Notícias

7 fatos e frases da última semana de outubro que resumem o mercado e a economia

EUA no foco com PIB surpreendente e inflação resiliente. No Brasil, reforma tributária avança e Câmara aprova tributação dos fundos exclusivos e offshore. Nos investimentos, ações em destaque

Bandeira dos Estados Unidos tremulando asteada em frente a prédio histórico
Bandeira dos EUA; Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

A economia dos Estados Unidos surpreendeu na semana passada e avançou a uma taxa anualizada de 4,9% no 3º trimestre. Se por um lado o resultado afunda as projeções de recessão neste ano, por outro, emerge o fantasma de uma inflação ainda em alta.

Na conta do Federal Reserve fica a expectativa sobre os próximos passos para os juros na reunião de quarta-feira, 01/11. Na fatura do governo americano, mais rombo num orçamento já estourado. No mercado financeiro, rendimento dos Treasuries elevados e volatilidade em alta.

No Brasil, a reforma tributária deu o primeiro passo à frente no Senado. Já o relatório andou para trás com o aumento das exceções a alíquota do IVA. Projeto de taxação dos fundos exclusivos e offshores aprovados na Câmara, com destino ainda incerto no Senado.

Nos investimentos, CEO da B3 e presidente do BC conversaram sobre o mercado financeiro e a economia global num evento do Bora e do Estadão. Ex-participantes de reality falam de planejamento financeiro e Bora Investir tira todas as dúvidas sobre ações.

Relembre, a seguir, os principais fatos e frases que marcaram a semana:

1) PIB dos Estados Unidos avança mais que o esperado e pode afetar decisão de juros

A economia dos Estados Unidos surpreendeu o mercado e cresceu a uma taxa anualizada de 4,9% no 3º trimestre. O melhor resultado em dois anos veio acima do esperado pelo mercado e foi puxado pelos gastos dos consumidores.

A resiliência do Produto Interno Bruto americano, mesmo diante do aperto monetário promovido pelo Federal Reserve, pode sinalizar ao BC a necessidade de juros mais altos por mais tempo para levar a inflação à meta de 2%

Essa perspectiva ficou ainda mais certa, após o avanço de 0,4% em setembro do índice de preços de gastos com consumo – um dos indicadores mais importantes para as decisões de política monetária.

Inclusive, na próxima quarta-feira, 01/11, o Fed se reúne para decidir a taxa de juros nos próximos 45 dias.

Em uma entrevista ao B3 Bora Investir, o economista-chefe do banco Master, Paulo Gala, explicou que essa melhora na atividade tem feito o governo dos EUA gastar mais do que arrecada.

Para financiar esse rombo, é preciso emitir mais Treasuries – que são os títulos do Tesouro – o que aumenta a oferta. Com mais títulos no mercado, os preços caem e os rendimentos (yields) avançam forte.

Na semana que passou, os rendimentos dos Treasuries de 10 anos chegaram a ultrapassar os 5%, reflexo do aumento da emissão de dívida pelo governo de Joe Biden para cobrir o descompasso no orçamento.

Outros indicadores também mostraram o bom momento da atividade nos Estados Unidos. O índice de gerentes de compras composto, que reúne a atividade do setor industrial e de serviços, subiu para 51 pontos em outubro, o que mostra expansão na atividade.

Ainda no noticiário internacional, a eleição na Argentina ficou no foco dos investidores. Mesmo com uma economia em crise, o candidato peronista e ministro da Economia, Sergio Massa, foi o mais votado e vai para o segundo turno com Javier Milei. Mesmo tão perto, o primeiro turno da eleição teve pouco impacto no mercado brasileiro.

2) Reforma tributária? “Seria melhor não só ter incorporado novas exceções, mas ter reduzido as da Câmara”. (Bernard Appy, secretário extraordinário da Reforma Tributária)

O primeiro passo da tramitação da Reforma Tributária no Senado foi dado. O relator Eduardo Braga apresentou o seu relatório na Comissão de Constituição e Justiça da casa.

Dentre as principais alterações: aumento no número de exceções na alíquota do Imposto sobre Valor Agregado (IVA) – que vai substituir cinco tributos; uma cesta básica estendida (com redução do imposto); e um fundo maior para atender aos Estados.

Essa ampliação dos setores que terão tributação reduzida e a criação de uma alíquota diferenciada para profissionais liberais pegou economistas de surpresa. Analistas alertam que uma ‘complexidade adicional’ pode acabar com o principal objetivo da reforma que é a simplificação tributária.

O secretário extraordinário da Reforma Tributária, Bernard Appy, afirmou em entrevista ao ‘Valor Econômico’, que o ideal seria a reforma tributária ter menos exceções. No entanto ponderou que o relatório “caminha bastante bem para criar um ambiente favorável à aprovação no Senado”.

Em meio às discussões da reforma, houve uma corrida aos cartórios de todo o país. É que o texto prevê uma alteração na cobrança do imposto sobre transferências de heranças.

Hoje, o Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doação tem alíquota máxima de 8%. Com a proposta, o valor passa a ser aplicado de forma progressiva, ou seja, quando maior o patrimônio, mais alta a tributação.

3) Fundos offshore e exclusivos: “como a alíquota ficou abaixo do previsto originalmente, a adesão deve ser maior(Fernando Haddad, ministro da Fazenda)

O projeto de lei que prevê a tributação dos fundos de investimento no exterior (offshores) e dos fundos exclusivos (com poucos cotistas e voltados para pessoas de alta renda) foi aprovado pela Câmara e segue para o Senado.

Pela proposta, os fundos offshore serão tributadas em 15%, uma vez por ano. Já nos onshore, a alíquota vai incidir duas vezes ao ano e a taxação vai variar conforme a duração dos investimentos (15% longo prazo e 20% curto prazo, até um ano).

O projeto é essencial para a equipe econômica, que precisa aumentar a arrecadação em 2024 para zerar o déficit das contas públicas. Tanto que o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou que pode haver até aumento na arrecadação, mesmo com alíquotas mais baixas que as propostas pelo governo.

O líder do governo no Congresso Nacional, senador Randolfe Rodrigues, afirmou que o texto deve ser aprovado nas próximas duas semanas na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado.

Em meio a discussões sobre fundos no exterior, o B3 Bora Investir mostrou que é possível acessar investimentos estrangeiros sem precisar enviar dinheiro para fora do país, através dos BDRs (Brazilian Depositary Receipts). Existem dois tipos principais: os patrocinados e os não patrocinados.

LINK – https://borainvestir.b3.com.br/noticias/bdrs-patrocinados-e-nao-patrocinados-aprenda-as-diferencas-e-como-escolher/

Na lista dos papéis que tiveram os melhores retornos no ano, estão a Nvidia e a Meta, ambas no ramo de tecnologia. Há também os ETF internacionais (Exchange-Traded Funds), fundos projetados para acompanhar o desempenho de um índice de referência específico.

4) “O Brasil vive uma janela de oportunidade única: PIB em expansão, inflação em queda, baixa competitividade entre os pares emergentes”. (Gilson Finkelsztain, CEO da B3)

Um evento em São Paulo na semana passada reuniu o CEO da B3, Gilson Finkelsztain, e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. Na mesa, discussões sobre a economia global e o mercado financeiro.

Segundo Gilson Finkelsztain, as perspectivas de crescimento do país nos próximos anos ajudam a atrair investimentos para o mercado de capitais. E o investidor estrangeiro está pronto para realocar recursos no Brasil.

Em sua apresentação, Campos Neto afirmou que os juros altos em países desenvolvidos têm sugado a liquidez dos emergentes. No entanto, ponderou que o início da desaceleração da inflação nos países ricos começou, o que pode mudar esse quadro.

Ainda no assunto juros, o presidente do BC voltou a afirmar que tem tentado encontrar uma solução para o parcelamento no cartão de crédito, a fim de acabar com o rotativo. “O cartão de crédito virou um veículo de financiamento, o que não era o intuito”

Em relação aos preços, a semana trouxe um dado positivo com a perda de ritmo da prévia da inflação (IPCA-15). O movimento reforçou a expectativa de cortes da taxa básica de juros, em reunião do Comitê de Política Monetária na quarta-feira, 01/11.

5) Nyvi Estephan: “eu invisto tudo que eu ganho a mais do que uso”

O B3 Convida desta semana recebeu a apresentadora de games e esportes eletrônicos, Nyvi Estephan. Apenas em 2022, ela faturou mais de R$ 196 bilhões e mostrou que a área é uma importante aliada para a educação e aprendizado das crianças.

“Acredito que os jogos ajudam em habilidades cognitivas e até na socialização quando ela é inclusiva”.

Além de falar sobre o setor, finanças e sua visão do cenário brasileiro, Nyvi comentou o ambiente com poucas mulheres no mercado de games. E fez um paralelo de quando trabalhou no mercado financeiro.

“Eu recebo muitas mensagens hoje de meninas e mulheres que viram pela primeira vez uma mulher apresentando games comigo. Na época que eu comecei a trabalhar na área eu não sabia o que eu faria. Como se sonha com algo que a gente não conhece ou não existe? Quando se tem algo em que se inspirar, muda tudo”.

6) Personalidades da semana e os investimentos

O planejamento financeiro e as dicas de investimento também estiveram presentes nas conversas entre ex-participantes de reality shows brasileiros. E, claro, fomos conferir e aprofundar os assuntos.

Gil do Vigor (ex-BBB e economista) aconselhou Rachel Sheherazade (expulsa da Fazenda) a passar por um planejamento financeiro. A jornalista declarou que, apesar do salário R$ 200 mil mensais no SBT, não conseguiu comprar a casa própria.

O Bora ouviu educadores financeiros e fez simulações de renda para a compra de um imóvel. Mostramos também por quanto tempo é necessário investir.

Para quem tem planos mais modestos, como por exemplo fazer uma compra na Black Friday, explicamos onde é melhor guardar o dinheiro até a data.

Também na semana passada, a influenciadora Viih Tube (ex-BBB) revelou que sua filha Lua, de seis meses, já faturou R$ 1 milhão com anúncios publicitários. E você leitor, quer saber como acumular R$ 1 milhão com investimentos? Bora que a gente te explica.

7) Investimento em ações

“Sem Medo de Investir em Ações”. Esse é o título do livro de Thiago Salomão e Renato Santiago, os fundadores e apresentadores do podcast Market Makers. A partir da publicação, o B3 Bora Investir fez uma lista com seis dicas para começar a investir em ações.

Para abrir os trabalhos na renda variável, muitos investidores avaliam o quanto uma empresa paga de dividendos antes de escolher uma ação. O Bora, então, fez a lista dos papéis que mais pagaram uma parcela do lucro das empresas.

Mas e se o investidor comprou uma ação e o preço derreteu,  ele deve segurar ou vender? Ninguém quer perder dinheiro, por isso, aprenda técnicas para fugir da volatilidade.

E viver de renda, será que dá? Confira quanto é preciso investir para viver com R$ 7 mil mensais para o resto da vida.

Quer saber como criar e utilizar planilhas para controlar suas receitas e despesas de forma eficiente? Confira este curso sobre planilhas de organização e controle oferecido pela B3,

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.