Objetivos financeiros

Dicas financeiras para investir em hobbies: música, esportes e idiomas

O B3 Bora Investir preparou algumas dicas para quem quer investir em hobbies como música, idiomas ou esportes. Confira!

Grupo de pessoas negras sentadas com roupas esportivas e uma bola de basquete próxima a seus pés, todos sorriem
alguns esportes têm gastos adicionais e implicam num estilo de vida próprio. Foto: Adobe Stock

Com o ano começando, também se iniciam alguns projetos. Além daqueles de médio e longo prazo, como comprar um carro ou conquistar a independência financeira, alguns objetivos relacionados ao bem-estar pessoal, como investir em hobbies, demandam menos tempo, mas ainda requerem planejamento financeiro adequado.

O B3 Bora Investir preparou algumas dicas para quem pretende aprender um instrumento musical, praticar esportes ou começar um curso de idioma. Confira a seguir!

Objetivos e orçamento necessário para investir em um hobby

Segundo Florence Correa, Planejadora Financeiro CFP® pela Associação Brasileira dos Planejadores Financeiros (Planejar), para investir em hobbies a regra é a seguinte: controlar o fluxo de caixa pessoal para que a prática deles não comprometa o orçamento.

“Pensando que o orçamento é composto por entrada e saída de recursos, é preciso dedicar atenção ao primeiro elemento para saber se a renda é adequada ao projeto. Isso faz a atenção se voltar para os números e garante que o objetivo escolhido não seja suspenso no futuro,” afirma Florence.

+ Organização financeira: como começar? Descubra na trilha de conhecimento da B3

Outro requisito para investir em hobbies é autoconhecimento, isso é, saber em que momento da vida financeira se está . “Se alguém está em fase de acumulação, será preciso um tempo durante o qual parcelas das entradas serão reservadas para cumprir o objetivo. Isso é comum entre as pessoas mais jovens. Se é alguém que já está aposentado e tem um patrimônio considerável, e portanto já passou da fase de acumulação, talvez não seja preciso esse tempo de preparo”, observa a planejadora financeira.

Como se organizar financeiramente para aprender a tocar um instrumento?

De acordo com Florence Correa, aprender a tocar um instrumento musical é o objetivo que demanda mais gastos, pois eles se estendem ao longo do tempo.

“Conforme a pessoa progride, irá precisar de instrumentos melhores. Como alguns são muito caros, como piano e violino, vale a pena praticar com os instrumentos da escola durante o início, até se ter certeza de que aquele é o instrumento ideal.” Florence também lembra que há no mercado opções de instrumentos infantis. Eles costumam ser mais baratos e podem ser uma boa escolha para crianças.

Já outros instrumentos requerem equipamentos para funcionar, como a guitarra elétrica, que também demanda gastos com amplificador e cabos.

Peças de reposição, como cordas, também devem entrar na conta de quem planeja aprender um instrumento. Também é importante lembrar que muitos instrumentos, peças e equipamentos são importados, logo, seus preços sobem quando o dólar está alto. Hoje, a moeda americana está na faixa dos R$ 5.

+ Dólar: entenda como afeta os brasileiros

Uma saída para reduzir os custos pode ser procurar por marcas que não sejam dolarizadas. Por exemplo, um pedal de efeito de fabricação norte-americana, próprio para guitarra, está hoje na faixa de R$ 1.000. Já o mesmo efeito disponibilizado por uma empresa chinesa pode ser encontrado por R$ 200.

Prática de esportes: entenda como investir em hobbies de lazer

Nos esportes, também há saídas para se gastar menos. “Hoje é muito comum a prática conjunta de atividades ao ar livre e de graça, como aulas de Yoga em parques públicos. Já no caso do ciclismo, por exemplo, o investimento inicial de comprar uma bicicleta pode ser substituído por programas de aluguel, que contam com várias opções de pacote.”

+ Como não ser engolido pelas despesas de janeiro – e ainda investir?

Outras categorias de esportes podem ter gastos adicionais. “Como planejadora financeira, já vi muitos clientes dedicarem gastos altos à prática esportiva. É o caso de esportes que levam a um estilo de vida próprio. Se alguém quer praticar remo ou natação, por exemplo, o deslocamento até locais de prova, que podem ser até outras cidades, somam aos gastos e ao planejamento financeiro como um todo”, considera Florence.

Curso de idiomas: investir em hobbies também é pensar no futuro

Assim como os esportes, há opções de cursos de idiomas para todo tipo de orçamento, inclusive os gratuitos e disponíveis no YouTube e redes sociais. “Nesse quesito, é importante que se faça uma pesquisa para saber se a gratuidade compensa, pensando na relação de custo-benefício”, observa Florence.

Uma vez que muitos planejadores financeiros dividem os objetivos em “cestas” em que quantias são depositadas para as realizações futuras, é possível unir dois objetivo num só.

“Uma alternativa é aproveitar uma viagem que se faria ao exterior para se aperfeiçoar num idioma. Essa é uma prática que compensa, pois a imersão em outro país pode pular várias etapas de um curso que se faria no Brasil”, conclui Florence.

A planejadora faz a ressalva de que a imersão deve ser bem planejada. Para que o aperfeiçoamento do idioma seja de fato cumprido, é importante se concentrar no estudo e convívio com nativos, uma vez que o contato com brasileiros no exterior pode atrapalhar a progressão do estudo de determinada língua.

Ainda precisa de dicas para organização financeira como um todo? Este vídeo sobre o tema pode te ajudar:

Agora que você já tem por onde começar seus estudos e investir em hobbies, aproveite para conhecer outros conteúdos de finanças pessoais, visite o Hub de Educação Financeira da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.