Notícias

Energia ainda pressiona inflação na zona do Euro um ano após a guerra na Ucrânia

Preços da energia tiveram 2º maior impacto na inflação dos países do Euro em janeiro, atrás apenas de alimentos e bebidas. Índice geral veio um pouco acima do esperado.

Christine Lagarde, presidente do Banco Central Europeu, uma mulher branca de cabelos brancos e óculos discursa em frente a um painel
A presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde: decisão vai ao encontro das expectativas do mercado e leva a taxa ao maior patamar desde 2008. Foto: Divulgação

Por Redação B3 Bora Investir

Já se passou um ano desde que a invasão da Rússia à Ucrânia começou, no dia 24 de janeiro de 2022, e os efeitos da alta dos preços da energia na inflação da zona do Euro persistem. A Europa é a altamente dependente do gás vindo da Rússia e sofreu com os cortes de abastecimento usados como retaliação às sanções impostas ao regime de Vladmir Putin.

Em janeiro, os preços da energia avançaram 18,9% na comparação anual – segundo maior impacto na inflação. Apesar da desaceleração em relação aos meses anteriores, o valor segue nas máximas históricas. A Rússia era o principal fornecedor para a União Europeia de petróleo (27% das importações), carvão (47%) e gás (41%).

4 fatores globais que podem afetar suas finanças e investimentos em 2023

No índice completo, os preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) na zona do Euro tiveram uma desaceleração para 8,6% em janeiro, ante 9,2% em dezembro no acumulado de um ano. É o terceiro mês seguido de queda do indicador. No entanto, a inflação ficou um pouco acima dos 8,5% estimados no início deste mês.

Os dados, divulgados nesta quinta-feira, 23/02 pela agência de estatísticas da União Europeia (Eurostat) mostram ainda que o principal impacto nos preços veio de alimentos e bebidas com alta de 14,1% na comparação anual.

Crise de Energia na Europa é sinal de recessão mundial?

O núcleo de inflação – que exclui os preços de alimentos e combustíveis – acelerou de 5,2% na leitura preliminar anterior para 5,3%. O resultado preocupa o Banco Central Europeu (BCE) já que o aumento dos preços – que antes eram impactados apenas pelos custos de energia – agora estão em todos os setores da economia.

Expectativa para os juros

Apesar dos dados mais amenos no índice completo de inflação, o Banco Central Europeu manteve o ritmo de aperto monetário e elevou as suas taxas de juros em 0,50 ponto percentual no início de fevereiro. Com a decisão, a taxa de empréstimo, de refinanciamento e a de depósito ficaram em 3,25%, 3% e 2,50%, respectivamente – maiores níveis desde 2008.            

A presidente do BCE, Christine Lagarde, disse ontem que está determinada a enfrentar a inflação e reduzi-la à meta de 2%. Para isso, vai voltar a aumentar a taxa de juros.

Banco Central Europeu reforça aperto e eleva juros em 0,50%

“Todas as nossas decisões vão em direção à meta. (…) Nos últimos seis meses, aumentamos as taxas de juros em mais de 330 pontos base. Da última vez, aumentamos em 50 pontos base, e pretendemos aumentar de novo em março. (…) Vamos olhar todos os números: inflação, custo de trabalho, projeções. E, assim, determinar o caminho da nossa política monetária”, completou.

Em relatório, o analista da Pantheon Macroeconomics, Claus Vistesen, afirmou que as taxas de juros na Europa devem continuar escalando até o terceiro trimestre deste ano.

O que pode influenciar no preço das commodities? Veja diversos fatores

“Nosso cenário base continua sendo que o BCE aumentará duas vezes a taxa de juros no segundo trimestre em 0,25 ponto percentual, com uma taxa de depósito terminal em 3,5%. Mas os riscos agora estão firmemente inclinados para uma taxa mais alta em junho e ainda mais aumentos de taxa até o terceiro trimestre”.

Se quiser saber mais sobre economia e finanças, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias