Notícias

7 fatos ou frases que resumem o mercado financeiro na última semana de Março

Arcabouço fiscal foi destaque da semana, que também teve ata do Copom, a volta do consignado do INSS, mais investidores classes C, D/E e Bitcoin em alta

Bolsa de valores. Foto: Divulgação B3.
Bolsa: investidores também monitoram Haddad e Tebet, que participam de evento. Foto: Divulgação B3.

Por Redação B3 Bora Investir

Imagine aquela novela que tem duas fases. Na primeira o telespectador conhece os personagens e entende a trama. Na segunda, já de posse de todo o enredo, a história se desenrola. Pois é, desde o início de 2023 vivemos a novela das novas regras fiscais que foram apresentadas nesta semana pelo governo. Terminada a primeira fase, começa agora a entrega do projeto, as discussões no Congresso e pôr fim a votação – ainda sem data para acontecer.  

No enredo paralelo de uma história de poucos vilões e muitos mocinhos, o Comitê de Política Monetária divulgou a ata da sua última reunião que manteve a taxa básica de juros, a Selic, em 13,75%. No documento, acenos para a equipe econômica e recados cautelosos ao protagonista de que é preciso ‘serenidade e paciência’.

De juros nas alturas, a crédito escasso, discutimos também o encarecimento dos empréstimos, o fim do impasse sobre o teto de juros para o consignados do INSS, o aumento dos investidores das classes C e D/E no Brasil e o Bitcoin subindo impressionantes 68% em três meses. 

No exterior vimos o mercado se acalmar das turbulências com o sistema bancário, após o First Citizens comprar o Silicon Valley Bank. Pelo menos essa novela terminou e parece que o final foi feliz. The End!

Acompanhe os 7 fatos ou frases que marcaram a semana. 

1. NOVAS REGRAS FISCAIS – “SE TODOS PAGAREM IMPOSTOS, INCLUSIVE, OS QUE ESTÃO FORA DO SISTEMA TRIBUTÁRIO, NINGUÉM SAI PREJUDICADO”. (Fernando Haddad, ministro da Fazenda)

O governo federal, por meio do Ministério da Fazenda, apresentou a nova âncora fiscal do país nesta semana. O mecanismo terá na relação receitas e despesas o seu principal foco. A proposta prevê limitar o crescimento dos gastos a 70% da variação da receita dos últimos 12 meses, ou seja, de tudo que entra no caixa do governo. O objetivo é zerar o rombo nas contas públicas já no ano que vem. 

O B3 Bora investir ouviu a opinião de vários economistas sobre a proposta que agradou o mercado financeiro. No entanto, os especialistas esperam algumas mudanças pelo Congresso e resistência dentro do próprio governo em relação ao Arcabouço Fiscal. 

Aliás, você sabe o que essa palavra significa? Uma reportagem do UOL explicou que o arcabouço fiscal ganhou esse nome por ser a carcaça, a estrutura do controle de gastos do governo.

Depois da apresentação, as novas regras fiscais precisam ser enviadas pelo governo ao Congresso Nacional. O texto será analisado pelas comissões, só para depois ser enviado ao plenário para votação.

2. “SERENIDADE E PACIÊNCIA NA CONDUÇÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA PARA GARANTIR A CONVERGÊNCIA DA INFLAÇÃO PARA SUAS METAS”. (Ata do Copom)

A frase resume com maestria a ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), divulgada nesta semana, que manteve a taxa básica de juros, a Selic, em 13,75% ao ano. 

O Banco Central seguiu com o tom mais duro visto no comunicado e mandou esse recado ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a ala do PT que segue bombardeando Roberto Campos Neto com críticas a manutenção dos juros no maior patamar em seis anos. 

Para a equipe econômica do governo, no comando de Fernando Haddad, o Comitê acenou ao defender a divulgação da nova regra fiscal como uma das indutoras de um processo desinflacionário.

Com a Selic mantida em alta, o Brasil segue como líder no ranking mundial de juros reais – aqueles que descontam a inflação, segundo a Infinity Asset Management. Depois de nós, vem o México, com a taxa real em 6,05%, e o Chile, com 4,92%.

O Copom também reforçou a importância de que a concessão de crédito, público e privado, se mantenha com taxas competitivas e sensíveis à taxa básica de juros. A orientação do Copom em relação ao crédito é válida, no entanto será mesmo que está sendo cumprida?

3. POR QUE O ACESSO AO CRÉDITO ESTÁ MAIS CARO E DIFÍCIL NO BRASIL? ENTENDA

O B3 Bora Investir publicou uma matéria especial que explicou os motivos para a dificuldade de conseguir crédito no país. Dentre as variáveis estão os juros altos, a inflação elevada e a inadimplência recorde. 

Diante desses fatos, a concessão de empréstimos despencou 9,5% em fevereiro, na comparação com o mês anterior. Apenas para as famílias a queda foi de 10,5% na comparação com janeiro, segundo o Banco Central.

O acesso aos empréstimos mais limitado tem levado as famílias brasileiras a procurar linhas de crédito consideradas ‘ruins’ e ‘caras’ como o rotativo do cartão de crédito e o cheque especial.

Diante deste cenário, a ANEFAC (entidade que reúne executivos de finanças e economia) fez um passo a passo para ajudar as famílias brasileiras a saírem do vermelho.

4. BANCOS RETOMAM CONSIGNADO DO INSS

A semana marcou o fim do impasse sobre o teto de juros para os empréstimos consignados de beneficiários do INSS. A boa notícia veio depois que o Conselho Nacional da Previdência Social (CNPS) aprovou a nova taxa de 1,97% ao mês para a modalidade.

Quem não gostou nem um pouco foi o ministro da Previdência, Carlos Lupi, que sofreu uma derrota ao tentar baixar os juros na canetada e ainda levou ‘pito’ do presidente Lula. 

 “Nós recuamos no que a gente tinha proposto inicialmente. Continuo achando a taxa alta, mas a gente tem que fazer o que é possível, nem sempre é o que a gente quer, é o que é possível”, disse Lupi.

5. CRESCE NÚMERO DE INVESTIDORES DAS CLASSES C E D/E

As classes C e D/E impulsionaram o aumento do número de investidores no Brasil em 2022, segundo pesquisa da Anbima em parceria com o Datafolha. O percentual de investidores da classe C teve um aumento de 5 milhões de pessoas, seguido pela D/E – com expansão de 2 milhões e da A/B com expansão de 1 milhão de pessoas.

“Tá dominado, tá tudo dominado. Quero ouvir geral”. E o mercado de renda fixa falou. Segundo reportagem do jornal Valor Econômico, o balanço das aplicações financeiras do primeiro trimestre mostrou que a renda fixa dominou e confirmou o posto de alternativa mais rentável – e segura – para o investidor.

Mais investidores, menos golpes. O B3 Bora Investir fez uma lista de dicas de como se proteger de criminosos, que tentam tirar proveito dos novos investidores. Entre os principais estão ‘utilizar instituições financeiras reconhecidas’ e desconfiar de promessas absurdas. 

6. BITCOIN TAMBÉM AVANÇA E SOBE 68% NO TRIMESTRE

O mesmo jornal trouxe a informação de que o bitcoin (BTC) chegou ao último dia do primeiro trimestre de 2023 com um ganho acumulado de 68%. A criptomoeda está bastante à frente da maioria das demais aplicações financeiras de risco no período.

O resultado, segundo especialistas, leva a crer que o chamado inverno dos criptoativos ficou para atrás bem antes do que o vislumbrado no final do ano passado, na esteira da quebra da FTX e implosão do sistema Terra Luna. 

É a maior valorização trimestral do bitcoin desde a alta de 103% vista no primeiro trimestre de 2021, no segundo ano de pandemia.

7. FIRST CITIZENS COMPRA O SILICON VALLEY BANK

As temores de uma crise financeira global parecem ter terminado na semana em que o First Citizens, um dos maiores bancos regionais dos Estados Unidos, concordou em comprar o Silicon Valley Bank (SVB), 15 dias após o colapso da instituição.

O acordo foi a ‘season finale’ (capítulo final) do combate às turbulências no setor bancário internacional, que levou à compra do Credit Suisse pelo banco UBS; os fortes saques que desencadearam uma crise no First Republic Bank e mais recentemente problemas de confiança no Deutsche Bank.

Especialistas consultados pelo Bora, apontaram onde investir agora, no Brasil e lá fora, para se proteger da ameaça de uma crise de crédito global.

Quer saber mais sobre investimentos e finanças? Acesse os conteúdos gratuitos do Hub de Educação Financeira da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias