Mercado

Inflação de 100%, disparada do dólar, dívida alta; entenda a grave crise na Argentina

Instabilidades econômicas são recorrentes no país que sofre há anos com a hiperinflação. Situação se agravou em meio a desvalorização do peso e ao aumento da pobreza

Conteiner pintado com cores da Argentina
A crise econômica na Argentina fez a atenção de todo o mundo se voltar ao país sul-americano. Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

O país do Tango tem perdido o ritmo quando o assunto é estabilidade econômica. O fantasma da última crise que atingiu a Argentina há duas décadas voltou a assombrar a população. O temor de colapso da economia passa por uma inflação que está completamente fora de controle, uma nova escalada da cotação do dólar e uma dívida pública que atinge mais de 80% do Produto Interno Bruto (PIB).

Para entender a atual situação dos nossos vizinhos, precisamos voltar ao início da década de 1990. O alto endividamento do país, resultado de anos de governos ditatoriais, começou a ser combatido com uma reforma no sistema bancário, publico e cambial. O auge das mudanças foi a Lei da Convertibilidade, que fixou a relação de um peso argentino para um dólar. O problema é que para fazer valer essa paridade é preciso ter reservas em moeda americana. Para isso, o governo do país passou a contrair diversos empréstimos, o que levou a mais uma crise em 2001.

Com o peso desvalorizado, vale a pena viajar para a Argentina? Veja preços e descubra

O aumento do déficit fiscal, o desemprego novamente na casa dos 15% e a dívida externa assustadoramente elevada, trouxe novamente a inflação para o radar dos argentinos e a maxidesvalorização do peso. Diante deste cenário, o governo passou a limitar o saque da população em 250 pesos semanais – o famoso confisco bancário. Toda essa conjuntura levou à renúncia, em 1999, do então presidente Fernando De La Rúa e ao calote histórico de US$ 102 bilhões pelo governo em 2001.

O economista da XP, Francisco Nobre, explicou em um artigo que a Argentina tem violado o chamado tripé macroeconômico – câmbio flutuante (valor da moeda determinado pela oferta e demanda), meta de inflação e responsabilidade fiscal (contas equilibradas) – essencial para o crescimento de longo prazo. A falta da implantação dessas medidas levou o país a se tornar um dos mais instáveis da América Latina.

Crise Econômica na Argentina: 5 fatos para entendê-la

“Estas regras não foram respeitadas ao longo da história recente da Argentina, provocando uma desconfiança crescente em relação à estabilidade de investimentos em títulos de dívida pública, câmbio e poder aquisitivo. Consequentemente, o país entrou em um ciclo vicioso de desvalorização da moeda, alta expressiva da inflação, dívida externa elevada, déficit fiscal crescente, e uma recessão econômica prolongada”.

Importante lembrar que em 2022 a Argentina renegociou a sua dívida com o Fundo Monetário Internacional (FMI), após concordar em criar um plano de reestruturação de longo prazo para dar estabilidade à atividade econômica.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias