O desempenho ruim foi puxado pelas empresas ligadas a commodities, com destaque para Petrobras e Vale, que caíram mais de 4%.

As ações da Vale (VALE3) recuaram 4,62%, enquanto a Petrobras PN (PETR4) caiu 4,63%. Na ponta positiva do IBOV, os papéis dos bancos Bradesco PN (BBDC4) e Itaú Unibanco PN (ITUB4) evitaram maiores quedas ao subirem 1,50% e 0,92%, respectivamente

Os investidores também estiveram atentos às decisões de política monetária pelo mundo. Brasil e Estados Unidos decidiram manter e elevar, respectivamente, as taxas de juros no dia de ontem, quarta-feira, 1. Hoje as taxas de juros também foram elevadas pelo Banco Central Europeu, o BCE.

Decisões de política monetária movimentam o mercado

No dia de ontem, 1, o primeiro Comitê de Política Monetária (Copom) de 2023 decidiu pela manutenção da taxa básica de juros (Selic) em 13,75% ao ano. A decisão de manter o patamar estabelecido desde agosto de 2022 já era esperada por economistas.

Porém, o Copom subiu o tom em uma dura mensagem que acompanhou a decisão. No comunicado, a autoridade monetária deu um amplo destaque aos riscos fiscais e indicou que as “expectativas de inflação estão se distanciando da meta”, o que “demanda maior atenção na condução da política monetária”.

Ainda na quarta-feira, o Federal Reserve (Fed) elevou a taxa básica de juros dos Estados Unidos em 0,25 ponto percentual – para o intervalo entre 4,50% e 4,75%. A decisão significou uma desaceleração no ritmo do aperto monetário, o que já era esperado pelo mercado. O movimento menor veio após um aumento de 0,5 p.p. em dezembro e quatro aumentos de 0,75 p.p. antes disso.

Já nesta quinta-feira, o Banco Central Europeu (BCE) manteve o ritmo de aperto monetário e elevou as suas taxas de juros em 0,50 ponto percentual. Com a decisão, a taxa de empréstimo, de refinanciamento e a de depósito ficaram em 3,25%, 3% e 2,50%, respectivamente – maiores níveis desde 2008.

Dólar fecha em queda

O dólar fechou em queda no dia de hoje, recuando 0,32% ante o real, a R$ 5,0444. Durante o dia, a moeda norte-americana chegou a operar abaixo de R$ 5 pela primeira vez desde junho, mas perdeu força após o recado mais duro do Copom sobre os juros no país.

Petróleo em baixa

Os preços do petróleo operaram em alta durante a maior parte da sessão no dia de hoje, mas viram o sentimento do mercado virar no final e fecharam no vermelho. O barril da commodity tipo Brent caiu 0,81%, a US$ 82,17, já o WTI cedeu 0,69%, a US$ 75,88.

Bolsas dos EUA fecham mistas

Os principais índices de ações dos EUA fecharam em direções diferentes nesta quinta-feira. Com os investidores repercutindo a decisão do Fed, o Dow Jones fechou em baixa de 0,12%, a 34.053 pontos. Já o S&P 500 e o Nasdaq subiram 1,47% e 3,25%, a 4.179 e 12.200 pontos, respectivamente. 

O último citado foi beneficiado pela alta de papéis de tecnologia, que teve como destaque o balanço da Meta, holding do Facebook, que veio melhor que o esperado.

Gostou deste conteúdo e quer saber mais sobre o mercado de ações? Confira os cursos grátis da B3 sobre dividendos!

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.