Notícias

Relembre a semana em 7 fatos ou frases que marcaram o mercado financeiro

De PIB da China acima do esperado a arcabouço fiscal entregue ao Congresso. Semana teve ainda governo enrolado com impostos de compras internacionais e pacote para o crédito.

Congresso. Foto: Roque de Sá/Agência Brasil
O novo arcabouço fiscal tem no aumento da arrecadação do governo um dos principais pilares para sua viabilização. Foto: Roque de Sá/Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

A semana curta foi de fortes emoções para a economia global com o crescimento de 4,5% no 1º trimestre do PIB da China – acima do esperado pelo mercado, mas aquém das previsões do governo chinês. Se pelo lado da economia a China se recuperou do baque da Covid, por outro deve perder espaço populacional para a Índia, segundo a ONU.

No Brasil, a última batalha da ‘guerra das blusinhas’ terminou com o governo rendido. O ministro Haddad confirmou que não pretende mais acabar com a norma que isenta transações internacionais avaliadas em até US$ 50 e feitas entre pessoas físicas. Um acordo de paz foi selado com a varejista ‘Shein’ que disse planeja nacionalizar 85% das vendas em até quatro anos. 

O arcabouço fiscal foi entregue ao Congresso e já tem relator. O deputado Cláudio Cajado (PP-BA) assumiu as ‘pick-ups’ com a promessa do presidente da Câmara, Arthur Lira, de que o projeto será votado até 10 de maio. Ainda no campo minado de Brasília, Campos Neto do BC falou do impacto do crédito direcionado nos juros e o governo lançou um pacote para destravar o acesso ao crédito, reduzir as taxas de juros e estimular investimentos no país

Nas finanças, tivemos dicas para investir na renda fixa e variável, além de como declarar a caderneta de poupança no Imposto de Renda. Relembre, a seguir, os principais fatos e frases que marcaram a semana.

1. “A DEMANDA DOMÉSTICA INSUFICIENTE FAZ COM QUE A BASE PARA A RECUPERAÇÃO ECONÔMICA AINDA NÃO SEJA SÓLIDA”. (Fu Linghui, porta-voz do Departamento Nacional de Estatísticas da China)

O crescimento de 4,5% do Produto Interno Bruto (PIB) da China no 1º trimestre deste ano parece que só agradou o mercado e os grandes exportadores de produtos para a segunda maior economia do país. A declaração do porta-voz das estatísticas chinesas mostrou que o governo de Xi Jinping quer mais crescimento, já que o país espera avançar 5% em 2023.

A melhora do resultado chinês foi puxada pelas vendas do varejo que dispararam 10,6% em março, na comparação com o mesmo mês do ano anterior, o que impulsionou o PIB. O resultado veio bem acima dos 7,9% previsto pelos analistas.

Se pelo lado do PIB a segunda maior economia do mundo é imbatível, nesta semana a Organização das Nações Unidas (ONU) publicou um estudo no qual aponta que a Índia vai ultrapassar a China como o país mais populoso do mundo na metade do ano. Segundo o UNFPA (sigla em inglês para Fundo de População das Nações Unidas), o número de indianos pode chegar a 1.429 bilhão, contra 1.426 bilhão de chineses. A diferença será de quase 3 milhões de pessoas.

Em uma reportagem de essencial leitura, a equipe da Bloomberg mostrou que a Índia precisa mais do que população para superar PIB da China. Dentre os principais pontos de atenção estão urbanização, infraestrutura, qualificação e ampliação de sua força de trabalho e expansão da manufatura.

2. GOVERNO FICOU ‘SHEIN’ SAÍDA

O trocadilho infame caiu como uma luva para o ‘barata voa’ da semana no governo. O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, confirmou que não pretende mais acabar com a regra que isenta transações internacionais avaliadas em até US$ 50 e feitas entre pessoas físicas. A intenção de taxar esse comércio tinha sido anunciada pela equipe econômica e pela Receita Federal, na semana passada.

Segundo Haddad, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pediu o recuo, após forte reação contrária à medida. O B3 Bora Investir mostrou no resumo da semana passada que até a primeira-dama, Janja Lula da Silva, precisou ir às redes sociais tentar abafar a repercussão negativa

O economista do Insper, Pedro Menezes, fez o melhor resumo sobre esse imbróglio que tragou a equipe econômica do governo para um desgaste de comunicação desnecessário. Em publicação no Twitter, o especialista resumiu: “A política econômica e a estratégia de comunicação do governo se submeteram à gestão de imagem da primeira-dama. (…) Não me lembro de um caso minimamente parecido envolvendo outra primeira dama. Isso não é normal”.

A semana terminou com o ministro Haddad dizendo que a plataforma de varejo Shein pretende nacionalizar 85% das vendas em até quatro anos. “Os produtos serão feitos no Brasil”. A plataforma ainda se comprometeu a aderir ao plano de conformidade da Receita Federal. “Se a regra valer pra todo mundo, eles absorverão os custos dessa conformidade, não repassarão.”

3. GOVERNO ENTREGA NOVO ARCABOUÇO FISCAL AO CONGRESSO

Depois de semanas de ajustes e discussões, o governo federal entregou ao Congresso Nacional o projeto de lei complementar do novo arcabouço fiscal que, se aprovado, vai substituir o teto de gastos. Segundo o Ministro da Fazenda, a nova âncora fiscal vai permitir que o país cresça com sustentabilidade fiscal e social.

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), escolheu o deputado Cláudio Cajado (PP-BA), do seu partido, como relator da proposta na Câmara. Lira afirmou que o texto deve ser votado na Casa até 10 de maio. A aprovação das novas regras fiscais são essenciais para as contas do governo. Em 2024, por exemplo, R$ 172 bilhões de despesas estão condicionadas à aprovação no novo arcabouço, segundo o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO).

+ Divulgação de resultados: confira o calendário de balanços das empresas do Ibovespa

4. “É UMA BATERIA DE MEDIDAS DE FOMENTAR CRÉDITO E INVESTIMENTO, DANDO MAIS SEGURANÇA JURÍDICA E FINANCEIRA” (Rogério Ceron, secretário do Tesouro Nacional)

Em meio à oferta de crédito escassa e problemas financeiros graves que afetam diversas famílias e empresas brasileiras, o governo lançou um pacote de medidas para destravar o acesso ao crédito, reduzir as taxas de juros e estimular investimentos no país

As ações foram divididas em três eixos: crédito bancário, mercado de capitais e seguros. Dentre os principais destaques estão:

  • a regulamentação da Lei do Superendividamento – para aumentar o valor mínimo que deve ser preservado para o consumidor na negociação de dívidas, de R$ 303 para R$ 600;
  • a possibilidade do Tesouro Nacional dar garantias em operações de crédito para viabilizar Parcerias Público-Privadas (PPPs) nos estados e municípios. 

Segundo reportagem do jornal ‘O Globo’, com as medidas anunciadas nesta semana, o governo federal pretende destravar 157 projetos de parcerias público-privadas (PPPs) nos estados e municípios. Destes, 27 são em saneamento e 10 são de educação.

5. A CRISE NO CRÉDITO E O IMPACTO NOS JUROS

Em uma entrevista especial nesta semana, o B3 Bora Investir conversou com a Vivian Lee, sócia, co-CIO e gestora da estratégia de crédito da Ibiuna Investimentos. Para a especialista, a crise de crédito no país deve se intensificar

Segundo o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, entre os problemas que geram juros altos no país, está o alto volume do chamado crédito direcionado, linhas de empréstimos com taxas menores por conta de subsídios. Para explicar a relação, Campos Neto usou uma metáfora inusitada.

“No crédito direcionado, a gente pode fazer a análise do cinema que vende a meia-entrada. Se eu vendo muita meia-entrada e quero ter o mesmo lucro, a entrada inteira eu tenho que subir o preço. O crédito funciona um pouco assim”.

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, não gostou da fala do presidente do BC e rebateu dizendo que essa lógica só beneficia parte da população que já está ganhando. “Facilitar acesso à casa própria é um problema pra ele, que só pensa no lucro dos rentistas”, disse.

6. O MERCADO FRACIONADO E O TESTE DA RENDA FIXA

Duas reportagens do B3 Bora Investir ajudaram os brasileiros a investir melhor na renda variável e fixa. Na primeira falamos sobre mercado fracionário – uma das iniciativas da B3, a Bolsa de Valores do Brasil, para facilitar o acesso ao mercado de capitais. Na segunda, selecionamos as cinco perguntas essenciais que todo investidor deve responder antes de iniciar uma nova posição em renda fixa.

No mercado fracionado, é possível comprar ações de empresas de maneira unitária em vez dos lotes oferecidos pelo mercado à vista. O processo é feito pelo home broker, da mesma fora que a compra de um lote. 

Já na renda fixa, mostramos a maior conscientização dos brasileiros de que é necessário proteger patrimônio e assegurar investimentos. Ainda mais quando os juros referenciais – que é a rentabilidade desse tipo de aplicação – estão próximos da taxa básica de juros do Brasil, a Selic, que está em 13,75%.

7. IR: POUPANÇA E APOSENTADORIA

As dicas para declarar tudo direitinho no Imposto de Renda, não poderiam ficar de fora do nosso resumo da semana. Desta vez o B3 Bora Investir explicou como deve ser feita a declaração dos valores que estão na caderneta de poupança.  

A poupança, assim como outras aplicações de renda fixa, é isenta de pagamento de Imposto de Renda tanto sobre o montante aplicado quanto sobre seus rendimentos. No entanto, é necessário declarar quando o valor aplicado exceder R$ 140.

Outras dicas foram para as pessoas aposentadas que precisam declarar seus impostos. Está obrigado a declarar a aposentadoria no IRPF 2023 todo beneficiário que recebeu mais de R$ 24.403,11 por ano ou R$ 1.903,98 por mês.

Quer entender tudo sobre o mercado de ações e como as empresas da bolsa funcionam? Acesse gratuitamente o Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias