Notícias

Copom reduz Selic em 0,50% e leva taxa a 12,75% ao ano; confira a repercussão do mercado

É a segunda vez que o comitê opta por reduzir a taxa em 0,50%. Antes disso, o juro básico passou quase um ano no nível dos 13,75%

Reunião do Copom, no BC: redução da taxa de juros

Por Guilherme Naldis

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) do Banco Central do Brasil (BCB) decidiu cortar a Selic, a taxa básica de juros do Brasil, em 0,50 ponto porcentual na reunião encerrada nesta quarta-feira, 20/09. Agora, o juro terminal está em 12,75% ao ano. 

É a segunda vez que o comitê opta por reduzir a taxa em 0,50%. Antes disso, o juro básico passou quase um ano no nível dos 13,75%.

A decisão atendeu às expectativas da maior parte do mercado, que já previa um corte neste encontro. Na última edição da pesquisa Focus do Banco Central, o mercado financeiro manteve a projeção de que 2023 deve encerrar com uma Selic a 11,75%.

Inflação controlada: como os Bancos Centrais definem a taxa de juros?

A decisão foi unânime entre os nove integrantes do colegiado. Seguindo o ritmo atual, o BCB disse que a próxima reunião do colegiado, marcada para 31/10 e 01/11, deve contar com um novo corte de 0,50%. 

Por que o Copom cortou a Selic de novo?

Na nota de anúncio da nova Selic, a autoridade monetária afirmou que a inflação observada entre a última reunião e esta se comportou como o esperado, ainda que se situe acima da meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

O Banco Central também destacou maior resiliência da atividade econômica do que anteriormente esperado. “Mas o Copom segue antecipando um cenário de desaceleração da economia nos próximos trimestre”, afirma a nota.

O comunicado reforçou que o comitê está determinado a não somente consolidar a desinflação, mas também ancorar as expectativas: “A conjuntura atual, caracterizada por um estágio do processo desinflacionário que tende a ser mais lento e por expectativas de inflação com reancoragem parcial, demanda serenidade e moderação na condução da política monetária”.

Inflação, deflação e desinflação: entenda as diferenças

Entre os riscos que podem reacender a inflação e tornar a elevar os juros, o BCB destaca:

  1. Uma persistência das pressões inflacionárias vindas do restante do mundo
  2. Uma resiliência na inflação de serviços maior que a projetada

Já os fatores que podem contribuir para a baixa inflacionária e acelerar o ritmo dos cortes são:

  1. Uma desaceleração da atividade econômica global maior que a prevista
  2. Um impacto do aperto monetário sobre a desinflação global mais forte do que o esperado.

Brasil deixa a liderança mundial de juros reais 

Com a nova baixa da Selic, o Brasil não é mais o líder global no ranking da Money/You de juros reais – aqueles que descontam a inflação e são alvos das críticas de políticos e empresários.

O Brasil ocupou o posto ininterruptamente desde maio de 2022, quando a Selic, ainda no ciclo de alta, chegou justamente ao mesmo patamar adotado hoje, de acordo com informações da Agência Estado. 

Segundo levantamento do site com 40 economias, o Brasil passa a ter uma taxa de juro real de 6,40% e agora figura entre os campeões do mundo atrás do México (6,61%). Em terceiro lugar aparece a Colômbia, com 5,10%.

Recepção do mercado a decisão do Copom

O BCB ressaltou, sutilmente, a necessidade de se perseguir as metas fiscais, segundo Étore Sanchez, economista-chefe da Ativa Investimentos, a fim de manter o bom curso da política monetária sem maiores pesares.

“Isso tornou o Comunicado ligeiramente mais hawkish, pois, mesmo não sendo explícito, pode ser interpretado como mais um condicionante para o Copom acelerar o ritmo de cortes de juros à frente”, afirma João Savignon, head de pesquisa macroeconômica da Kínitro Capital.

Matheus Spiess, analista da Empiricus Research, afirma que, assim como o ocorrido no FOMC, a reunião do Federal Reserve que definiu os juros dos EUA mais cedo, “pouco importava a decisão, que já estava antecipada”. Para ele, o que estava em jogo era o tom do comunicado. “Assim como lá, nós vemos certas curvaturas mais conservadoras por parte da autoridade monetária”, afirma.

O comunicado manteve o mesmo teor, indicando a continuidade da queda nas próximas reuniões, avaliou André Nunes, economista-chefe do Sicredi. “Acreditamos que alguns pontos importantes para a leitura do cenário atual, com a dinâmica da inflação de serviços e a projeção para a desaceleração do PIB, devem ser abordados com mais detalhes na ata que sairá na próxima semana”, disse.

“A queda dos núcleos sugere que a insistência do BC em manter sua política austera por mais tempo parece ter sido exitosa. Dessa maneira, a decisão de hoje nos parece bastante acertada”, avaliou Alexandre Espirito Santo, economista-chefe da Órama.

O comunicado contou com algumas preocupações novas por parte do Banco Central, segundo Jayme Carvalho, economista-chefe da SuperRico. “Principalmente com aumento do combustível e do petróleo globalmente, o que não estava no cenário anterior”, destaca.

Para saber mais sobre a economia mundial após a pandemia, não deixe de ver o vídeo preparado pela B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.