Investir melhor

Como equilibrar a renda fixa e variável durante a queda de juros

Com a tendência de queda nas taxas de juros, é preciso recalibrar renda fixa e variável

Dados com setas exemplificam o aumento e baixa de juros; renda fixa. Foto: AdobeStock
A Selic é taxa básica de juros do Brasil, e grande parte dos investimentos de renda fixa se baseiam nela

Por Guilherme Naldis

Com queda de 0,50% na taxa básica de juros do Brasil, a Selic, na última decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil (BCB), muitos investidores podem pensar que acabou para a renda fixa e que agora é a vez da variável. Afinal, em seu comunicado, o BCB reiterou que o juro básico deve continuar caindo pelos próximos meses, o que tende a reduzir a rentabilidade dos ativos atrelados à Selic e ao CDI. 

Mas, de acordo com Rodrigo Sgavioli, head de alocação e fundos da XP, a lógica nunca é de renda fixa ou renda variável, mas de renda fixa e renda variável. O que vai mudar nos diferentes momentos da economia, segundo ele, é a proporção de cada uma delas dentro das carteiras. 

“As pessoas tendem, num momento como esse, a querer uma classe de ativo ou outra. Esse ou é o que me mata. Mas a verdade é que, em todas as carteiras, a renda fixa e a renda variável convivem. Mas o que muda é o mix entre eles, que muda com o perfil e com o momento”, afirma.

Por que a renda fixa ainda é uma boa opção?

Segundo Hulisses Dias, analista da Planejar, a rentabilidade dos investimentos de renda fixa é alterada antes mesmo das decisões da política monetária. “A trajetória da renda fixa no curto e no médio prazo está altamente relacionada ao direcionamento que a Selic tem, mas os juros futuros são negociados como qualquer outro ativo”, afirma.

Por isso, a alteração na rentabilidade não acontece com a decisão do Copom, mas meses antes da reunião, através das expectativas do mercado, dos dados da economia e dos sinais das autoridades. Isso porque, quando se compra um ativo do Tesouro ou um CDB de curto, médio ou longo prazo, o rendimento deste investimento não é baseado totalmente na Selic de hoje, mas na que está prevista para o vencimento do título. 

“Então, quando a taxa básica de juros é elevada, mantida ou reduzida, ela reflete a algo que o mercado já negociava e previa”, explica.

+ Tesouro Selic: o que é e como funciona o título do Tesouro Direto

Por que a renda variável deve ganhar mais espaço?

Dias conta que Warren Buffett, o maior investidor pessoa física do mercado de ações americano, correlaciona o funcionamento da taxa de juros funciona com a lei da gravidade quando se fala do preço dos ativos da renda variável. E, se a gravidade diminui, as coisas ficam mais leves e alcançam patamares mais altos. 

“Empresas com mais endividamento e sensibilidade à atividade econômica vão responder se valorizando mais, enquanto as que têm uma estrutura financeira mais conservadora vão se beneficiar em menor escala”, afirma o Dias. 

Afinal, os juros básicos não mexem só com o CDI: todo tipo de crédito é alterado, inclusive o cedido às companhias da bolsa. Ao mesmo tempo, se o crédito está mais barato, a população tende a comprar mais, o que favorece os setores econômicos ligados ao consumo.

Como a renda fixa deve ser afetada pela Selic em 12,75%?

É importante lembrar que investimentos de renda fixa não são todos iguais. Portanto, quando há redução da taxa básica de juros, este tipo de ativo é afetado de diversas maneiras, afirma Alex Nery, professor da FIA Business School

“Para os títulos pré-fixados ocorre uma valorização dos seus preços no mercado, pois eles irão remunerar o investidor por uma taxa mais alta do que os novos títulos emitidos em um cenário de taxas de juros reduzidas. Portanto, os títulos pré-fixados existentes se valorizam, já que a demanda por eles aumenta e os investidores se mostram mais dispostos a pagar um valor maior no mercado secundário “, explica.

Já nos títulos pós-fixados, o efeito da redução da taxa de juros pode variar. “Para aqueles indexados ao CDI, por exemplo, há uma redução na rentabilidade dos novos títulos, pois com a Selic mais baixa, os novos ativos emitidos passarão a oferecer taxas de retorno também mais baixas”, afirma. 

Se um investidor comprar um novo título após a redução da taxa de juros, ele provavelmente receberá menos rendimentos em comparação com os títulos emitidos anteriormente. Para Nery, é natural esperar uma redução da demanda por esses títulos.

“Contudo, com a redução da Selic também é esperado um aumento da inflação. Em teoria, a redução da Selic pode estimular a demanda por crédito e aumentar os gastos públicos e privados, o que pode levar a pressões inflacionárias. Dessa forma, a expectativa é de aumento na demanda por títulos de renda fixa indexados à inflação”, diz o professor.

Mas as condições econômicas atuais permitem projetar uma redução tanto da Selic quanto do IPCA de maneira que não deve ocorrer, necessariamente, um aumento da demanda por títulos indexados à inflação, completa.

+ 3 mudanças econômicas que devem mexer com os investimentos no Brasil

Como a renda variável vai reagir à nova Selic?

Com a redução da Selic, é esperado um aumento do apetite por risco dos investidores. Na visão de Nery, a redução dos retornos dos investimentos de menor risco, como os títulos de renda fixa, faz com que os investidores fiquem mais dispostos a assumir riscos em busca de maiores retornos. 

“Isso pode impulsionar o mercado de ações. Contudo, é importante destacar que nem todos os setores reagem da mesma forma a uma redução na Selic. Setores que dependem fortemente de financiamento, como o imobiliário ou o de construção civil, por exemplo, podem ser particularmente beneficiados”, ressalta.

Para ele, os setores da bolsa que podem ser impactados positivamente com a redução da Selic, no curto prazo, são:

Setor imobiliário

A compra e venda de imóvel é particularmente sensível às mudanças no juro terminal no curto prazo, pois taxas reduzidas tornam os financiamentos imobiliários mais acessíveis, o que pode impulsionar a demanda por compra de imóveis e financiamentos para construção.

Construção Civil

As empresas deste ramo podem se beneficiar com a redução dos custos de financiamento para novos projetos e com a redução das taxas dos empréstimos para aquisição de materiais de construção mais reduzidos.

Bancos

As instituições financeiras podem ser afetadas diretamente, uma vez que suas margens de lucro em empréstimos podem ser comprimidas quando as taxas de juros caem. No entanto, eles também podem ganhar com um aumento na demanda por empréstimos e financiamentos.

Consumo Durável

Setores que atuam na comercialização de produtos de consumo durável, como eletrodomésticos e eletrônicos, podem observar um aumento nas suas vendas, na medida em que os consumidores tenham melhores condições para financiar suas compras diante de taxas de juros reduzidas.

Educação

Serviços educacionais, como cursos e treinamentos, podem ser financiados. Assim, diante de taxas de juros menores, pode ocorrer um aumento na demanda do setor.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.