Investir melhor

Selic em 13,75%: quais as expectativas para a taxa básica de juros em 2023?

Analistas esperam redução nos juros só no 2º semestre. Cenários de incertezas fiscais no Brasil e de inflação global elevada impactam na expectativa da Selic em 2023.

Mão segurando bloco de madeira
O investidor deve avaliar quais são as melhores alternativas para destinar seu dinheiro.

Por Redação B3 Bora Investir

Para entender como a taxa básica de juros chegou a 13,75% em 2022 e para onde a Selic pode chegar em 2023, precisamos voltar no tempo e contextualizar essa escalada que começou em 2021. A sequência de avanços teve início após a pandemia alavancar a inflação – diante da maior demanda com os auxílios emergenciais, os choques de oferta global com a falta de componentes e os choques climáticos que levaram a oferta de alimentos para baixo e os preços da energia elétrica para cima.

Em março de 2021, o Banco Central do Brasil (BC) iniciou o aperto monetário, ou seja, o processo de aumento dos juros. De lá para cá a Selic saiu de 2% ao ano – valor mais baixo da história – para 13,75% ao ano – maior patamar em seis anos.

Taxa básica de juros Selic

Em 2022, a inflação no país começou a desacelerar em grande parte pelo efeito da política monetária. A limitação pelo governo federal da cobrança do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre os combustíveis e energia elétrica também ajudou a conter o ritmo de alta. No entanto, a guerra na Ucrânia impactou o Brasil e o mundo com o avanço no preço das commodities – como petróleo, trigo, e milho – e a alta do dólar. De um lado temos a Rússia um dos maiores produtores de petróleo, gás natural e fertilizantes. Do outro a Ucrânia importante produtor e exportador global de trigo.

+ Retrospectiva 2022: juros, inflação e descontrole nos gastos marcam ano

Cenário econômico do Brasil

O economista-chefe do banco Master, Paulo Gala, explica que com um cenário de inflação global alta e incertezas a respeito da condução da política fiscal pelo novo governo, a perspectiva para 2023 é de que os juros não caiam tão cedo no Brasil.

“Os cortes só devem acontecer a partir do segundo semestre de 2023 – com a Selic terminando o ano em 11,75%. Esses cortes estão condicionados a uma nova regra fiscal adequada para o Brasil e a queda da inflação que dependerá muito do preço do petróleo e dos alimentos. Em relação ao acréscimo de despesas temos a PEC da Transição em torno de R$150 bilhões”, explica. 

A nova regra fiscal citada pelo economista é a que vai substituir o atual modelo do teto de gastos – que impede que os gastos federais cresçam mais que a inflação. Segundo texto aprovado pelos parlamentares, o governo eleito tem até agosto de 2023 para encaminhar ao Congresso Nacional uma nova âncora fiscal. O limite foi criado em 2016 na gestão do ex-presidente Michel Temer (MDB)

Já a Pec da Transição dá margem no orçamento de 2023 para que o novo governo consiga pagar a partir de janeiro a parcela de R$ 600 mensais do Bolsa Família, mais R$ 150 por criança de até seis anos. O impacto da proposta é de R$ 168 bilhões por ano, sendo R$ 145 bilhões para pagar o Bolsa Família fora do teto de gastos; e mais um valor limite de R$ 23 bilhões para investimentos, resultado de excesso de arrecadação, que também seguirá fora do teto. 

Cenário econômico internacional

O Federal Reserve (Fed) – banco central dos Estados Unidos – voltou a subir os juros na sua última reunião de 2022 que aconteceu em dezembro. No entanto, houve uma perda de ritmo nesse avanço, como esperado pelo mercado. Essa decisão impacta a nossa política monetária. 

A escalada da taxa impacta os ativos brasileiros que ficam menos atraentes para os investidores estrangeiros – que passam a aplicar em papéis do Tesouro americano de baixíssimo risco. O maior volume de investimento por lá valoriza o dólar em relação a outras moedas, especialmente a de países emergentes. Com menos investimentos no Brasil, entram menos dólares na nossa economia e a moeda americana se valoriza. O dólar mais alto encarece produtos importados, commodities e equipamentos de alta tecnologia – o que pressiona a inflação.

O exemplo mais clássico dessa combinação de dólar e inflação em patamares elevados são os preços dos combustíveis. A política da Petrobras é atrelada à moeda americana. Quando o dólar sobe, o valor da comoditie se valoriza e os valores dos derivados de petróleo – como a gasolina e o diesel – sobem. 

“Uma interrupção do ciclo de alta de juros nos Estados Unidos pode ajudar bastante o Brasil. Se a taxa parar em menos de 5% já no início do ano, podemos ver quedas mais fortes nas taxas brasileiras e apreciação do Real. Se os juros forem acima de 5%, a situação fica mais complicada no mundo emergente e no Brasil com taxas de juros longas mais pressionadas”, explica Paulo Gala.

Os Estados Unidos também começam a se preparar para uma recessão econômica em 2023 – reflexo do aumento dos juros e de outras variáveis internacionais como a desaceleração na Europa e na China. Essas questões também impactam o Brasil – já que esses países são importantes parceiros comerciais. Os chineses, por exemplo, são os maiores. Importante lembrar que o país asiático começou recentemente a derrubar as fortes restrições da política de ‘Covid-Zero’ – o que pode ajudar o comércio mundial.

+ Quais são os sinais de uma recessão mundial?

Para o economista-chefe do banco Master, a inflação deve ceder com a normalização das cadeias de comércio mundial. 

“A inflação deve ceder para menos de 5% no ano que vem com queda de preços do petróleo e normalização das cadeias globais de comércio. O preço dos alimentos também está cedendo no mundo e isso deve contribuir para essa queda”, afirma.   

Crédito e Inadimplência

O aumento dos juros por mais tempo em 2023 também deve impactar as concessões de crédito, uma vez que as taxas reais mais altas do mundo – que são as brasileiras – inibem os investimentos em produção e impactam o consumo. A desaceleração da economia, que se iniciou no terceiro trimestre de 2022, se soma a essa política monetária mais restritiva e traz consequências para a economia. 

Um outro ponto destacado pelos economistas, como efeito negativo dos juros altos na economia real, é a inadimplência – que já está em patamar recorde. Segundo os últimos dados da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) o número de pessoas que atrasaram o pagamento de contas de consumo ou de dívidas atingiu 30% do total de famílias no país. É o maior valor da série histórica que começou em 2010. 

Nos 12 meses até setembro, o indicador de dívidas atrasadas cresceu 4,5%, a maior taxa anual desde março de 2016. Segundo Paulo Gala, a inadimplência deve piorar ainda mais em 2023. 

“O crédito deve ter expansão menor do que em 2021 e 2022 e a inadimplência deve piorar. A construção civil, por exemplo, cresceu em 2022 cerca de 7% e em 2023 só deve crescer 2,5% graças a forte alta do custo do crédito imobiliário”, completa.

Quer começar a investir ou planejar como proteger seus investimentos com decisões mais acertadas? Aprenda tudo sobre finanças pessoais com os conteúdos e cursos gratuitos do Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.