Notícias

7 fatos ou frases que resumem o mercado financeiro na última semana

Juros no Brasil e EUA foram o foco da última semana, que também teve a venda do Credit Suisse, as preocupações com o Deutsche Bank e o plano de recuperação da Americanas; relembre

Banco Credit Suisse. Foto: Divulgação Twitter/@CreditSuisse
As ações do segundo maior banco da Suíça despencavam mais de 50% nesta segunda-feira, 20/03. Foto: Divulgação Twitter/@CreditSuisse

Por Redação B3 Bora Investir

Turbulências. Juros. Inflação. Crédito. Copom. Fed. Bancos. As sete palavras definem a semana que começou com um ar de austeridade, diante da compra do Credit Suisse pelo UBS, e terminou com o chanceler alemão, Olaf Scholz, ‘abafando o caso’ da queda nas ações do Deutsche Bank

No meio do caminho estava o Federal Reserve que deu de ombros para a crise bancária e elevou os juros americanos mais uma vez. No Brasil, o Copom manteve a Selic em 13,75% ao ano e elevou a tensão com o governo. 

A regra fiscal, que poderia ser apresentada nesta semana, ficou para depois que o presidente voltar da China. Enquanto isso, a concessão de crédito segue estagnada, prejudicada pelo aumento da inadimplência e da crise dos bancos e Americanas. Aliás, a recuperação judicial da varejista andou em mais um capítulo da crise no varejo do país.

O B3 Bora Investir traz os 7 fatos ou frases que marcaram a semana. Acompanhe:

1. “EU CONSIDEREI O COMUNICADO PREOCUPANTE, MUITO PREOCUPANTE”

(Fernando Haddad, ministro da Fazenda)

A frase, dita na quarta-feira por Fernando Haddad, marcou a semana que teve como foco a decisão da política monetária brasileira. O Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, manteve a taxa básica de juros, a Selic, no patamar atual de 13,75%.

Diante da decisão, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou que a história julgará a decisão do Banco Central. Disse ainda que a medida “não tem explicação nenhuma no mundo” e que o presidente do BC, Roberto Campos Neto, “tem que cumprir a lei”. A declaração levou a Bolsa do Brasil (B3) para baixo dos 100 mil pontos, menor nível desde julho do ano passado.

Os investidores também ficaram frustrados com a decisão do presidente Lula de apresentar as novas regras fiscais apenas depois de retornar da viagem que fará à China.

2. SELIC SEGUE EM 13,75%, O QUE FAZER COM OS INVESTIMENTOS?

A pergunta foi respondida por economistas ouvidos pelo B3 Bora Investir. Segundo os analistas, com a Selic alta a renda fixa continua mais interessante que a renda variável, já que muitos dos investimentos deste tipo se baseiam no piso de juros.

O Bora também fez a conta: quanto rende R$ 1 mil na poupança, Tesouro Selic e CDBs com a Selic em 13,75%? E ajudou o investidor a fazer cálculos financeiros de forma simples e rápida com a Calculadora do Investidor, criada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

3. AMERICANAS ENTREGA PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

A semana também foi marcada por um mais capítulo da série Americanas – o rombo de R$ 43 bilhões. A varejista entregou à Justiça o seu plano de recuperação judicial no limite do prazo.  

O plano prevê um aumento de capital no valor de R$ 10 bilhões a ser feito pelos acionistas de referência, Marcel Telles, Beto Sicupira e Jorge Paulo Lemann, que são sócios da 3G Capital. Além de um conjunto de condições para o pagamento dos credores que foi dividido em várias propostas que precisam ser aprovadas para que a recuperação consiga avançar.

4. JUROS VOLTAM A SUBIR NOS EUA: “AS PRESSÕES INFLACIONÁRIAS CONTINUAM ALTAS”

(Jerome Powell, presidente do Federal Reserve)

A inflação ainda longe da meta de 2% nos Estados Unidos foi uma das explicações dada pelo presidente do banco central americano para elevar a taxa básica de juros em 0,25 ponto percentual – para o intervalo entre 4,75% e 5%.

Jerome Powell afirmou que está empenhado em aprender lições em relação ao episódio envolvendo os bancos. Disse ainda que os programas do BC americano, o Fed, estão “atendendo efetivamente” às necessidades de liquidez e que os formuladores de políticas monitoram de perto a situação. 

O mais novo aperto na política monetária americana levou os juros para o maior valor desde setembro de 2007 e veio em meio a uma crise bancária que ainda abala os mercados globais. 

5. UBS BANK COMPRA CREDIT SUISSE 

A semana de turbulência no mercado financeiro mundial começou no domingo passado, com o anúncio da venda do Credit Suisse para o rival UBS Bank. O valor da transação foi de 3 bilhões de francos suíços, o equivalente a US$ 3,25 bilhões. 

Na segunda, o efeito da compra foi avaliado pelos investidores que digeriram bem a solução encontrada pelas autoridades suíças. No entanto, as preocupações se voltam ao anúncio de que os títulos de maior risco do banco – que somam US$ 17 bilhões – perderam todo o seu valor.

6. PREOCUPAÇÕES COM O DEUTSCHE BANK VOLTAM A TURVAR O SETOR BANCÁRIO

Na sexta-feira, que se encaminhava para um fim de semana tranquilo, veio o baque das ações do Deutsche Bank diante da preocupação dos investidores de que a crise bancária possa gerar uma nova onda de aversão a risco nos ativos financeiros globais.

O chanceler alemão, Olaf Scholz, precisou ir a público apaziguar os ânimos e disse que não há motivo para preocupação com o Deutsche Bank. O estrago, no entanto, já estava feito com as ações negociadas com forte desvalorização

7. CRISE DE CRÉDITO: COMO AFETA A ECONOMIA E OS INVESTIMENTOS

Diante das turbulências enfrentadas pelos bancos nos Estados Unidos e na Europa, além do caso da Americanas no Brasil, a expressão ‘crise de crédito’ (ou credit crunch, em inglês) ganhou destaque no planeta.

O termo, usado quando há uma situação econômica que leva os bancos a diminuir a oferta de crédito, também tem a ver com o alto patamar da inadimplência no Brasil. 

Para ajudar a ajustar os gastos e evitar dívidas, o Bora ouviu o diretor executivo de estudos e pesquisas da ANEFAC (entidade que reúne executivos de finanças e economia), Miguel José Ribeiro de Oliveira.

Quer saber mais sobre investimentos e finanças? Acesse os conteúdos gratuitos do Hub de Educação Financeira da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias