Imposto de renda

Como declarar ETFs no Imposto de Renda 2023?

Entenda as regras de tributação de ETFs e como declará-los no Imposto de Renda em 2023

ETF. Foto: Adobe Stock
O tipo de investimento é uma opção para quem quer investir em ativos do exterior. Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

Os fundos de índice, conhecidos como ETFs (Exchange Traded Funds, em inglês) são indicados para quem busca diversificar investimentos e obter maiores retornos. Mas, por serem diversos, seus regimes de tributação variam e podem exigir que sejam declarados de forma diferente no Imposto de Renda 2023.

Existem dois tipos de ETFs: os de renda fixa, que replicam índices associados a títulos da dívida pública de países ou de crédito corporativo. Já os de renda variável reproduzem o desempenho de índices de ações listadas em bolsa de valores.

ETF: tudo o que você precisa saber antes de investir

Qual é a tributação para ETFs de renda fixa?

O imposto que incide sobre os fundos de renda fixa é retido, diretamente, na fonte. Ou seja: quando o investimento for resgatado, os rendimentos da aplicação forem pagos ou o ativo for vendido no mercado secundário, o saldo já terá sua alíquota descontada. 

Tanto na renda fixa quanto na renda variável o Imposto de Renda incide somente sobre o lucro das aplicações, e não sobre o montante investido. Portanto, no caso dos produtos de renda fixa, é preciso informar a posse e os rendimentos desse ETF na declaração.

BDR de ETF de renda fixa: aprenda a investir no novo queridinho das carteiras

Este tipo de ETF segue a tabela progressiva do IR. Ou seja, você pagará menos tributos à medida que aplicar no ativo por mais tempo.

Qual é a tributação para ETFs de renda variável?

Para os fundos de índice que têm como referência ações listadas na bolsas de valores, a tributação é mais simples.

Quem investiu neste tipo de ativo deverá pagar 15% sobre o lucro apurado em operações de swing trade e de 20% para operações de day trade, independentemente do prazo da aplicação. O cálculo da cobrança e o pagamento do imposto deve ser feito pelo próprio operador do papel, que precisará emitir um Darf. O prazo para o pagamento é o último dia do mês seguinte ao da operação que teve lucro.

Como gerar o DARF e quando emitir: tire todas suas dúvidas

Assim como no mercado acionário, a venda de um ETF resultará na retenção de 0,005% do valor vendido na forma de imposto. Este valor poderá ser deduzido de ganhos líquidos dos meses seguintes. Se a operação acontecer dentro do mesmo dia, a retenção é de 1%, seguindo as mesmas regras 

Ao contrário do que acontece com ações, não há isenção de IR para vendas abaixo de R$ 20 mil. Todo o lucro com a venda de cotas de ETF é tributado. Depois da emissão do Darf, será necessário declarar a posse e os rendimentos da cota do fundo, assim como nas aplicações de renda fixa.

Passo a passo para fazer a declaração de ETFs

Veja abaixo o passo a passo para declarar um ETF à Receita Federal:

  1. Abra o programa gerador do IR
  2. Acesse a ficha “Bens e Direitos” 
  3. Selecione o grupo 07, “Fundos”
  4. Clique no código 09, “Demais Fundos de Índice de Mercado (ETFs)” 
  5. Aperte o botão “novo”;

Em seguida, será necessário declarar cotas e rendimentos da aplicação separadamente.

Imposto de Renda: veja quais documentos são necessários para declarar 

Como declarar cotas de ETF no Imposto de Renda?

Para declarar cotas, depois de realizar os passos acima, você deve:

  1. Informar o CNPJ da corretora ou banco administrador do seu ETF;
  2. Descrever os dados do ativo no seguinte padrão:
    • “ETF – Nome do ETF – Número de cotas”;
  3. Somar o valor de aquisição do seu ETF considerando os custos de corretagem e valor das cotas
  4. Inserir o resultado em ‘Situação em 31/12/21’ e ‘31/12/22′
    • Se, em 2021 você não tinha esse tipo de ativo, deixe o campo em branco

Como declarar day trade no Imposto de Renda? Confira com o Bora!

Como declarar rendimento de ETF no Imposto de Renda?

Em seguida, será necessário declarar os resultados obtidos nas operações, que incluem lucros e prejuízos mensais de cada um dos ETFs da sua carteira. Cada investimento tem uma alíquota diferente, então é preciso distinguir as operações comuns das de day trade na descrição do ativo.

Para declarar rendimentos, você precisa:

  1. Acessar a ficha ‘Bens e direitos’;
  2. Escolher a linha 06, ‘Rendimentos de Aplicações Financeiras’;
  3. Selecionar a ficha ‘Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva’
  4. Informar o CNPJ e nome da fonte pagadora do ETF segundo o relatório de rendimentos obtido pela instituição custodiante do investimento

Já para declarar lucros e prejuízos, basta:

  1. Acessar a ficha ‘Renda Variável’;
  2. Selecionar a opção ‘Operações Comuns/Day trade’
  3. Clicar em ‘Mercado à vista – Ações’ 
  4. Preencher os meses no qual vendeu ETFs, indicando lucro ou prejuízo, conforme descrito no informe de rendimentos
  5. Acessar o quadro Consolidação do Mês de cada mês do ano de referência 
  6. Preencher os campos de retenção do imposto na fonte e o valor da tributação paga por Darf para abater estes valores
    • Caso haja prejuízo com algum dos ETFs da sua carteira, é possível abater o valor do lucro obtido em outro mês

Para saber ainda mais sobre investimentos e educação financeira, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.