Notícias

7 fatos e frases da primeira semana de agosto que resumem a economia e o mercado

Queda da Selic no Brasil e da nota de crédito dos EUA impactaram a semana, que teve ainda dividendos da Petrobras, Tesouro educação, cultura pop e cuidados para renegociar dívidas

Reunião do Copom, no BC: redução da taxa de juros

Por Redação B3 Bora Investir

O alívio tomou conta dos brasileiros, governo e analistas após o anúncio do Banco Central de queda da taxa básica de juros. 

O patamar da Selic, em 13,25%, ainda é alto para trazer alguma melhora de crédito ou consumo para a população. Entretanto, é um início de desaperto – já que mais baixas de 0,5 ponto percentual estão contratadas até o fim do ano.

Nos Estados Unidos, o noticiário não foi nada bom. O Fitch reduziu a nota de crédito do país, diante da crescente dívida do governo. O mercado amargou perdas e o dólar escalou forte frente as moedas de países emergentes. 

No cenário financeiro, a Petrobras anunciou o pagamento de dividendos em 2023 – bem abaixo do ano passado – resultado da sua nova política de distribuição dos lucros e do balanço ruim no 2º trimestre.

Nas finanças, o Tesouro em parceria com a B3 lançou um título que vai ajudar os pais a pagarem os estudos dos filhos. Falamos também do impacto da cultura pop no mercado, o reajuste dos streamings e os cuidados ao renegociar as dívidas. 

Relembre, a seguir, os principais fatos e frases que marcaram a semana:

1) SELIC CAIU 0,5 P.P. PARA 13,25% A.A: “O PAÍS ACORDOU MAIS ALIVIADO”, Fernando Haddad, ministro da Fazenda

A primeira semana de agosto foi marcada pelo início da flexibilização monetária, promovida pelo primeiro corte na taxa básica de juros em três anos. A medida foi comemorada pelo governo e era muito esperada pelo mercado.

O Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, reduziu a Selic em 0,5 ponto percentual, para 13,25% ao ano. Pesou para a decisão, a melhora do quadro inflacionário, aliada à queda das expectativas para prazos mais longos.

Apesar do resultado não ter sido unânime, foi importante observar que o presidente do BC, Roberto Campos Neto, seguiu os votos dos dois indicados do governo, Gabriel Galípolo e Ailton de Aquino.

Em artigo publicado, a premiada revista britânica The Economist ressaltou o sentimento mais otimista de investidores internacionais com o país. A reportagem classificou Fernando Haddad, como um “eficiente ministro da Fazenda”.

A Selic influencia as taxas de juros do país – como as cobradas em empréstimos, financiamentos e o retorno de algumas aplicações financeiras. Portanto, sua redução tem um impacto forte no médio e longo prazo na vida dos brasileiros.  

O B3 Bora Investir mostrou em diversas reportagens os principais impactos de uma Selic que começou a baixar. 

2) FICTH REBAIXA NOTA DE CRÉDITO DOS EUA: AAA PARA AA+

No cenário internacional, o destaque foi o rebaixamento pela Fitch da nota de crédito dos Estados Unidos de AAA para AA+, com perspectiva estável.

A piora reflete a deterioração fiscal do país esperada para os próximos três anos, assim como a crescente dívida do governo geral. O mercado financeiro não gostou e registrou pregões em queda durante a semana.

A decisão foi criticada pelo governo americano. A secretária do Tesouro, Janet Yellen, disse que a atividade econômica dos EUA teve uma rápida recuperação desde a saída da pandemia, permanecendo forte e resiliente.

A Fitch se juntou à S&P Global ao retirar os três “As” da maior economia do mundo, que ainda tem a melhor classificação de risco pela Moody´s. Para os analistas, o rebaixamento pode pesar no sentimento por risco no curto prazo, mas não deve ter efeitos duradouros ou muito profundos sobre o mercado de Treasuries (dívida) do governo americano.

Na semana passada, a Fitch melhorou a nota do Brasil (que ainda segue no grau especulativo). Enquanto o governo dos EUA tem problemas com a governança fiscal, o brasileiro tem se esforçado em garantir seus compromissos financeiros e apresentado bons resultados fiscais.

Já o ponto em comum, neste momento, em relação a economia dos dois países é a desaceleração dos serviços. O índice que mede como está o setor, o chamado PMI, atingiu patamar mais baixo em cinco meses no Brasil. Nos EUA, os serviços estão em acomodação.

3) PETROBRAS VAI PAGAR R$ 14,9 BI EM DIVIDENDOS, MESMO COM QUEDA NO LUCRO

Na semana que passou, a Petrobras anunciou o pagamento de R$ 14,9 bilhões aos acionistas, mesmo após a estatal registrar queda de 47% no lucro líquido do 2º trimestre, em relação ao do ano anterior. 

O valor é 39% inferior aos R$ 87,8 bilhões pagos no mesmo período de 2022 e reflete a nova política de dividendos da estatal, também anunciada na semana passada. 

Pelo lado do balanço da companhia, a queda no lucro foi puxada pela desvalorização do petróleo tipo Brent, queda de 40% nos ‘crack spreads’ internacionais do diesel e maiores despesas operacionais.

A Petrobras também esteve no foco do mercado nesta semana por outros dois fatores:

1º) As declarações do ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, de que a estatal deve reajustar os preços dos combustíveis no país em caso de oscilação para cima no mercado externo; e

2º) O novo recorde mensal na produção de petróleo e gás natural. Em junho, o país produziu um total de 4,324 milhões de barris de óleo equivalente por dia, segundo a ANP. O valor superou o recorde anterior, de fevereiro de 2023.

A temporada de balanços do 2º trimestre continua nas próximas semanas. O B3 Bora Investir fez um calendário com os principais. E discutimos também quanto custa para fazer um IPO na bolsa e como as empresas se preparam.

4) TESOURO LANÇA TÍTULO VOLTADO À EDUCAÇÃO DOS MAIS JOVENS

A semana também foi marcada pelo lançamento na B3 do Tesouro Educa+, da Secretaria do Tesouro Nacional em parceria com a bolsa.

O novo título do Tesouro Direto é um auxílio para os brasileiros conquistarem uma renda complementar para custear estudos, tanto do ensino superior quanto médio, especialização ou cursinho pré-vestibular.

O Tesouro também disponibilizou um simulador que permite fazer essa e outras contas para o investidor escolher o melhor título para garantir os estudos dos filhos. 

5) O QUE A CULTURA POP E O MERCADO TEM EM COMUM?

Essa foi a pergunta respondida por esta reportagem do B3 Bora Investir. Três personagens femininas estão entre os maiores destaques do ano econômico. 

1. Beyoncé – que elevou a inflação na Suécia ao realizar no país um show da sua primeira turnê solo em sete anos;

2. Taylor Swift – a cantora deu um gás na economia americana com a sua turnê “The Eras Tour”, segundo o Federal Reserve, o banco central americano. 

3. Barbie – o filme da Mattel, que já bateu mais de US$ 700 milhões (R$ 3,3 bilhões) em bilheteria no mundo inteiro, fez as ações da companhia se valorizarem em 19,54% no ano.

Dos palcos e do cinema para as telinhas e caixas de som da nossa casa, desde o fim do ano passado, diversas mensalidades dos serviços de streaming de áudio e vídeo foram reajustadas no país. Essas assinaturas, encaradas como despesas pequenas dentro do orçamento, podem prejudicar o bom andamento das contas: são os chamados gastos silenciosos.

“Recomendo colocar os streamings no planejamento financeiro, ou seja, na ponta do lápis, e observar se não afetam outra conta a pagar ou um investimento que você quer fazer”, afirma a educadora financeira, Simone Sgarbi.

6) CUIDADOS PARA RENEGOCIAR AS DÍVIDAS E A RESTITUIÇÃO DO IR

Os programas de renegociação de dívidas estão em alta nesse momento do país em que 78 de 100 famílias estão endividadas. 

Os dois principais hoje são o Desenrola, que na sua primeira fase ajuda a renegociar dívidas bancárias. E o Renegocia!, que permite renegociar débitos com companhias de luz, água, gás, telefone, além do varejo. 

Não há dúvidas de que ambos os programas são uma chance para pagar menos pelas dívidas e limpar o nome. No entanto, é preciso cuidados ao participar para que a oportunidade não seja desperdiçada.

O B3 Bora Investir fez uma lista dos 5 cuidados antes de renegociar suas dívidas.  

Para a educadora financeira, Dina Prates, o consumo desenfreado, falta de conhecimento sobre si e disponibilidade ampla de crédito impedem a organização financeira e leva à inadimplência. 

Aos brasileiros que aguardam a restituição do Imposto de Renda para limpar o nome, mas ainda não receberam o valor, é preciso lembrar que o pagamento é feito em lotes. O último, segundo o calendário da Receita Federal, será no dia 29 de setembro.

7) FINANÇAS PESSOAIS: COMO INVESTIR EM AGRO E BDR

O agronegócio foi responsável pela disparada do Produto Interno Bruto brasileiro no primeiro trimestre e, não à toa, tem crescido a curiosidade sobre como investir no setor por LCA (Letra de Crédito do Agronegócio), CRA (Certificado de Recebíveis do Agronegócio) e Fiagro (Fundo de Investimento em Cadeias Agroindustriais). Por isso, nesta semana publicamos esta sobre como investir no agronegócio, quais as opções e como começar

Explicamos também como investir no exterior sem sair do país por meio dos Brazilian Depositary Receipts (BDRs), recibos de ações internacionais negociados como ativos na bolsa do Brasil. O Bora preparou uma lista com cinco dos principais pontos que o investidor deve se atentar antes de incluir BDRs em sua carteira.

Aprenda a investir na renda fixa. Confira este curso gratuito disponibilizado no Hub de Educação Financeira da B3

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias